Acordando dentro de uma pergunta: imensidão entre fronteiras e (não) ilusão na obra de Marcius Galan

Palavras-chave: Marcius Galan, Percepção, Equilíbrio, Ilusão, Seção diagonal

Resumo

O presente ensaio procura se aprofundar nas obras Água parada (2019) e Seção diagonal (2008) de Marcius Galan. Guiado pelo texto poético de Anne Carson e pela filosofia de Gaston Bachelard, o estudo reúne questionamentos que emergem dos trabalhos do artista, situados na investigação de uma percepção de imensidão íntima, fronteiriça e de equilíbrio mínimo que se pauta em movimentos de aparente ilusão.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bibliografia citada

Bachelard, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes; 1996.

Bachelard, Gaston. A água e os sonhos. São Paulo: Martins Fontes; 1998.

Carson, Anne. Glass, Irony, and God. New York: New Directions; 1995.

Carson, Anne. Plainwater: essays and poetry. New York: Vintage Contemporaries; 2000.

Gombrich, E.H. Arte e ilusão: um estudo da psicologia da representação pictórica. São Paulo: Martins Fontes; 1986.

Trentini, Bruno. Immersion as an embodied cognition shift: aesthetic experience and spatial situated cognition. Cogn Process. 2015 Sep; 62 (1): 413-6.

Wisnik, Guilherme. Dentro do nevoeiro: arquitetura, arte e tecnologia contemporâneas. São Paulo: Ubu; 2018.

Fontes eletrônicas e sites

Auroras. Água parada, 2019 [acesso em 02 ago. 2019]. Disponível em: <http://www.auroras.art.br/marcius-galan>.

Redação Inhotim. Marcius Galan e espaço, 2014 [acesso em 10 ago. 2019]. Disponivel em: < https://www.inhotim.org.br/blog/marcius-galanespaco-inhotim/>.

Publicado
2019-11-21
Como Citar
Tolotti, L. (2019). Acordando dentro de uma pergunta: imensidão entre fronteiras e (não) ilusão na obra de Marcius Galan. Revista ARA, 7(7), 299-314. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8354.v7i7p299-314