A Representação da ausência nos vestígios de ação

  • Allan Tanioka Yzumizawa Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Artes
Palavras-chave: Arte e política, Vestígio, Ausência, Vestígio de ação, Partilha do sensível

Resumo

Partindo das questões sobre arte e política e da potência das imagens colocadas por Jacques Rancière e Georges Didi-Huberman, o presente artigo propõe a discussão sobre as formas de representação da ausência a partir de trabalhos entendidos como vestígios de ação. Esses trabalhos, ao invés de trazer a imagem representada do corpo, a partir de seus vestígios, denunciam a sua ausência, trazendo à discussão sobre formas de articular o visível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BHABHA, Homi K. O local da cultura. 2a ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. 2a ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

PALLAMIN, Vera. Aspectos da relação entre o estético e o político em Jacques Rancière. Risco Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo, n. 12, p. 6-16, 1 jul. 2010.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. 2a ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento: política e filosofia. 2a ed. São Paulo: Editora 34, 2018.

RANCIÈRE, Jacques. O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012a

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012b.

SAYRE, Henry M. The object of performance: The american avant-garde since 1970. Chicago: The University of Chicago Press, 1989.

STILES, Kristine. Uncorrupted Joy: International Art Actions. In: SCHIMMEL, P; STILES, K (Org.). Out of Actions: Between Performance and the Object 1949-1979. Catálogo da exposição. New York: Thames and Hudson, 1998.

Publicado
2020-05-31
Como Citar
Yzumizawa, A. (2020). A Representação da ausência nos vestígios de ação. Revista ARA, 9(9), 99 - 114. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8354.v9i9p99-114