As coisas como elas são

  • Luiz Arthur Leitão Vieira Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
Palavras-chave: Fotografia, Tecnologia, Arte, Representação, Capitalismo

Resumo

Este artigo examina novas formas de representação fotográfica no início do século XXI. A partir do texto de Walter Benjamin, em que diferencia as obras com “valor de culto” e “valor de exposição", analisa diferenças entre a fotografia de base química (dita analógica) e a fotografia digital. Com isso, atém-se à proposta de representação da realidade contemporânea no trabalho de Andreas Gursky.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas I: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BAUDRILLARD, Jean. As estratégias fatais. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

COTTON, Charllotte. A fotografia como arte contemporânea. São Paulo: Martins Fontes; 2010.

FABBRINI, Ricardo Nascimento. Estética e crítica da arte em Jean-François Lyotard. O Que nos Faz Pensar: Cadernos do Departamento de Filosofia da puc-Rio, Rio de Janeiro, v. 26, n. 40, pp. 47-77, 2017.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 2000.

LOENGARD, John. Celebrating the negative. Nova York: Arcade; 1994.

NAYERI, Farah. Andreas Gursky is taking photos of things that do not exist. The New York Times. Nova York, p. C2. 29 jan. 2018.

SAFATLE, Vladimir. Do sublime capitalista e das ruínas. Revista Cult, São Paulo, p.51-54, 2007.

WISNIK, Guilherme. Dentro do nevoeiro: arquitetura, arte e tecnologia contemporâneas. São Paulo: Ubu, 2018.

Publicado
2020-05-31
Como Citar
Vieira, L. A. (2020). As coisas como elas são. Revista ARA, 9(9), 77 - 96. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8354.v9i9p77-96