A modinha como expressão nacional do século XIX: desmistificando a aura de gênio do Padre José Maurício Nunes Garcia

Autores

  • Pedro Vaccari Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-7117.rt.2020.174410

Palavras-chave:

Modinha, Gênio romântico, Padre José Maurício Nunes Garcia, Popular-tradicional

Resumo

A figura do gênio romântico, atormentado e incompreendido, que morre na miséria, tem acompanhado o fluxo de mistificação histórica desde o século XVIII, na figura de Mozart. Transladado para os trópicos, esse personagem foi personificado em José Maurício Nunes Garcia, compositor negro da Corte de D. João VI no Brasil, que teria Marcos Portugal como rival e antípoda – o Salieri de Portugal/Brasil. Por meio de uma pesquisa que analisou todos os Jornais de Modinha publicados em Lisboa de 1792 a 1796, e as Modinhas Imperiais que vieram a prelo pelas mãos de Mário de Andrade em 1930, pudemos perceber, entretanto, que o gênero modinha, cultivado por José Maurício em pelo menos quatro peças sobreviventes, possui elos motívicos que podem caracterizá- lo como pertencente a uma nacionalização incipiente da música brasileira. A partir dessa premissa foi possível traçar um perfil do Padre que desmistifica a aura do gênio, já que suas modinhas, em específico “Marília, si me não amas…”, trazem elementos que remontam à tradição popular oral brasileira. A Modinha, gênero que ressoaria em suas próprias missas para constituir uma brasilidade em música, não seria antes um gênero aglutinador de influências folclóricas e populares urbanas, e o fato de José Maurício compor nesse estilo não o aproximaria das correntes tradicionais de retórica neo-trovadoresca?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Vaccari, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Pedro Vaccari é bacharel em Canto pela Unesp, onde também concluiu seu Mestrado em Performance, sob orientação de Martha Herr. Na Alemanha estudou com o tenor Gerd Türk, e no Brasil com Neyde Thomas e o tenor Fernando Portari. Cantou em Masterclass para Kiri te Kanawa, para o tenor Luiz Tenaglia e diversas outras Masterclasses, como da Universidade de Atlanta (EUA). Recentemente teve aulas na Itália com o tenor Nicola Pamio. Sob a direção de Mauro Wrona cantou diversas pocket óperas, foi bolsista do CNPq por três vezes consecutivas, e atualmente é doutorando pela Unesp, sob a orientação de Dorotea Kerr. Foi selecionado para a Bachakademie em Stuttgart na Alemanha, e desde 2008 integra o Coral Paulistano do Teatro Municipal de São Paulo. Também poeta, publicou poemas pela editora portuguesa Chiado e pela brasileira Vivara, e sua antologia poética foi indicada para publicação. Semifinalista do Concurso Os Três Tenores promovido pela Rede Record, também foi classificado para o Programa Prelúdio, da TV Cultura, onde cantou a primeira audição nacional da ópera L´esule di Roma de Donizetti. Especialista em Música brasileira, gravou CD com peças de Ronaldo Miranda, orientado pelo próprio compositor, e desenvolve pesquisa etnomusicológica sobre o Padre José Maurício Nunes Garcia. Foi banca do Congresso de Iniciação Científica da Unesp em 2012, e teve artigos publicados pela Anppom, Unirio, etc. Estudou piano com Claudio Tegg.

Referências

ALBUQUERQUE, M. J. D. . Jornal de Modinhas: Ano I. Lisboa, Instituto da Bilbioteca Nacional e do Livro, 1996 [1792].

ANDRADE, M. de. Ensaio sobre a música brasileira. Belo Horizonte, Itatiaia, 2006 [1928].

ANDRADE, M. de. Modinhas Imperiais. Belo Horizonte, Itatiaia, 1980 [1930].

BERNARDES, R. Corte de D. João VI: obras profanas. São Paulo, Funarte, 2001.

BLACKING, J. How musical is man? Washington, Washington Press, 1973.

CAMPOS, A. Marcos Portugal x Padre José Maurício: a morte em extrema miséria. Acesso: 02/08/2020 https://movimento.com/marcos-portugal-x-padre-jose-mauricio-morte-em-extrema-miseria/ ,2016.

CAMPOS, A. Marília si me não amas, não me diga a verdade. Rio de Janeiro, Música Brasilis, 2017.

CARDOSO, A. A música na Corte de D. João VI. São Paulo, Martins Fontes, 2008.

FRANÇA, E. N. Música do Brasil: Fatos, figuras e obras. Rio de Janeiro. Instituto Nacional do Livro, 1967.

FREYRE, G. Casa-Grande e senzala. 84a edição. São Paulo, Global, 2016. [1933]

GLASER, A. L. Raymond Williams: materialismo cultural. São Paulo, Biblioteca24horas, 2011.

HAZAN, M. C. “Raça, Nação e José Maurício Nunes Garcia”. Resonancias: Revista de investigación musical, vol. 13, n. 24, pp. 23-40, 2009.

HEITOR, L.. Música e músicos do Brasil. Rio de Janeiro, Editora da Casa do Estudante do Brasil, 1950.

HERTZMAN, M. A. Making Samba: a new history of race and music in Brazil. Nova Iorque, Duke University, 2013.

HOLANDA, S. B. de. Raízes do Brasil. 27a edição. São Paulo, Companhia das Letras, 2016 [1936].

MAGALHÃES PINTO, A. F.. Escritos de liberdade: literatos negros, racismo e cidadania no Brasil oitocentista. Campinas, Editora Unicamp, 2018.

MILCENT, F. D. Jornal de Modinhas com acompanhamento de cravo pelos milhores autores (edição em livro). Lisboa, Real Fábrica e Armazém de Música, 1820.

MATTOS, C. P. de. José Maurício Nunes Garcia: Biografia. Rio de Janeiro, Biblioteca Nacional, 1997.

MERRIAM, A. P. The Anthropology of Music. Michigan, Northwestern University, 1964.

OLIVEIRA, A. J. M. de. “Suplicando a “dispensa do defeito da cor”: clero secular e estratégias de mobilidade social no Bispado do Rio de Janeiro – século XVIII”. ENCONTRO DE HISTÓRIA ANPUH RIO, n. 13, pp. 1-8, 2008.

OLIVEIRA PINTO, T. de. “Questões de antropologia sonora”. Revista de Antropologia, v. 44, n. 1, pp. 221-86, 2001.

PAZ, E. 500 canções brasileiras. Brasília, MusiMed, 2010.

QUEIROZ, E. de. O primo Bazilio: episodio domestico. Porto, Lello Irmãos, 1912 [1878].

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo, Global, 2015 [1995].

SANTOS, I. L. dos. História da África e do Brasil afrodescendente. Rio de Janeiro, Pallas, 2018.

SCHLICHTHORST, C. O Rio de Janeiro como é. Rio de Janeiro. Editora Zélio Valverde, 1943 [1824-26].

SOARES, L. C. O “povo de cam” na capital do Brasil: a escravidão urbana no Rio de Janeiro do Século XIX. Rio de Janeiro, 7Letras, 2007.

SROETER, G., MORI, E (org.). Uma árvore da Música Brasileira. São Paulo, Sesc Edições, 2020.

SUZUKI, M. O gênio romântico: crítica e história da filosofia em Friedrich Schlegel. São Paulo, Editora Iluminuras, 1998.

TINHORÃO, J. R. Domingos Caldas Barbosa: o poeta da viola, da modinha e do lundu. São Paulo, Editora 34, 2004.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

Vaccari, P. (2020). A modinha como expressão nacional do século XIX: desmistificando a aura de gênio do Padre José Maurício Nunes Garcia. Revista Da Tulha, 6(2), 35-63. https://doi.org/10.11606/issn.2447-7117.rt.2020.174410

Edição

Seção

Artigo