A adoção de um currículo interdisciplinar na educação e no estudo das culturas eruditas e populares no contexto brasileiro

Autores

  • Sonia Regina Albano de Lima Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-7117.rt.2020.178044

Palavras-chave:

Interdisciplinaridade, Concepção a-histórica, Concepção histórico-dialética, Currículo interdisciplinar, Produção musical

Resumo

O texto que se segue analisa as duas concepções de interdisciplinaridade - a concepção a-histórica e a concepção histórico dialética, tanto nas ciências como na educação. Sob essa perspectiva serão avaliados os currículos interdisciplinares com o intuito de minimizar a fragmentação epistemológica instaurada após o cartesianismo. Nesse sentido gestores da educação devem apresentar propostas curriculares interdisciplinares focadas em três dimensões epistemológicas de forma integrada – dimensão ética, cultural e social. Os relatos aqui produzidos estão fundamentados basicamente nos escritos de M. F. Gomes da Silva (2009) e A. C. Lopes e E. Macedo (org) (2005). O texto culmina com a análise de E. Fubini, entre outros musicólogos, apontando o isolamento epistemológico presente na produção musical contemporânea, o que corrobora um fazer musical fragmentado e hiperespecializado, na contramão de um padrão cultural híbrido instaurado na sociedade contemporânea. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sonia Regina Albano de Lima, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Sonia Regina Albano de Lima. Doutorado em Comunicação e Semiótica - Artes (PUC/SP, 1999); pós-doutorado em interdisciplinaridade e educação pelo Grupo de Estudos e Pesquisa em Interdisciplinaridade da PUC-SP (GEPI-PUC/SP), sob a orientação da Prof. Dr. Ivani C. A. Fazenda; pós-doutorado em Música no IA-UNESP (2015), sob supervisão da Prof. D. Yara Caznók, pós-graduação lato sensu em práticas instrumentais e música de câmara ( Faculdade de Música Carlos Gomes- FMCG); especialização em interpretação musical e música de câmara com o Prof. Walter Bianchi ( FMCG); bacharelado em instrumento - piano (FMCG, 1982); bacharelado em direito (USP, 1973); licenciatura curta em educação musical e habilitação para o ensino de piano (Instituto Musical de São Paulo, 1967). Estudou piano e música de câmara com os professores Martin Braunwieser, Sonia Muniz, Roberto Sabbag e Walter Bianchi. Participou de cursos de extensão com intérpretes nacionais e internacionais, entre eles destacam-se: Bruno Seidholfer, Camargo Guarnieri, Rosalyn Tureck, Sérgio Magnani e Homero Magalhães. Foi professora de piano da Escola Municipal de Música (EMM) de 1975 a 1999. Na FMCG foi professora de música de câmara e piano (1983 a 1993); vice-diretora (1985 a 1999); diretora executiva (1999 a 2010); coordenadora pedagógica dos cursos de graduação (canto, instrumento, composição e regência) e pós-graduação lato sensu em educação musical e música (1998 a 2009). Foi professora pesquisadora da UNIABC de 2010 a 2012 para a implantação do Mestrado Profissional em Educação; bolsista coordenadora de pesquisa da FUNADESP (2012). É professora do Programa de Mestrado e Doutorado em Música do IA-UNESP desde 2005. Foi diretora e coordenadora artística da Escola de Música de São Paulo de 2013 a 2014. É pesquisadora junto ao GEPI-PUC/SP e líder de pesquisa do Grupo de Pesquisa em Educação Musical do IA-UNESP (G-PEM- IA-UNESP). Foi colaboradora no Projeto Pensar e Fazer Arte da PUC/SP sob a organização do Prof. Dr. Cláudio Picollo. Autora e organizadora de livros, coletâneas e textos de revistas científicas voltadas para a interdisciplinaridade, performance e educação musical. Foi Presidente da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música de 2015 a 2019.

Referências

ARANTES, Antonio Augusto. O que é cultura popular. 1981. 14 ed. São Paulo: Brasiliense, 1990.

COSTA, Marisa Vorraber. Poder, discurso e política cultural: contribuições dos estudos culturais ao campo do currículo. In: LOPES, Alice Casimiro & MACEDO, Elizabeth (orgs). Currículo: debates contemporâneos, 2ª edição, São Paulo: Cortez Editora, 2005.

DUSSEL, Inés. O currículo híbrido: domesticação ou pluralização das diferenças? In: LOPES, Alice Casimiro & MACEDO, Elizabeth (orgs). Currículo: debates contemporâneos, 2ª edição, São Paulo: Cortez Editora, 2005.

FUBINI, Enrico. Música y linguaje en la estética contemporánea. Espanha: Alianza Música, 2001.

GOMES DA SILVA, Maria de Fátima. Para uma ressignificação da interdisciplinaridade na gestão dos currículos em Portugal e no Brasil. Portugal - Coimbra: Fundação Calouste Gulbenkian, 2009, 617, p.

LEITE, Carlinda. O lugar da escola e do currículo na construção de uma educação intercultural. In: CANEN, Ana e MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa (orgs). Ênfases e omissões no currículo. Campinas, SP: Papirus, 2001, p. 45-64.

LENOIR, Yves. Didática e interdisciplinaridade: uma complementaridade necessária e controlável. In. FAZENDA, Ivani C. Arantes (org). Didática e Interdisciplinaridade. Campinas, SP: Papirus, p. 45-75, 1998.

SANTAELLA, Lúcia. (Arte) & (cultura): equívocos do elitismo. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1990.

SILVA, Maria de Fátima Gomes da. Para uma ressignificação da interdisciplinaridade na gestão dos currículos em Portugal e no Brasil. Portugal Edição Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação para a Ciência e Tecnologia. 2009.

SLOBODA, John A. A mente musical: a psicologia cognitiva da música. Tradução de Beatriz ilari e Rodolfo Ilari. Londrina:EDUEL, 2008.

TURA, Maria de Lourdes Rangel. Conhecimentos escolares e a circularidade entre culturas. In. In: LOPES, Alice Casimiro & MACEDO, Elizabeth (orgs). Currículo: debates contemporâneos, 2ª edição, São Paulo: Cortez Editora, 2005, p. 150 a 173.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

Lima, S. R. A. de . (2020). A adoção de um currículo interdisciplinar na educação e no estudo das culturas eruditas e populares no contexto brasileiro . Revista Da Tulha, 6(2), 90-118. https://doi.org/10.11606/issn.2447-7117.rt.2020.178044

Edição

Seção

Artigo