O que as mãos não ousam tocar: Revisão crítica das “premissas musicais” do livro Feitiço Decente de Carlos Sandroni.

Autores

  • Ricardo Augusto Brandão Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-7117.rt.2021.182067

Palavras-chave:

música popular, Samba, Síncope, Claves, Linha Guia

Resumo

Este trabalho propõe uma análise crítica de conceitos e ideias presente no livro de Carlos Sandroni: Feitiço Decente de 2001, sobretudo do capítulo intitulado premissas musicais. A partir de uma postura política procura-se aprofundar a discussão sobre certos equívocos metodológicos na forma como o autor utiliza conceitos musicais, especialmente rítmicos, presentes na música popular brasileira e de matriz africana: como a síncope, as claves e linhas guias, e as métricas aditivas e divisivas. Através da revisão de certa bibliografia, é possível observar autores que se aproximam das visões de Sandroni sobre o tema, e deixam transparecer o caráter ideológico por trás de tal postura analitica: como a supervalorização da percepção individual; do apelo às diferenças e à alteridade; e a recusa em usar o ferramental analitico tradicional nas pesquisas sobre a música popular e de matriz africana. O que se pretende demonstrar é como algumas premissas ideológicas de uma certa musicologia ‘nova’ podem turvar e limitar a visão  sobre expressões musicais não hegemônicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAWU, Kofi. The Invention of "African Rhythm". Journal of the American Musicological Society. Vol. 48, No.3. 380-395. Outono, 1995.

AGAWU, Kofi. Structural Analysis or Cultural Analysis? Competing Perspectives on the “Standard Pattern” of West African Rhythm. Journal of the American Musicological Society.Vol. 59. No. 1. 1-46. 2006.

AGAWU, Kofi. Contesting Difference. In: CLAYTON, Martin; HERBERT, Trevor; MIDDELTON, Richard. The cultural studies of music. Nova Iorque: Routledge, 2003, 227-237.

AROM, Simha. African Polyphony and Polyrhythm: Musical structure and methodology. 1.ED. Cambridge, UK: CAMBRIDGE UNIVERSITY PRESS. 1991

BOLÃO, Oscar. Batuque é um privilégio: A percussão na música do Rio de Janeiro para músicos, arranjadores e compositores. 1.ED. São Paulo,SP: Irmãos Vitale, 2010.

CARDOSO, ngelo Nonato. A linguagem dos tambores. Tese de doutorado em música/etnomusicologia. Universidade Federal da Bahia, Salvador: 2006.

CARVALHO, José Alexandre. Infraestrutura e Superestrutura na rítmica da Música Popular. Anais do SEFIM. Porto Alegre, RS. Vol. 2, No. 2. 356-358. 2016

CLER, Jerôme. Commentary on "Measuring Aksak Rhythm and Synchronization in Transylvanian Village Music by Using Motion Capture". Empirical Musicology Review. Paris. Vol. 10, No. 4. 302-304. 2015.

COHEN, Sara. A hemiólia no estudo n2: Cordes à Vide, de György Liget. Cadernos do Colóquio 2004-2005. Rio de Janeiro. Vol.7, No. 1. 118-137. 2005.

COOK, Nicholas. Beyond the score: Música as performance. 1.ED. EUA: OUP, 2013.

FREITAS, Sérgio. A memória e o valor da síncope: da diferença do que ensinam os antigos e os modernos. Per musi. Belo Horizonte, MG. No. 22. 127-142. 2010.

NATTIEZ, Jean-Jacques, O combate entre Cronos e Orfeu: Ensaios de semiologia musical aplicada. Trad. Luiz Paulo Sampaio. 1.ED. São Paulo, SP: Via lettera Editora e Livraria, 2005

SANDRONI, Carlos. Feitiço Decente: transformações no samba do Rio de Janeiro, 1917-1933. 1.ED. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar ED, 2001.

SMALL, Christopher. Musicking: The meanings of performing and listening. 1.ED. Hanover, NH: Wesleyan University Press, 1998.

TEMPERLEY, David. Meter and Grouping in African Music: A View from Music Theory. Ethnomusicology. Vol.44, No.1. 65-96. Inverno, 2000.

Downloads

Publicado

2021-11-11

Como Citar

Brandão, R. A. (2021). O que as mãos não ousam tocar: Revisão crítica das “premissas musicais” do livro Feitiço Decente de Carlos Sandroni. Revista Da Tulha, 7(1), 9-32. https://doi.org/10.11606/issn.2447-7117.rt.2021.182067

Edição

Seção

Artigo