Perfil da mortalidade de mulheres em idade fértil por causas naturais no estado de Sergipe: um estudo retrospectivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i4p343-350

Palavras-chave:

Saúde da mulher, Mortalidade prematura, Causas de morte, Sistemas de Informação em Saúde

Resumo

Trata-se de um estudo ecológico retrospectivo com o objetivo de descrever a mortalidade de mulheres em idade fértil por causas naturais, de 2000 a 2015, em Sergipe. As declarações de óbitos foram coletadas do Sistema de Informação de Mortalidade e as estimativas populacionais foram obtidas junto ao Ministério da Saúde. Os casos selecionados foram classificados quanto à evitabilidade e foram analisados pelo programa Tabwin. Durante o período, ocorreram 8.945 óbitos por causas naturais. Destes, apresentaram os maiores coeficientes: mulheres na idade de 40 a 49 anos, óbitos hospitalares e residentes na Região de Saúde de Propriá. Quanto às causas evitáveis, considerando o primeiro e o último quadriênio, houve um aumento de 11,1%, destacando-se o coeficiente por doenças não transmissíveis. Entre as causas não evitáveis e mal definidas, houve diminuição de 0,4% e de 70,6%, respectivamente. Em relação ao percentual dos casos segundo raça/cor, estado civil e escolaridade, destacaram-se as pardas, solteiras e com escolaridade entre 4 e 7 anos. Assim, são necessários investimentos em ações que visem a redução dos óbitos por causas evitáveis e garantam a qualidade e a resolutividade na atenção à saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Eduardo Andrade Tavares de Aguiar, Universidade Federal de Sergipe

Apresentado no 58º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia, Porto Alegre-RS, 13-16 de novembro de 2019.
Universidade Federal de Sergipe, Campus Aracaju, Dept. de Medicina.

Joanna Severo, Universidade Federal de Sergipe

Apresentado no 58º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia, Porto Alegre-RS, 13-16 de novembro de 2019.
Universidade Federal de Sergipe, Campus Aracaju, Dept. de Medicina.

Marcos Antônio Lima Carvalho, Universidade Federal de Sergipe

Apresentado no 58º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia, Porto Alegre-RS, 13-16 de novembro de 2019.
Universidade Federal de Sergipe, Campus Aracaju, Dept. de Medicina. 

Thais Serafim Leite de Barros Silva, Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe, Campus Aracaju, Dept. de Medicina. 

Anna Klara Bohland, Universidade Federal de Sergipe

Professora Associada do Departamento de Medicina da Universidade Federal de Sergipe, Campus Aracaju. São Cristóvão, Sergipe, BR.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à Saúde. Departamento de ações Programáticas Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília, DF; 2004 [citado 15 set. 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nac_atencao_mulher.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.119, de 5 de junho de 2008. Regulamenta a Vigilância de Óbitos Maternos. Diário Oficial da União, 2008; 06 jun [citado 15 set. 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1119_05_06_2008.html.

Organização das Nações Unidas no Brasil. Rio de Janeiro: Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil; 2015 [citado 15 set. 2018]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/ods3/.

Malta DC, Duarte EC. Causas de mortes evitáveis por ações efetivas dos serviços de saúde: uma revisão de literatura. Cien Saude Coletiva. 2007;12(3):765-76. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000300027.

Malta DC, Duarte EC, Almeida MF, Dias MAS, Morais Neto OL, Moura L, et al. Lista de causas de mortes evitáveis por intervenções do Sistema Único de Saúde do Brasil. Epidemiol Serv Saude. 2007;16(4):233-44. doi: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742007000400002.

Malta DC, França E, Abreu DX, Oliveira H, Monteiro RA, Sardinha LMV, et al. Atualização da lista de causas de mortes evitáveis (5 a 74 anos de idade) por intervenções do Sistema Único de Saúde do Brasil. Epidemiol Serv Saude. 2011;20(3):409-12. doi: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742011000300016.

Silva JG, Moreira KFA, Botelho TCA, Castro TM. Perfil da evitabilidade de óbitos de mulheres em idade fértil, de 2009 a 2013, em residentes de Porto Velho, Rondônia, Brasil. Rev Bras Pesq Saúde. 2015;17(3):49-59. doi: https://doi.org/10.21722/rbps.v17i3.14136.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS- DATASUS. Informações em Saúde. Sistema de Informação de Mortalidade. Brasil; 2017 [citado 15 set. 2018]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0205&id=6939&VObj=http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sim/cnv/mat10.

Brasil. Ministério da Saúde. Tabwin [computer program]. Versão 4.15 do Tab para Windows. Brasil, 2017b [citado 15 set. 2018]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=060805&item=3.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS- DATASUS. Informações em Saúde. Demográficas e Socioeconômicas. Brasil, 2017c [citado 15 set. 2018]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0206&id=6942&VObj=http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?ibge/cnv/pop.

Organização Mundial da Saúde. Classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde: CID 10. São Paulo: Edusp; 2018 [citado 15 set. 2019]. Disponível em: http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/cid10.htm>.

Purificação JK. Mortalidade de mulheres em idade fértil em uma região de saúde de Pernambuco, Brasil, 2012 a 2017 [dissertação]. Recife (PE): Escola de Governo em Saúde Pública de Pernambuco; 2020 [citado 29 abr. 2021]. Disponível em: https://docs.bvsalud.org/biblioref/2020/11/1129410/artigo-de-tcr-residente-juliana-karla-da-purificacao.pdf.

Carvalho LRO, Fonseca LML, Coelho MTC, Machado MGS, Carvalho MB, Vidal CEL. Mortalidade de mulheres em idade fértil entre 1998 e 2012 na microrregião de Barbacena. Rev Int Est Exp. 2016;8(1):15-22. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/riee/article/view/24026.

Mosquera ENM, Feliz TR, Rodríguez LA, Corrales DG, González LMOG. Mortalidad en pacientes en edad reproductiva en la provincia de Las Tunas. Rev Electrón Dr. Zoilo E. Marinello Vidaurreta 2016;41(4). Available from: http://www.revzoilomarinello.sld.cu/index.php/zmv/article/view/513/pdf_266

Estima NM, Alves SV. Mortes maternas e de mulheres em idade reprodutiva na população indígena, Pernambuco, 2006-2012. Epidemiol Serv Saúde. 2019;28(2):e2018003. doi: https://doi.org/10.5123/s1679-49742019000200010.

Malta DC, Saltarelli RMF, Prado RR, Monteiro RA, Almeida MF. Mortes evitáveis no Sistema Único de Saúde na população brasileira, entre 5 e 69 anos, 2000-2013. Rev Bras Epidemiol. 2018;21:e180008. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1980-549720180008.

Ferreira DL, Pires VATN. Perfil de morbidade e mortalidade de mulheres em idade fértil na área de abrangência da microrregião de saúde de Ipatinga. Rev Enferm Integr. 2013;6(1):1119-32. Disponível em: https://www.unileste.edu.br/enfermagemintegrada/artigo/v6/09-perfil-de-morbidade-e-mortalidade-de-mulheres-em-idade-fertil-na-area-de.pdf.

Nabukalu D, Klipstein-Grobusch K, Herbst K, Newell M.-L. Mortality in women of reproductive age in rural South Africa. Glob Health Action. 2013;6(1):1-11. doi: https://doi.org/10.3402/gha.v6i0.22834.

Orazulike NC, Alegbeleye JO, Obiorah CC, Nyengidiki TK, Uzoigwe SA. A 3-year retrspoective review of mortality in women of reproductive age in a tertiary health facility in Port Harcourt, Nigeria. Int J Womens Health. 2017;16;9:769-75. doi: https://doi.org/10.2147/IJWH.S138052.

Sidibé M, Loures L, Samb B. The UNAIDS 90-90-90 target: a clear choice for ending AIDS and for sustainable health and development. J Int AIDS Soc. 2016;19(1):21133. doi: http://dx.doi.org/10.7448/IAS.19.1.21133.

Kuchenbecker R, Grangeiro A, Veras MA. Global targets, local epidemics: the ultimate challenge for AIDS in Brazil?. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(1):5-6. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1809-4503201500050002.

Gulati BK, Kumar A, Pandey A. Cause of death by verbal autopsy among women of reproductive age in Rajasthan, India. Int J Sci Rep. 2015;1(1):56-60. doi: http://dx.doi.org/10.18203/issn.2454-2156.IntJSciRep20150202.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de análise de Situação de Saúde. Saúde Brasil 2011: uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher. Brasília, DF, 2012 [citado 15 set. 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2011.pdf.

Claro CP. Óbitos de mulheres em idade fértil observadas no Distrito Federal em 2015 [dissertação]. Brasília (DF): Centro Universitário de Brasília; 2018 [citado 20 abr. 2021]. Disponível em: https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/prefix/13028/1/21465305.pdf.

Mansur AP, Favarato D. Mortalidade por Doenças Cardiovasculares no Brasil e na Região Metropolitana de São Paulo: Atualização 2011. Arq Bras Cardiol. 2012;99(2):755-61. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2012005000061.

Scrafford CG, Tielsch JM. Maternal deaths account for a small proportion of the total deaths among reproductive age women. J Womens Health. 2016;25(3):242-8. doi: http://dx.doi.org/10.1089/jwh.2015.5402.

Malta DC, Duarte EC, Escalante JJC, Almeida MF, Sardinha LMV, Macário EM, et al. Mortes evitáveis em menores de um ano, Brasil, 1997 a 2006: contribuições para a avaliação de desempenho do Sistema Único de Saúde. Cad Saude Publica. 2010;26(3):481-91. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000300006.

Gil MM. Estudo da mortalidade de mulheres em idade reprodutiva no município de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, Brasil [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Universidade de São Paulo; 2012 [citado 15 set. 2018]. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-16012013-094708/pt-br.php.

Miná PFL. Paiva JP, Feitosa FEL, Cordeiro DEF. Mortalidade materna e qualidade do preenchimento das declarações de óbito em um hospital escola de referência do Ceará. Rev Med UFC. 2018;58(4):40-5. doi: http://dx.doi.org/10.20513/2447-6595.2018v58n4p40-45.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Saúde Brasil 2014: uma análise da situação de saúde e das causas externas. Brasília, DF; 2015 [citado 15 set. 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2014_analise_situacao.pdf.

Silva PHA, Lima ASD, Medeiros ACM, Bento BM, Silva RJS, Freire FD, et al. Avaliação do Conhecimento de Médicos Professores, Residentes e Estudantes de Medicina acerca da Declaração de Óbito. Rev Bras Educ Med. 2016;40(2):183-8. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v40n2e01532014.

Silva JAC, Yamaki VN, Oliveira JPS, Teixeira RKC, Santos FAF, Hosoume VSN. Declaração de óbito, compromisso no preenchimento. Avaliação em Belém – Pará, em 2010. Rev Assoc Med Bras. 2013;59(4):335-40. doi: https://doi.org/10.1016/j.ramb.2013.03.001.

Publicado

2021-10-04

Como Citar

Aguiar, J. E. A. T. de, Severo, J., Carvalho, M. A. L., Silva, T. S. L. de B., & Bohland, A. K. (2021). Perfil da mortalidade de mulheres em idade fértil por causas naturais no estado de Sergipe: um estudo retrospectivo. Revista De Medicina, 100(4), 343-350. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i4p343-350

Edição

Seção

Artigos/Articles