Metodologias ativas de ensino em saúde e ambientes reais de prática: uma revisão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i4p358-365

Palavras-chave:

Aprendizagem Baseada em Problemas, Educação Médica, Preceptoria

Resumo

Introdução: Diante da demanda para a elaboração de estratégias de ensino adaptadas para realidade atual, o conhecimento sobre metodologias ativas de ensino-aprendizagem tem grande valor, para a educação médica. Há diversos tipos de metodologias ativas e aquelas baseadas em casos-problema tem sido implementadas na graduação médica de forma mais precoce; apesar de ser parte integrante e necessária do currículo das instituições de ensino médico, não há consenso sobre sua forma de orientação, aplicabilidade e avaliação. Propõe-se revisar a literatura sobre as metodologias de ensino-aprendizagem em ambientes reais, conhecendo seus benefícios e a aplicações. Materiais e Métodos: O presente estudo trata-se de uma revisão integrativa da literatura na qual foram incluídos 23 artigos e 1 capítulo de livro entre os anos 1992 e 2018, em língua portuguesa e inglesa, sendo exploradas as bases de dados PubMed, SciELO, Lilacs e Periódicos CAPES. Discussão: Os métodos propostos para orientação, avaliação e feedback são variados, adaptáveis e estão em constante modificação. “Preceptor em um minuto”, “O momento em cinco minutos” e “Método SNAPPS” são diferentes maneiras de discussão nesses cenários a fim de facilitar o processo de interação estudante-paciente-preceptor. Estratégias de aprendizagem em ambientes reais apresentam benefícios em relação ao aprendizado de conteúdos teóricos estritos, pois coloca o aluno em ambiente de atuação verídico e estimula a elaboração de raciocínio diagnóstico sistematizado, que exige a recuperação de conhecimentos prévios. Acredita-se que o profissional que seja formado com essas metodologias ativas terá um perfil de autonomia, autodidatismo e atitude profissional proativa e com base científica. Conclusão: Não há “regra prática” para inserção das metodologias ativas no currículo das universidades, seu uso deve ser adaptado à realidade e ao perfil de cada instituição. Ressalta-se que o professor/preceptor deve refletir sobre seus métodos de ensino, buscando entender sua metodologia e ressignificar a sua atuação, estimulando a busca de tarefas mais ativas e eficientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lia Maria Bastos Peixoto Leitão, Universidade de Fortaleza

Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE, Brasil. 

Isabel Carvalho Vianna, Universidade de Fortaleza

Fisioterapeuta, MD, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE, Brasil.

Ana Lúcia do Carmo Delmiro, Universidade de Fortaleza

Fisioterapeuta, MD, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE, Brasil. 

Josiane Pereira Leite da Cruz, Universidade de Fortaleza

MD, estudante de pós-graduação, Professor adjunto, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE, Brasil. 

Paula Vitória Pereira Motoyama, Universidade de Fortaleza

Estudante de Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE, Brazil. 

Manuel Sampaio Teixeira Filho, Universidade de Fortaleza

Estudante de Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE, Brazil. 

Olivia Andrea Alencar Costa Bessa, Universidade de Fortaleza

MD, PhD, Professor Adjunto, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE, Brasil. 

Referências

Paiva M, Parente J, Brandão I, Queiroz A. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. SANARE - Rev Políticas Públicas. 2017;15(2):145-53. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1049

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Ensino Superior. Resolução CNE/ CES no 4 de 7 de novembro de 2001. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Brasília; 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES04.pdf

Silva RHA, Perim GL, Abdalla IG, Costa NMSC, Lampert JB, Stella RCR. Abordagens pedagógicas e tendências de mudanças nas escolas médicas. Rev Bras Educ Med. 2009;33(suppl 1):53-62. doi: 10.1590/s0100-55022009000500006.

Spencer J. ABC of learning and teaching in medicine: Learning and teaching in the clinical environment. Br Med J. 2003;326(7389):591-4. doi: 10.1136/bmj.326.7389.591.

Neher JO, Gordon KC, Meyer B, Stevens N. A five-step “microskills” model of clinical teaching. J Am Board Fam Pract. 1992;5(4):419–24. doi: 10.3122/jabfm.5.4.419

Furney SL, Orsini AN, Orsetti KE, Stern DT, Gruppen LD, Irby DM. Teaching the one-minute preceptor. J Gen Intern Med. 2001;16(9):620-4. doi: 10.1046/j.1525-1497.2001.016009620.

Ramani S. Twelve tips to improve bedside teaching. Med Teach. 2003;25(2):112-5. doi: 10.1080/0142159031000092463.

Wolpaw TM, Wolpaw DR, Papp KK. SNAPPS: a learner-centered model for outpatient education. Acad Med. 2003;78(9):183-183. doi: 10.1097/00001888-200309000-00010.

Chi J, Artandi M, Kugler J, Ozdalga E, Hosamani P, Koehler E, et al. The five-minute moment. Am J Med. 2016;129(8):792-5. doi: 10.1016/j.amjmed.2016.02.020

Lichstein PR, Atkinson HH. Patient-centered bedside rounds and the clinical examination. Med Clin North Am. 2018;102(3):509-19. doi: 10.1016/j.mcna.2017.12.012

Janicik RW, Fletcher KE. Teaching at the bedside: a new model. Med Teach. 2003;25(2):127-30. doi: 10.1080/0142159031000092490

Molodysky E, Sekelja N, Lee C. Identifying and training effective clinical teachers: new directions in clinical teacher training. Aust Fam Physician. 2006;35(1–2):53-5. Avaliable from: https://www.racgp.org.au/afpbackissues/2006/200601/200601molodysky.pdf

Bleakley A, Bligh J. Students learning from patients: Let’s get real in medical education. Adv Heal Sci Educ. 2008;13(1):89–107. doi: 10.1007/s10459-006-9028-0.

McMillan WJ. “Then you get a teacher” - Guidelines for excellence in teaching. Med Teach. 2007;29(8):209-18. doi: 10.1080/01421590701478264.

Vilela RQB, Jucá DP. Prática, Desafios e Expectativas da Supervisão de Estágio em Medicina. Rev Port Saúde e Soc 2016;1(2):116–29. doi: 10.28998/rpss.v1i2.2387

Fernandes CR, Falcão SNRS, Gomes JMA, Colares FB, Maior MMMS, Correa RV, et al. Ensino de emergências na graduação com participação ativa do estudante. Rev Bras Educ Med. 2014;38(2):261–8. doi: 10.1590/s0100-55022014000200013.

Borges MC, Chachá SGF, Quintana SM, Freitas LCC, Rodrigues ML V. Aprendizado baseado em problemas. Med. 2014;47(3):301-7. doi: 10.11606/issn.1679-9836.v82i1-4p78-80.

Pascoe JM, Nixon J, Lang VJ. Maximizing teaching on the wards: review and application of the One-Minute Preceptor and SNAPPS models. J Hosp Med. 2015;10(2):125-30. doi: 10.1002/jhm.2302.

Diesel A, Baldez A, Martins S. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Rev Thema. 2017;14(1):268-88. doi: 10.15536/thema.14.2017.268-288.404.

Oliveira SF, Cunha AJLA, Trajman A, Teixeira C, Gomes MK, Halfoun V. Perception about the medical internship at Federal University of Rio de Janeiro by the Service’s Preceptors in Primary Health Care: a case study. Rev Bras Educ Med. 2017;41(2):320-6. doi: 10.1590/1981-52712015v41n2rb20160031.

Lopes CMC, Bicudo AM, Zanolli ML. Qualificação como médico preceptor e a satisfação de seus clientes quanto à assistência recebida na UBS de origem. Rev Bras Educ Med. 2017;41(1):145-51. doi: 10.1590/1981-52712015v41n1RB20160048.

Machado MMBC, Sampaio CA, Macedo SM, Figueiredo MFS, Rodrigues Neto JF, Lopes IG, et al. Reflexões e significados sobre competências docentes no ensino médico. Avaliação (Campinas; Sorocaba). 2017;22(1):85-104. doi: 10.1590/s1414-40772017000100005.

Santos RJ, Sasaki DGG. Uma metodologia de aprendizagem ativa para o ensino de mecânica em educação de jovens e adultos. Rev Bras Ensino Fis. 2015;37(3). doi: 10.1590/S1806-11173731955.

Carmo ME, et al. A aprendizagem centrada no aluno: pedagogia do prazer ou UTOPIA? [citado 16 jul. 2020]. Disponível em: https://apacp.org.br/diversos/artigos/a-aprendizagem-centrada-no-aluno/.

Elbert NJ, Kiefte-de-Jong JC, Voortman T, Nijsten TEC, Jong NW, Jaddoe VWV, et al. Allergenic food introduction and risk of childhood atopic diseases. PLoS One. 2017;12(11):1-14. doi: 10.1371/journal.pone.0187999.

Aagaard E, Teherani A, Irby DM. Effectiveness of the one-minute preceptor model for diagnosing the patient and the learner : proof of concept. Acad Med. 2004;79(1):42-9. doi: 10.1097/00001888-200401000-00010.

Chemello D, Machado WCM, Bezerra CL. O papel do preceptor no ensino médico e o modelo preceptoria em um minuto. Rev Bras Educ Med. 2009;33(4):664-9. doi: 10.1590/S0100-55022009000400018

Huang WY, Dains JE, Monteiro FM, Rogers JC. Observations on the teaching and learning occurring in offices of community-based family and community medicine clerkship preceptors. Fam Med. 2004;36(2):131-6. Available from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/14872361/

Teherani A, Sullivan PO, Aagaard EM, Morrison EH, Irby DM. Student perceptions of the one minute preceptor and traditional preceptor models. Med Teach. 2007;29(4):323-7. doi: 10.1080/01421590701287988

Seki M, Otaki J, Breugelmans R, Komoda T, Nagata-kobayashi S, Akaishi Y, et al. How do case presentation teaching methods affect learning outcomes ? SNAPPS and the one-minute preceptor. BMC Med Educ. 2016;16(12):1-7. doi: 10.1186/s12909-016-0531-6

Publicado

2021-10-04

Como Citar

Leitão, L. M. B. P., Vianna, I. C., Delmiro, A. L. do C., Cruz, J. P. L. da, Motoyama, P. V. P., Teixeira Filho, M. S., & Bessa, O. A. A. C. (2021). Metodologias ativas de ensino em saúde e ambientes reais de prática: uma revisão. Revista De Medicina, 100(4), 358-365. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i4p358-365

Edição

Seção

Artigos de Revisão/Review Articles