Estudo epidemiológico sobre meningite bacteriana no Brasil no período entre 2009 a 2018

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i3p220-228

Palavras-chave:

Epidemiologia, Meningite, Meningite bacteriana, Brasil

Resumo

Introdução: A meningite é a ocorrência de processo inflamatório das meninges, podendo ser desencadeado por diversos agentes infecciosos ou não infecciosos; a etiologia bacteriana possui elevado potencial de morbimortalidade, o que contribui para a significância epidemiológica e a validade de esforços que busquem descrevê-la e quantificá-la. Objetivos: realizar estudo epidemiológico acerca dos casos notificados de meningite bacteriana no Brasil durante os anos de 2009 a 2018. Metodologia: estudo quantitativo e retrospectivo a partir de dados coletados no Sistema de Informações e Agravos de Notificação (SINAN) referentes ao período de 2009 a 2018, disponível nos Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS); informações obtidas: sexo, idade raça, evolução e estado de origem. Resultados: Foram notificados 52.926 casos confirmados por meio do SINAN no Brasil, entre 2009 e 2018, havendo tendência à redução no número de casos com o decorrer dos anos; as etiologias mais frequentes foram a pneumocócica (19,9%), a meningocócica (14,8%) e a tuberculosa (7,0%). Predominou o sexo masculino (59,6%), com maior acometimento em indivíduos menores de 10 anos de idade (35,2%), seguido de indivíduos entre 20 a 39 anos (21,1%), majoritariamente em brancos (44,5%), com evolução para alta (70,7%) e originários dos Estados do Sul e Sudeste brasileiro. Conclusão: Observou-se tendência à redução dos casos de meningite bacteriana, com discreto padrão oscilatório na incidência de meningite por pneumococo, e predominância em crianças menores de 10 anos, do sexo masculino, raça/cor branca, advindas do Sul e Sudeste brasileiro, que evoluíram para alta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deivid Ramos dos Santos, Universidade do Estado do Pará

Enfermeiro. Mestrando em Pesquisa Experimental da Universidade do Estado do Pará

Referências

Cruz AS, Bernardo TA, Gusmão WDP. Incidência de meningite entre os anos de 2015 a 2019 no estado de Alagoas. Braz J Heath Rev. 2021;4(1):2102-13. doi: 10.34119/bjhrv4n1-171.

Lucas MJ, Brouwer MC, Beek D. Neurological sequelae of bacterial meningitis. J Infect. 2016;73;(1):18-27. doi: https://doi.org/10.1016/j.jinf.2016.04.009.

World Health Organization (WHO). Meningococcal meningitis. Geneva; 2018 [cited 2020 April 16] Available from: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/meningococcal-meningitis.

Robertson FC, Lepard JR, Mekary RA, Davis MC, Yunusa I, Gormley WB, et al. Epidemiology of central nervous system infectious diseases: a meta-analysis and systematic review with implications for neurosurgeons worldwide. J Neurosurg. 2019;130(4):1107-26. doi: 10.3171/2017.10.jns17359.

Teixeira AB, Cavalcante JCV, Moreno IC, Soares IA, Holanda FOA. Meningite bacteriana: uma atualização. Rev Bras Analis Clin. 2018;50(4):327-9. doi: 10.21877/2448-3877.201800725.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. Brasília: MS; 2009 [citado 16 abr. 2020]. Disponível em https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_epidemiologica_7ed.pdf.

Sociedade Brasileira de Imunizações. Departamento Científico de Imunizações. Vacinas meningocócicas conjugadas no Brasil em 2018: intercambialidade e diferentes esquemas de doses. São Paulo: SBIM; 2018 [citado 16 abr. 2020]. Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/NOTA_TECNICA_CONJUNTA_SBIM_SBP_-_meningo_vacinas_final-jul18__002_.pdf.

Parikh V, Tucci V, Galwankar S. Infections of the nervous system. Int J Crit Illn Inj Sci. 2012;2(2):82-97. doi: 10.4103/2229-5151.97273.

Emmerick ICM, Campos MR, Schramm JMA, Silva RS, Costa MFS. Estimativas corrigidas de casos de meningite, Brasil 2008-2009. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(2):215-26. doi: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742014000200003.

Zunt JR, Kassebaum NJ, Blake N, Glennie L, Wright C, Nichols E, et al. Global, regional, and national burden of meningitis, 1990-2016: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2016. Lancet Neurol. 2018;17:1061-82. doi: https://doi.org/10.1016/S1474-4422(18)30387-9.

Melo MAS, Coleta MFD, Coleta JAD, Bezerra JCB, Castro AM, Melo ALS, et al. Percepção dos profissionais de saúde sobre os fatores associados à subnotificação no Sistema Nacional de Agravos de Notificação, 2018. Rev Admin Saúde. 18(71). doi: http://dx.doi.org/10.23973/ras.71.104.

Carvalho LAS, Ferreita AKL, Santiago KMA, Silva PHA, Cruz CM. Incidência de meningite relacionadaàs condições sazonais no município de Maceió entre 2007 e 2017. 2018 Cad Grad Cienc Biol Saúde. 2018;5(1):205-20. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/fitsbiosaude/article/view/5859/3093.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância em saúde. Brasília: MS; 2017. v.1 [citado 17 fev. 2021]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_volume_1.pdf.

Silva HCG, Mezarobba N. Meningite no Brasil em 2015: o panorama da realidade. Arq Catarin Med. 2018;47(1):34-46. Disponível em: http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/view/227/224.

Magalhaes RS, Santos MS. Perfil epidemiológico da meningite bacteriana no município de Vitória da Conquista – Bahia, no período de 2008 a 2015. Rev Ciênc Méd Biol. 2018;17(1):33-9. doi: http://dx.doi.org/10.9771/cmbio.v17i1.20325.

Neves RC, Wendt A, Costa CS, Flores TR, Soares ALG, Wehrmeister FC. Cobertura da vacina meningocócica C nos estados e regiões do Brasil em 2012. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2016;11(38):1-10. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1122.

Dazzi MC, Zatti CA, Baldissera R. Perfil dos casos de meningites ocorridas no Brasil de 2009 a 2012. Uningá. Rev Iraí. 2014;19(3):33-6. Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20140902_135650.pdf.

Pobb K, Leite ML, Virgens Filho JS, Stocco C, Gobbo BLD. Aspectos epidemiológicos e influência de variáveis climáticas nos casos notificados de meningite em crianças no município de Ponta-Grossa – PR, 2002-2011. Rev Bras Climatol. 2013;13(9):202-13. doi: http://dx.doi.org/10.5380/abclima.v13i0.34754.

Paim ACB, Gregio MM, Garcia SP. Perfil epidemiológico da meningite no estado de Santa Catarina no período de 2008 a 2018. Arq. Catarin Med. 2019;48(4):111-25. Disponível em http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/view/577.

Barbosa B. Número de brasileiros que se declaram pretos cresce no país, diz IBGE. São Paulo; 2019 [citado 14 jun. 2020]. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2019/05/22/ibge-em-todas-as-regioes-mais-brasileiros-se-declaram-pretos.htm.

Brasil CI. Estudo diz que Sudeste reúne maior número de residentes: 42,2%: segunda região mais populosa é a Nordeste (27,2%). 2019 [citado 25 jun. 2020]. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2019-10/estudo-diz-que-sudeste-reune-maior-numero-de-residentes-422.

Dias FCF, Rodrigues Junior CA, Cardoso CRL, Veloso FPFS, Rosa RTAS, Figueiredo BNS. Meningite: aspectos epidemiológicos da doença na Região Norte do Brasil. Rev Patol Tocantins. 2017;4(2):46-9. doi: https://doi.org/10.20873/uft.2446-6492.2017v4n2p46.

Bai X, Hu B, Yan Q, Luo T, Qu B, Jiang N, Liu J, Zhu Y. Effects of meteorological factors on the incidence of meningococcal meningitis. Afr Health Sci. 2017;17(3):820-6. doi: 10.4314/ahs.v17i3.25.

Publicado

2021-08-02

Como Citar

Silva, A. F. T. da, Valente, F. de S., Sousa, L. D. de, Cardoso, P. N. M., Silva, M. A. da, & Santos, D. R. dos. (2021). Estudo epidemiológico sobre meningite bacteriana no Brasil no período entre 2009 a 2018. Revista De Medicina, 100(3), 220-228. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i3p220-228

Edição

Seção

Artigos/Articles