Condutas relativas à redução do risco desenvolvidas pelos profissionais de saúde na unidade de terapia intensiva: uma scoping review

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i2p135-143

Palavras-chave:

Gerenciamento de risco, Segurança do paciente, UTI, Profissionais de saúde

Resumo

Objetivo: Mapear e identificar as condutas relativas à redução do risco desenvolvidas pelos profissionais de saúde na unidade de terapia intensiva. Método: Scoping review segundo o JBI Institute Reviewer’s Manual. Na busca inicial foram utilizados os descritores encontrados no MeSH: health personnel, risk management e Intensive care unit, para delimitar a estratégia final de busca, composta por uma combinação de duzentas e vinte e duas palavras-chave, realizada em bases de dados científicas e cinzentas, sem limite temporal. Foram extraídas informações sobre o ano, país de origem, objetivo da publicação, condutas realizadas, condutas negligenciadas, protocolos desenvolvidos, profissionais envolvidos, aspectos do método, resultados e conclusões relacionados ao tema proposto neste artigo de scoping review. Resultados: A seleção primária foi de 10.349.624 textos que tiveram seus títulos e resumos avaliados e, de acordo com os critérios de inclusão estabelecidos, foram selecionados 94 para leitura na íntegra. Posteriormente excluímos 79 (40 não responderam ao objetivo, 38 eram indisponíveis e 1 foi escrito em francês). Assim, a seleção final foi composta por 15 artigos. Entre as principais condutas realizadas pelos profissionais de saúde, a que mais se destacou foi a higienização das mãos, no entanto, ainda é muito negligenciada nesse meio, o que gera maior risco para pacientes e profissionais das UTI’s. Além disso, a elevada carga de trabalho, falta de discussão sobre erros e falta de capacitação, são ações muito citadas que afetam diretamente a qualidade do serviço de saúde. Conclusões e implicações para a prática: É fundamental que o gerenciamento de risco no ambiente de UTI seja feito de forma prioritária, eficiente e com qualidade, a fim de evitar ou minimizar os eventos adversos, culminando, portanto, em uma assistência integral, qualificada e responsável da evolução do quadro clínico de cada paciente.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thamirys Dantas Nóbrega, Centro Universitário UNIFACISA, Faculdade de Ciências Médicas

 Instituição: Centro Universitário Unifacisa. Faculdade de Ciências Médicas. Campus Itararé / Campina Grande - PB. Curso de Medicina.
Discente do Centro Universitário Unifacisa. Faculdade de Medicina. 

Ítalo Pereira Salviano, Centro Universitário UNIFACISA, Faculdade de Ciências Médicas

 Instituição: Centro Universitário Unifacisa. Faculdade de Ciências Médicas. Campus Itararé / Campina Grande - PB. Curso de Medicina.
Discentes do Centro Universitário Unifacisa. Faculdade de Medicina. 

Polyana Lins Dantas, Centro Universitário UNIFACISA, Faculdade de Ciências Médicas

 Instituição: Centro Universitário Unifacisa. Faculdade de Ciências Médicas. Campus Itararé / Campina Grande - PB. Curso de Medicina.
Discentes do Centro Universitário Unifacisa. Faculdade de Medicina. 

Bruno Oliveira Almeida Pereira, Centro Universitário UNIFACISA, Faculdade de Ciências Médicas

 Instituição: Centro Universitário Unifacisa. Faculdade de Ciências Médicas. Campus Itararé / Campina Grande - PB. Curso de Medicina.
Discentes do Centro Universitário Unifacisa. Faculdade de Medicina. 

Mayara Lima Barbosa, Centro Universitário UNIFACISA, Faculdade de Ciências Médicas

Docente do Centro Universitário Unifacisa. Faculdade de Medicina. 

Adriana Amorim de Farias Leal, Centro Universitário UNIFACISA, Faculdade de Ciências Médicas

Docente do Centro Universitário Unifacisa. Faculdade de Medicina. 

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Documento de referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente. Brasília; 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/documento_referencia_programa_nacional_seguranca.pdf.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Gestão de Riscos e Investigação de Eventos Adversos Relacionados à Assistência à Saúde. Brasília; 2017. Disponível em: https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/caderno-7-gestao-de-riscos-e-investigacao-de-eventos-adversos-relacionados-a-assistencia-a-saude.

Roque KE, Tonini T, Melo ECP. Adverse events in the intensive care unit: impact on mortality and length of stay in a prospective study. Cad Saúde Pública. 2016;32(10). doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X00081815.

Silvestre CC, Silva AHFN, Sacramento LCA, Santos TS, Melo IA. Repercussões econômicas resultantes do elevado número de eventos adversos em ambiente hospitalar. International Nursing Congress, 2017. Disponível em: https://eventos.set.edu.br/index.php/cie/article/view/5724/2419.

Joanna Briggs Institute. Reviewer’s manual: 2015 edition/supplement. The University of Adelaide, Austrália: JBI; 9, 2015.

Arksey H, O’Malley L. Scoping studies: towards a methodological framework. Int J Soc Res Methodol. 2019;8(1):19-32.

Tricco AC, et al. Extensão PRISMA para revisões de escopo (PRISMA-ScR): lista de verificação e explicação. Ann Intern Med. 2018;169(7):467-73. Disponível em: http://www.prisma-statement.org/Extensions/ ScopingReviews.

Lam BCC, Lee J, Lau YL. Hand hygiene practices in a neonatal intensive care unit: a multimodal intervention and impact on nosocomial infection. Pediatrics. 2004;114(5):e565-71. doi: https://doi.org/10.1542/peds.2004-1107.

Picheansathian W, Pearson A, Suchaxaya P. The effectiveness of a promotion programme on hand hygiene compliance and nosocomial infections in a neonatal intensive care unit. Int J Nursing Pract. 2008;14(4):315-21. doi:10.1111/j.1440-172X.2008.00699.x.

Armelino D, Trivedi M, Law I, Schilling ME, Hussain E, Farber B. Replicating changes in hand hygiene in a surgical intensive care unit with remote video auditing and feedback. Am J Infect Control. 2013;41(10):925-7. doi: https://doi.org/10.1016/j.ajic.2012.12.011.

Abdi Z, Delgoshaei B, Ravaghi H, Abasi M, Heyrani A. The culture of patient safety in an Iranian intensive care unit. J Nursing Management. 2013;23(3):333-45. doi: https://doi.org/10.1111/jonm.12135.

Alayed A, Lööf H. Johhansson U-B. Saudi Arabian ICU safety culture and nurses attitudes. I J Health Care. 2014;27(7):581-93. doi: 10.1108/IJHCQA-04-2013-0042.

Alp E, McLaws M. Evaluation of the effectiveness of an infection control program in adult intensive care units: A report from a middle-income country. Am J Infecti Control. 2020;42(10):1056-61. doi: https://doi.org/10.1016/j.ajic.2014.06.015.

Vifladt A, Farup P. Changes in patient safety culture after restructuring of intensive care units: Twocross-sectional studies. Intens Crit Care Nursing. 2016;32:58-65. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.iccn.2015.06.004.

Abu-el-noor NI, Hamdan MA, Abu-El-Noor, MK, Radwan AS, Alshaer AA. Safety Culture in Neonatal Intensive Care Units in the Gaza Strip, Palestine: A Need for Policy Change. J Pediatric Nursing. 2017;33:76-82. doi: 10.1016/j.pedn.2016.12.016 .

Tomazoni A, Rocha PK, Ribeiro MB, Serspião LS, Souza S, Manzo BF. Segurança do paciente na percepção da enfermagem e medicina em unidades de terapia intensiva neonatal. Rev Gaúcha Enferm. 2017;38(1):1-8. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2017.01.64996.

Battistella G, Berto G; Bazzo S. Developing professional habits of hand hygiene in intensive care settings: An action-research intervention. Intens Crit Care Nursing. 2016; 38:53-9. doi: https://doi.org/10.1016/j.iccn.2016.08.003.

Stahmeyer JT, Lutze B, Langerke T, Chanberny IF, Krauth C. Hand hygiene in intensive care units: a matter of time?. J Hosp Infect. 2017;95:338-43. doi: https://doi.org/10.1016/j.jhin.2017.01.011.

Mahomed S, Sturm AW, Knight S, Moodley P. An evaluation of infection control in private and public sector intensive care units in South Africa. J Infec Prev. 2017;9(3):87-93. doi: https://doi.org/10.1177/1757177417733061.

Musu M, Lai A, Mereu NM, Galletta M, Campagna M, Tidore M, et al. Assessing hand hygiene compliance among healthcare workers in six Intensive Care Units. J Prev Med Hyg. 2017;58(2):2317. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5668933/.

Salem MR, Youssef MRL. Health care providers perspectives for providing quality infection control measures at the neonatal intensive care unit, Cairo University hospital. Am J Infect Control. 2017;45(9):99-102. doi: https:/dx.doi.org/10.1016/j.ajic.2017. 03.013.

Silva MVO, Caregnato RCA. Unidade de Terapia Intensiva: Segurança e monitoramento de eventos adversos. Rev Enferm UFPE. 2019;13:239368. doi: https://orcid.org/0000-0001-7434-930X.

Rodriguez AH, Bub MBC, Perão OF, Zandonade, G, Rodriguez MJH. Epidemiological characteristics and causes of deaths in hospitalized patients under intensive care. Rev Bras Enfermagem. 2016;69(1):229-34. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2016690204i.

Freitas JD, Levachof RCQ, Hasselmann BNO, De Paula DG. Hand hygiene as a preventive measures of infection: considerations about mediator-mediated interaction. Raízes Rumos, Rio de Janeiro. 2017;5(1):101-8. Available from: http://www.seer.unirio.br/index.php/raizeserumos/article/download/6450/5964.

Lancey G, Showstark M, Rhee JV. Training to Proficiency in the who hand hygiene technique. J Med Educ Curricular Develop. 2019;6:1–5. doi: 10.1177 / 2382120519867681.

Seo Hj, Sohng KY, Chang SO, Chaung SK, Won JS, Choi MJ. Interventions to improve hand hygiene compliance in emergency departments: a systematic review. J Hosp Infect. 2019;102(4):394-406. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.jhin.2019.03.013.

Silva MN, Araújo JL, Fernandes NCS, Oliveira JD, Silva RTS, do Nascimento EGC. Nursing errors and security of the patient: the nursing undergraduates knowledge. Rev Enfermagem Atual. 2017;80. doi: https://doi.org/10.31011/reaid-2017-v.80-n.18-art.342.

Publicado

2021-05-20

Como Citar

Nóbrega, T. D., Salviano, Ítalo P., Dantas, P. L., Pereira, B. O. A., Barbosa, M. L., & Leal, A. A. de F. (2021). Condutas relativas à redução do risco desenvolvidas pelos profissionais de saúde na unidade de terapia intensiva: uma scoping review. Revista De Medicina, 100(2), 135-143. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i2p135-143

Edição

Seção

Artigos de Revisão/Review Articles