Avaliação populacional do conhecimento sobre atendimento extra-hospitalar da parada cardíaca

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i3p238-245

Palavras-chave:

Ressuscitação cardiopulmonar, Parada cardiorrespiratória, Educação em saúde, Suporte básico de vida, Treinamento, Características da população

Resumo

Introdução: A morbimortalidade da parada cardiorrespiratória depende da eficácia do atendimento. O sucesso da ressuscitação aumenta se iniciada precocemente no local. Indivíduos desinformados e não capacitados podem prestar um atendimento inadequado aumentando os danos. Objetivo: avaliar se sexo, idade, escolaridade e profissão influenciam no conhecimento e nas atitudes do socorrista. Método: Pesquisa aplicada, com questionário do tipo aberto e fechado, quanti-qualitativo. Estudo transversal por amostra de conveniência, utilizada como reflexo de uma população, não probabilística. Resultado: Foram 319 questionários aplicados entre agosto e outubro de 2015. Homens 36%. Idade média 34,3+14,7 anos. Nível superior 55% e médio 40%. Homens e Mulheres dizem que sabem reconhecer um evento, mas os homens se sentem mais aptos (36% x 21,6% p=0,01), sabem o que fazer (51,2% x 38,2% p=0,02), pedem menos ajuda (27,9% x 40,4%) e checam mais sinais vitais (27,9% x 12,5%). Em relação à faixa etária aqueles entre 20 e 60 anos reconhecem menos eventos (40% x 24% p=0,02) e poucos sabiam como pedir ajuda corretamente. Pessoas com nível superior tinham maior capacidade de reconhecer uma parada (45%), mas isso não os diferenciou nos demais itens. Profissionais da área da saúde chamam menos por ajuda, e metade deles não sabe para qual número ligar. Conclusão: Homens, as pessoas mais velhas e as mais jovens estão mais bem preparados para atender uma parada, independente da escolaridade. E profissionais da área da saúde possuem um conhecimento pouco melhor que a população leiga.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Mansur AP, Favarato D. Tendências da taxa de mortalidade por doenças cardiovasculares no Brasil, 1980-2012. Arq Bras Cardiol. 2016; 107(1):20-25. doi: 10.5935/abc.20160077

Tavares LFB, Bezerra IMP, Oliveira FR, et al. Conhecimento de estudantes de graduação em ciências da saúde em testes objetivos sobre suporte básico de vida. J Hum Growth Dev. 2015;25(3):297-306. doi: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.106002.

Canesin MF, Cardoso LTQ, Soares AE, Moretti MA, Timerman S, Ramires JAF. Campanhas públicas de ressuscitação cardiopulmonar: uma necessidade real. Rev Soc Cardiol Estado São Paulo. 2001;11(2):512-8.

Gonzalez MM, Timerman S, Gianotto-Oliveira R, et al. Diretriz de Ressuscitação Cardiopulmonar e Cuidados Cardiovasculares de Emergência da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol. 2013;101(2 Supl 3):1-221. Disponível em: http://www.arquivosonline.com.br/2013/10102/edicaoatual.asp.

Ferreira AVS, Garcia E. Suporte básico de vida. Rev Soc Cardiol Estado São Paulo. 2001;11(2):214-25.

Ferreira DF, Timerman A, Stapleton E, Timerman S, Ramires JAF. Aplicação prática do ensino em emergências médicas. Rev Soc Cardiol Estado São Paulo. 2001;11(2):505-11.

Ferreira DF, Qüilici AP, Martins M, Ferreira AV, Tarasoutchi F, Timerman S, et al. Essência do suporte básico de vida – perspectivas para o novo milênio: chame primeiro - chame rápido. Rev Soc Cardiol Estado São Paulo. 2001;11(2):209-13.

Timerman S, Canesin M, Teca B. Treinamento de emergências cardiovasculares básico da Sociedade Brasileira de Cardiologia. São Paulo: Editora Manole; 2012.

Pergola AM, Araujo IEM. O leigo e o suporte básico de vida. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(2):335-42. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342009000200012.

Kern KB. Cardiopulmonary resuscitation without ventilation. Crit Care Med. 2000;28(11):N86-9. doi: 10.1097/00003246-200011001-00003.

Moretti MA, Cesar LA, Nusbacher A, Kern KB, Timerman S, Ramires JA. Advanced Cardiac Life Support training improves long-term survival from in-hospital cardiac arrest. Resuscitation. 2007;72(3):458-65. doi: 10.1016/j.resuscitation.2006.06.039.

Pergola AM, Araujo IEM. O leigo em situação de emergência. Rev Esc Enferm USP. 2008;42(4):769-76. https://doi.org/10.1590/S0080-62342008000400021.

Travers AH, Perkins GD, Berg RA, et al. Part 3: Adult Basic Life Support and Automated External Defibrillation: 2015 International Consensus on Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care Science with Treatment Recommendations. Circulation. 2015;132(16 Suppl 1): S51-83. doi: 10.1161/CIR.0000000000000272.

Eisenburger P, Sterz F, Haugk M, et al. Cardiac arrest in public locations: an independent predictor for better outcome? Resuscitation. 2006;70(3):395-403. doi: 10.1016/j.resuscitation.2006.02.002.

Montaña R. Reanimación cardiopulmonar: novedades. Rev Chil Anest. 2005;34(1):8.

Sayre MR, Berg RA, Cave DM, Page RL, Potts J, White RD. American Heart Association Emergency Cardiovascular Care Committee. Hands-only (compression-only) cardiopulmonary resuscitation: a call to action for bystander response to adults who experience out-of-hospital sudden cardiac arrest: a science advisory for the public from the American Heart Association Emergency Cardiovascular Care Committee. Circulation. 2008;117:2162-7. doi: 10.1161/CIRCULATIONAHA.107.189380.

Iwami T, Kitamura T, Kiyohara K, Kawamura T. Dissemination of chest compression-only cardiopulmonary resuscitation and survival after out-of-hospital cardiac arrest. Circulation. 2015;132:415-22. doi: 10.1161/CIRCULATIONAHA.114.014905.

Watanabe K, Lopez-Colon D, Shuster JJ, Philip J. Efficacy and retention of basic life support education including automated external defibrillator usage during a physical education period. Prevent Med Rep. 2017;5:263-7. https://doi.org/10.1016/j.pmedr.2017.01.004.

Ferreira MMM, Silva BS, Moura P, et al. Ressuscitação cardiopulmonar: uma abordagem atualizada. Rev Enfermagem Contemp. 2013;2(1):70-81. doi: 10.17267/2317-3378.

Sherry L Caffrey , Paula J Willoughby, Paul E Pepe, Lance B Becker. Public use of automated external defibrillators. N Engl J Med. 2002; 347:1242-7. doi: 10.1056/NEJMoa020932.

Sonnberger TV, Marques GL, Pinheiro FKB. Evaluation of a course for the training of nursing professionals in urgency and emergency. Scientia Méd. 2019;29(3):e34203. doi: 10.15448/1980-6108.2019.3.34203

Guimarães HP. Destaques American Heart Association 2015 atualização das diretrizes RCP e ACE [citado 20 maio 2021]. Disponível em: http://cdn.laerdal.com/downloads/f3831/2015-AHA-Guidelines-Highlights-Portuguese.pdf.

Publicado

2021-07-30

Como Citar

Nogueira, G. A. R., Moretti, M. A., Etcheverria, I. C. R. ., Marina, T. A., Souza, L. M., Hoover, P., Marques, J. V., Ferreira, J. F. M., & Chagas, A. C. P. (2021). Avaliação populacional do conhecimento sobre atendimento extra-hospitalar da parada cardíaca. Revista De Medicina, 100(3), 238-245. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i3p238-245

Edição

Seção

Artigos/Articles