Vacinação dos estudantes de medicina e o papel das instituições de ensino superior na prevenção primária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i2p112-118

Palavras-chave:

Vacinação, Infectologia, Prevenção & controle, Profilaxia pré-exposição, Pessoal de saúde, Doenças ocupacionais, Estudantes de medicina

Resumo

A vacinação é uma medida profilática eficaz e segura, capaz de evitar a disseminação de agentes infecciosos, sendo essencial, principalmente, a indivíduos que possuem contato habitual com ambientes hospitalares. Objetivou-se analisar o conhecimento dos acadêmicos de medicina sobre imunização profilática, e o papel das Instituições de Ensino Superior (IES), que oferecem graduação em medicina, sobre vacinação dos acadêmicos. Para isso, foi realizada buscas por artigos sobre o tema e dados nos sites das secretárias acadêmicas de todas as IES do estado de Minas Gerais (MG)/Brasil por informações sobre exigência ou não da comprovação de vacinação, qual momento e quais vacinas seriam exigidas. A maioria (34/39) das IES exige o cartão de vacina completo, enquanto cinco (12,82%) exigem apenas as vacinas para Hepatite B, Tríplice Viral e Febre Amarela. Vinte IES exigem os cartões de vacina no ato da matrícula (51,3%), restando 19/39, que exigem antes de iniciar o estágio (48,7%), por volta do nono período. Dados de literatura revelaram um grande contingente de acadêmicos dos cursos de Medicina, em vários estados do país, com cartões de vacinação incompletos. De acordo com dados dos artigos recuperados, os discentes relataram desconhecimento sobre o próprio status vacinal, mesmo possuindo riscos de exposição devido o contato direto com ambientes e pessoas contaminadas, contrariando as exigências das IES. Uma razão, para tal fato, é que os hospitais não verificam o status de imunização dos alunos ao iniciarem os estágios, logo as faculdades negligenciam a não apresentação do cartão de vacina. Conclui-se, que apesar de reconhecida a importância da vacinação, acadêmicos, IES e hospitais não tem atuado de forma efetiva, necessitando maior atenção ao tema, para serem evitadas infecções por doenças imunopreveníveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angélica Aparecida Almeida, Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (FADIP)

Escola de Medicina, Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (FADIP), Ponte Nova, (MG), Brasil.

Bruna Ramos Neves, Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (FADIP)

Escola de Medicina, Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (FADIP), Ponte Nova, (MG), Brasil. 

Felipe Ribeiro Dutra Palhares, Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (FADIP)

Escola de Medicina, Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (FADIP), Ponte Nova, (MG), Brasil. 

Flavia Bruno Cursino Raposo, Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (FADIP)

Escola de Medicina, Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (FADIP), Ponte Nova, (MG), Brasil. 

Matheus Pascoal Handere, Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (FADIP)

Escola de Medicina, Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (FADIP), Ponte Nova, (MG), Brasil. 

Yara de Oliveira Freitas, Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (FADIP)

Escola de Medicina, Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (FADIP), Ponte Nova, (MG), Brasil. 

Marli do Carmo Cupertino, Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (FADIP)

Escola de Medicina, Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (FADIP), Ponte Nova, MG; Departamento de Medicina e Enfermagem, Universidade Federal de Viçosa (UFV), Viçosa MG. 

Referências

Cabrera EMS, Merege CES. Inquérito vacinal de alunos da graduação em medicina e enfermagem da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (SP, Brasil) nos anos de 2006 e 2007 e suas possíveis implicações na atuação discente. Ciên Saúde Coletiva. 2011;16(2):547-52. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000200018.

World Health Organization. Relatório Mundial da saúde. Financiamento dos sistemas de saúde: O caminho para a cobertura universal. Lisboa; 2010 [citado 06 set. 2019]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44371/9789899717848_por.pdf?sequence=33.

Brasil. Ministério da Saúde. Recomendações para atendimento e acompanhamento de exposição ocupacional a material biológico: HIV e hepatites B e C. Brasília, DF; 2004. Disponível em: http://www1.saude.rs.gov.br/dados/1332967170825PROTOCOLO%20EXPOSICAO%20A%20MATERIAL%20BIOLOGICO.pdf

Oliveira MF, Cupertino MC, Cerqueira BM. O uso do ambiente virtual de aprendizagem na formação médica: uma proposta de ensino. Rev Diálogos UCB 2018;22(1):57-69. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RDL/article/view/9745/6103.

Maciel ELN, Prado TN, Fávero JL, Moreira TR, Dietze R. Tuberculose em profissionais de saúde: um novo olhar sobre um antigo problema. J Bras Pneumol. 2009;35(1):83-90. doi: https://doi.org/10.1590/S1806-37132009000100012

Milani RM, Canini SRMS, Garbin LM, Teles AS, Gir E, Pimenta FR. Imunização contra hepatite B em profissionais e estudantes da área da saúde: revisão integrativa. Rev Eletrônica Enfermagem. 2011;12(2):323-30. doi: https://doi.org/10.5216/ree.v13i2.12151

Ruffino-Netto A. Tuberculose: a calamidade negligenciada. Rev Soc Bras Med Trop. 2002;35(1):51-8. doi: https://doi.org/10.1590/S0037-86822002000100010.

Cavalcante KRLJ, Tauil PL. Risco de reintrodução da febre amarela urbana no Brasil. Epidemiol Serv Saúde. 2017;36(3):617-20. doi: https://doi.org/10.5123/S1679-49742017000300018.

World Health Organization. Report of the Third Global Forum on Human Resources for Health. Human Resources for Health: foundation for Universal Health Coverage and the post-2015 development agenda. Recife; 2013 [citado 14 abr. 2019]. Disponível em: https://www.who.int/workforcealliance/knowledge/resources/report3rd_GF_HRH.pdf?ua=1.

van Rensburg. South Africa’s protracte protracted struggle for equal distribution and equitable access - still not there. Hum Resour Health. 2014;12(4):1-16. doi: https://doi.org/10.1186/1478-4491-12-26.

Campbell J, Buchan J, Cometto G, David B, Fogstad H, Fronteira I, et al. Human resources for health and universal health coverage: fostering equity and effective coverage. Bull World Health Org. 2013;91(11):853-63. doi: https://doi.org/10.2471/BLT.13.118729.

Lehmann U, Dieleman M, Martineau T. Staffing remote rural areas in middle- and low-income countries: a literature review of attraction and retention. BMC Health Serv Res. 2008;8(1):1-10. doi: https://doi.org/10.1186/1472-6963-8-19

Yassi A, Zungu M, Spiegel JM, Kistnasamy B, Lockhart K, Jones D, et al. Protecting health workers from infectious disease transmission: an exploration of a Canadian-South African partnership of partnerships. Globalization Health. 2016;12(1):1-15. doi: https://doi.org/10.1186/s12992-016-0145-0.

Kanjee Z, Catterick K, Moll A, Amico K, Friedland G. Tuberculosis infection control in rural South Africa: survey of knowledge, attitude and practice in hospital staff. J Hosp Infect. 2011;79(4):333-8. doi: https://doi.org/10.1016/j.jhin.2011.06.017.

Bryce E, Copes R, Gamage B, Lockhart K, Yassi A. Staff perception and institutional reporting: two views of infection control compliance in British Columbia and Ontario three years after an outbreak of severe acute respiratory syndrome. J Hosp Infect. 2008;69(2):169-76. doi: 10.1016/j.jhin.2008.03.010.

Gomes JR. Saúde ocupacional no hospital. Rev Paul Hosp. 1974;22(6):274-6. https://doi.org/10.1590/S0080-62342004000400006.

Miranda EJP, Stancato K. Riscos à saúde de equipe de enfermagem em unidade de terapia intensiva: proposta de abordagem integral da saúde. Rev Bras Ter Intens. 2008;20(1):68-76. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2008000100011.

Oliveira VC, Guimarães EAA, Flôr CR, Pinto IC. Situação vacinal dos estudantes da Universidade Federal de São João Del Rei, 2009. Rev Mineira Enfermagem. 2012;16(4):588-93. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/565.

Arent PM, Cunha L, Freitas PF. Situação vacinal dos estudantes de medicina da Universidade do Sul de Santa Catarina no período prévio ao internato. Rev Ciên Méd. 2009;18(1):13-20. Disponível em: https://seer.sis.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/cienciasmedicas/article/view/650.

Chehuen Neto JA, Sirimarco MT, Leite ICG, Gonçalves MPC, Delgado AAA, Camilo GB, et al. Situação vacinal dos discentes da Faculdade de Medicina da UFJF – MG. Rev Bras Educ Med. 2010;34(2):270-7. doi: https://doi.org/10.1590/S0100-55022010000200011.

Mizuta AH,Succi GM, Montalli VAM, Succi RCM. Percepções acerca da importância das vacinas e da recusa vacinal numa escola de medicina. Rev Paul Pediatria. 2019;37(1):34-40. doi: https://doi.org/10.1590/1984-0462/;2019;37;1;00008.

Souza EP, Teixeira MS. Cobertura vacinal para a Influenza A/H1N1, reações adversas e motivos para a não aceitação da vacina entre estudantes de medicina no Brasil. Rev Inst Med Trop de São Paulo. 2012;54(2):77-82. doi: https://doi.org/10.1590/S0036-46652012000200004

Mancuzo EV, Araújo SAF, Oliveira AAF, Mota VC, Marques VE, Azevedo RL. Situação vacinal e exposição a risco biológico dos estudantes de medicina da UFMG. Rev Med Minas Gerais. 2016;26(e-1797):1-6. doi: http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20160097

Nardelli GG, Tavares CC, Gaudenci EM, Garcia BB, Santo AS, Pedrosa LAK. Situação vacinal de ingressantes da área da saúde de uma universidade pública. Rev Família Ciclos Vida Saúde Contexto Social. 2016;4(2):145-52. doi: https://doi.org/10.18554/refacs.v4i2.1645.

Publicado

2021-05-20

Como Citar

Almeida, A. A., Neves, B. R. ., Palhares, F. R. D. ., Raposo, F. B. C., Handere, M. P. ., Freitas, Y. de O. ., & Cupertino, M. do C. . (2021). Vacinação dos estudantes de medicina e o papel das instituições de ensino superior na prevenção primária. Revista De Medicina, 100(2), 112-118. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i2p112-118

Edição

Seção

Artigos/Articles