Perfil dos médicos formados na FMUSP e ingresso na residência médica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i2p102-111

Palavras-chave:

Educação médica, Graduação médica, Escola Médica, Internato e residência

Resumo

A graduação em medicina no Brasil tem impacto no Sistema Único de Saúde (SUS) do país. Dentre as universidades brasileiras, a Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) merece destaque como centro formador de especialistas. Considerando esse cenário, buscou-se descrever o perfil dos egressos da graduação da FMUSP entre os anos de 1998 e 2018 e sua trajetória de ingresso na residência médica. Trata-se de um estudo observacional de delineamento transversal baseado na análise de bases de dados secundárias. Dos 3.637 registros analisados, 38,8% eram mulheres, proporção que aumentou ao longo do tempo. A média de idade na graduação foi de 24,2 anos. A maioria dos egressos nasceu (89%) e permaneceu (91%) no Estado de São Paulo, 82,5% fez residência no HC FMUSP, 3,7% fez residência em outra instituição e 13,8% não ingressou em nenhuma residência médica até 2019. Dentre os que fizeram alguma residência, 69,6% entraram direto (no ano seguinte após a graduação), 22,6% aguardaram 1 ano, 4,9% aguardaram 2 anos e 2,9% aguardaram 3 anos ou mais. Considerando todos os egressos, 58,6% entraram direto na residência médica do HC FMUSP. Em suma, a residência HC FMUSP foi a principal responsável pela especialização dos graduandos e abrigou a maior parte dos alunos que buscaram alguma especialização logo em seguida à conclusão da graduação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Selene Perrotti Zyngier, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina

O presente trabalho faz parte do Estudo Longitudinal dos Médicos Formados na FMSUP (ELMU) e foi realizado com o apoio do Programa Unificado de Bolsas de Estudos para Apoio e Formação de Estudantes de Graduação (PUB-USP). Departamento de Medicina Preventiva, FMUSP.
Departamento de Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina FMUSP, Universidade de São Paulo, SP, Brasil. 

Mario C. Scheffer, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina (FMUSP), Departamento de Medicina Preventiva

O presente trabalho faz parte do Estudo Longitudinal dos Médicos Formados na FMSUP (ELMU) e foi realizado com o apoio do Programa Unificado de Bolsas de Estudos para Apoio e Formação de Estudantes de Graduação (PUB-USP). Departamento de Medicina Preventiva, FMUSP.
Professor Doutor do Departamento de Medicina Preventiva (DMP) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), na área de Política, Planejamento e Gestão em Saúde. É Mestre e Doutor em Ciências da Saúde pelo DMP- FMUSP. Concluiu dois Programa de Pós-Doutorado. Especialista em Saúde Pública pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), graduou-se em Comunicação Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Foi membro titular do Conselho Nacional de Saúde (CNS), da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP) e da Câmara de Saúde Suplementar da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Integra a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO). Atua em Saúde Coletiva principalmente nos temas: 1) relação entre o público e o privado na saúde; 2) saúde suplementar e 3) profissão médica.

Lucas Kazuto Tagusagawa, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina (FMUSP), Departamento de Medicina Preventiva

O presente trabalho faz parte do Estudo Longitudinal dos Médicos Formados na FMSUP (ELMU) e foi realizado com o apoio do Programa Unificado de Bolsas de Estudos para Apoio e Formação de Estudantes de Graduação (PUB-USP). Departamento de Medicina Preventiva, FMUSP.

Departamento de Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina FMUSP, Universidade de São Paulo, SP, Brasil. 

Julio Min Fei Zhang, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina (FMUSP), Departamento de Medicina Preventiva

O presente trabalho faz parte do Estudo Longitudinal dos Médicos Formados na FMSUP (ELMU) e foi realizado com o apoio do Programa Unificado de Bolsas de Estudos para Apoio e Formação de Estudantes de Graduação (PUB-USP). Departamento de Medicina Preventiva, FMUSP.
Departamento de Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina FMUSP, Universidade de São Paulo, SP, Brasil.

Alex Jones Flores Cassenote, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina (FMUSP), Departamento de Medicina Preventiva

O presente trabalho faz parte do Estudo Longitudinal dos Médicos Formados na FMSUP (ELMU) e foi realizado com o apoio do Programa Unificado de Bolsas de Estudos para Apoio e Formação de Estudantes de Graduação (PUB-USP). Departamento de Medicina Preventiva, FMUSP.
Departamento de Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina FMUSP, Universidade de São Paulo, SP, Brasil.

Alicia Matijasevich, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina (FMUSP), Departamento de Medicina Preventiva

O presente trabalho faz parte do Estudo Longitudinal dos Médicos Formados na FMSUP (ELMU) e foi realizado com o apoio do Programa Unificado de Bolsas de Estudos para Apoio e Formação de Estudantes de Graduação (PUB-USP). Departamento de Medicina Preventiva, FMUSP.
Departamento de Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina FMUSP, Universidade de São Paulo, SP, Brasil.

Graduada em Medicina pela Universidade de la República, Uruguai, em 1992, com especialização em Pediatria e Neonatologia. Tem mestrado (2000) e doutorado em Epidemiologia (2005) pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). No ano 2007 realizou estágio pós-doutoral no Departamento de Medicina Social da Universidade de Bristol, Inglaterra. Professora Associada do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Comitê Científico do Núcleo de Ciência pela infância (NCPI). Atua também como Professora Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia da UFPel. Áreas de pesquisa: saúde materna e da criança, desigualdades em saúde e estudos do ciclo vital. Pesquisadora Bolsista do CNPQ PQ ?1C.

 

Referências

World Health Organization. Health workforce [cited 2020 October 20]. Available from: https://www.who.int/health-topics/health-workforce#tab=tab_1.

World Health Organization. Global strategy on human resources for health: workforce 2030. Sixty-Ninth World Health Assembly WHA69.19 Agenda item 16.1. May 2016. Available from: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/252799/A69_R19-en.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

World Health Organization. World Health Report 2006 - working together for health. Geneva: World Health Organization; 2006. Available from: https://www.who.int/whr/2006/en/.

Dal Poz Mario Roberto. A crise da força de trabalho em saúde. Cad Saúde Pública. 2013;29(10):1924-6. https://doi.org/10.1590/0102-311XPE011013.

Watmough S, O'Sullivan H, Taylor D. Graduates from a traditional medical curriculum evaluate the effectiveness of their medical curriculum through interviews. BMC Med Educ. 2009;9(1). https://doi.org/10.1186/1472-6920-9-6.

General Medical Council. About the outcomes. Gmc-uk.org. 2019 [cited 2020 October 23]. Available from: https://www.gmc-uk.org/education/standards-guidance-and-curricula/standards-and-outcomes/outcomes-for-graduates/outcomes-for-graduates/about-the-outcomes.

World Federation for Medical Education. Basic medical education WFME global standards for quality improvement. Ferney-Voltaire: WFME; 2016 [cited 2020 October 23]. Available from: https://wfme.org/standards/bme/

Brasil. Ministério da Educação. Resolução nº 3, de 20 de junho de 2014 da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação do Ministério da Educação Disponível e,: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15874-rces003-14&category_slug=junho-2014-pdf&Itemid=30192.

Webb DJ, Maxwell SR. A spoonful of sugar? Tomorrow's doctors 2002. Br J Clin Pharmacol. 2002;54(4):341-3. doi: 10.1046/j.1365-2125.2002.t01-1-01715.x.

General Medical Council. Tomorrow's doctors. London: GMC; 1993.

Lewis AD, Menezes DA, McDermott HE, Hibbert LJ, Brennan SL, Ross EE, Jones LA. A comparison of course-related stressors in undergraduate problem-based learning (PBL) versus non-PBL medical programmes. BMC Med Educ. 2009;9:60. doi: 10.1186/1472-6920-9-60.

World Directory of Medical Schools. Wdoms.org. 2020 [cited 2020 October 20]. Available from: https://www.wdoms.org/.

Brasil. Governo Federal. Programa Mais Médicos. Estudantes. O novo currículo. Brasília; 2020 [citado 21 out. 2020]. Disponível em: http://maismedicos.gov.br/o-novo-curriculo.

Conselho Federal de Medicina (CFM). Formação em medicina no Brasil: cenários de prática, graduação, residência médica, especialização e revalidação de diplomas. Brasília: CFM; 2018. Disponível em: http://www.flip3d.com.br/web/pub/cfm/index10/?numero=16&edicao=4394.

Scheffer M, Cassenote A, Guerra A, Guilloux AGA, Brandão APD, Miotto BA, et al. Demografia médica no Brasil 2020. São Paulo: CFM; 2020. Disponível em: https://www3.fm.usp.br/fmusp/conteudo/DemografiaMedica2020_9DEZ.pdf.

Association of American Medical Colleges. Medical School Graduation Questionnaire. 2017 All Schools Summary Report. Washington, DC: AAMC; 2017 [cited 2020 October 21]. Available from: https://www.aamc.org/system/files/reports/1/2017gqallschoolssummaryreport.pdf.

Dale J, Potter R, Owen K, Parsons N, Realpe A, Leach J. Retaining the general practitioner workforce in England: What matters to GPs? A cross-sectional study. BMC Fam Pract. 2015;16(1):1–11. https://doi.org/10.1186/s12875-015-0363-1.

Purim KSM, Borges LMC, Possebom Ana C. Profile of the newly graduated physicians in southern Brazil and their professional insertion. Rev Col Bras Cir. 2016;43(4):295-300. https://doi.org/10.1590/0100-69912016004006.

Gameiro GR, Koyama LKS, Cruz ALIB, Cassenote AJF, Guilloux AGA, Segurado AAC, et al. Who and where are the University of São Paulo Medical School Graduates? Clinics. 2019;74:e1147. https://doi.org/10.6061/clinics/2019/e1147.

Castellanos MEP, Silveira AFMH, Martins LC, Nascimento VB, Silva CS, Bortollotte FHB, et al. Perfil dos egressos da Faculdade de Medicina do ABC: o que eles pensam sobre atenção primária em saúde? Arq Bras Ciên Saúde. 2009;34(2):71-9. https://doi.org/10.7322/abcs.v34i2.130.

Universidade de São Paulo (USP). Escritório de Gestão de Indicadores de Desempenho Acadêmico (Egida). São Paulo; 2020 [citado 21 out. 2020]. Disponível em: https://www5.usp.br/reitoria/escritorio-de-gestao-de-indicadores-de-desempenho-academico-egida/.

Escritório de Gestão de Indicadores de Desempenho Acadêmico (Egida). São Paulo; 2020 [citado 21 out. 2020]. Disponível em: http://egida.usp.br/.

Agopyan V. Portaria GR Nº 7256, de 29 de junho de 2018 - Normas USP. São Paulo; 2018 [citado 21 out. 2020]. Disponível em: http://www.leginf.usp.br/?portaria=portaria-gr-no-7256-de-29-de-junho-de-2018.

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). A Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. São Paulo; 2020 [citado 21 out. 2020]. Disponível em: https://www.fm.usp.br/fmusp/institucional/a-fmusp

Scheffer MC, Cassenote AJF. A feminização da medicina no Brasil. Rev Bioética. 2013;21(2):268-77. https://doi.org/10.1590/S1983-80422013000200010.

Organisation for Economic Co-Operation and Development (OECD). OECD Statistics. 2020 [cited 2020 November 12]. Available from: https://stats.oecd.org/Index.aspx?ThemeTreeId=9.

Scheffer MC, Guilloux AGA, Poz MRD, Schraiber LB. Reasons for choosing the profession and profile of newly qualified physicians in Brazil. Rev Assoc Med Bras. 2016;62(9):853-61. https://doi.org/10.1590/1806-9282.62.09.853.

Kaur B, Carberry A, Hogan N, Roberton D, Beilby J. The medical schools outcomes database project: Australian medical student characteristics. BMC Med Educ. 2014;14:180. doi: 10.1186/1472-6920-14-180.

Bitterman N, Shalev I. Profile of graduates of Israeli medical schools in 1981--2000: educational background, demography and evaluation of medical education programs. Isr Med Assoc J. 2005;7(5):292-7.

Senger MH, Campos MCG, Servidoni MFCP, Passeri SMRR, Velho PENF, Toro IFC, et al . Trajetória profissional de egressos do curso de Medicina da Universidade de Campinas (Unicamp), São Paulo, Brasil: o olhar do ex-aluno na avaliação do programa. Interface (Botucatu). 2018;22(Suppl 1):1443-55. http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622017.0190.

Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP). Quem Somos [citado 14 nov. 2020]. Disponível em: https://www.hc.fm.usp.br/index.php?option=com_content&view=article&id=69&Itemid=225.

São Paulo (Estado). Governo. HC, maior complexo hospitalar da América Latina, completa 70 anos|. São Paulo; 2014 [citado 14 nov. 2020]. Disponível em: https://www.saopaulo.sp.gov.br/ultimas-noticias/hc-maior-complexo-hospitalar-da-america-latina-completa-70-anos/.

Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP). Instituição [citado 14 nov. 2020]. Disponível em: https://www.hc.fm.usp.br/index.php?option=com_content&view=article&id=68&Itemid=214

Scheffer M, et al. Demografia médica no Brasil 2018. São Paulo: FMUSP/CFM/CREMESP; 2018.

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). FMUSP - Residência Médica 2021. São Paulo; 2020 [citado 6 jan. 2021]. Disponível em: https://www.tekyou.com.br/fmusp/selecao2021/relacao_candidato_vaga.php.

Publicado

2021-05-20

Como Citar

Zyngier, S. P. ., Scheffer, M. C. ., Tagusagawa, L. K., Zhang, J. M. F., Cassenote, A. J. F., & Matijasevich, A. (2021). Perfil dos médicos formados na FMUSP e ingresso na residência médica. Revista De Medicina, 100(2), 102-111. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v100i2p102-111

Edição

Seção

Artigos/Articles