O pensamento eugênico e a imigração no Brasil (1929-1930)

Palavras-chave: Eugenia, Imigração, Congresso de Eugenia., História da Ciência

Resumo

Este artigo pretende realizar um estudo sobre o discurso eugênico no Brasil, explorando o conceito de imigração fortemente debatido pelo pensamento dos eugenistas brasileiros. O trabalho teve como objetivo a análise de duas fontes primárias: o Primeiro Congresso Brasileiro de Eugenia (1929) e o Boletim de Eugenia (1929-1930) para analisar o que era pensado sobre a imigração. A princípio será discutido o surgimento do movimento eugênico e a sua trajetória no panorama internacional com foco no seu desenvolvimento dentro da sociedade brasileira do início do século XX. Também serão explicadas algumas vertentes científicas eugênicas que foram utilizadas no país. Em seguida, a pesquisa discorrerá sobre a história da imigração relacionando-a com as políticas raciais que os eugenistas brasileiros propunham, sobretudo com relação as discussões de Antônio José do Azevedo Amaral (1881-1942), apresentadas no Primeiro Congresso de Eugenia (1929). O estudo demostra como o pensamento eugênico influenciou a intelectualidade nacional, promovendo uma série de propostas para as políticas públicas. Também reflete a preocupação dos intelectuais em investir em leis que barrassem a entrada de todos os indivíduos não-brancos - principalmente negros e nipônicos - no país, justificando essa escolha no melhoramento e no progresso da nação brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayana de Oliveira Formiga, Universidade de São Paulo
Doutoranda em História Social da Ciência pela Universidade de São Paulo (USP) e Professora do Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP).
Charles Aparecido Silva Melo, Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP-EC)

Graduado em História pelo Centro Universitário Adventista de São Paulo.

Ana Beatriz Rodrigues de Paula, Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP)

Graduada em História pelo Centro Universitário Adventista de São Paulo.

Referências

Referências bibliográficas

AMARAL, Antônio José Azevedo. O problema eugenico da immigração. In: Primeiro Congresso Brasileiro de Eugenia, 1929. Actas e Trabalhos, Rio de Janeiro, 1929, v. 1, p. 327-340.

ANDRADE, Rosâny Espírito Santo. Azevedo Amaral no Primeiro Congresso Brasileiro de Eugenia: a imigração para purgar as “degenerescências” do povo brasileiro (Rio de Janeiro, 1929). Revista UNIABEU, Belford Roxo, v. 6, n. 14, p. 46-62, 2013. Disponível em: http://revista.uniabeu.edu.br/index.php/RU/article/view/958/pdf_31. Acesso em: 05 ago. 2017.

BOLETIM DE EUGENIA, Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Eugenia, 1929-1930. Mensal.

DEL CONT, Valdeir Donizete. Francis Galton: eugenia e hereditariedade. Scientiae Studia, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 201-218, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-31662008000200004. Acesso em 05 ago. 2017.

DOMINGUES, Octavio. Eugenia: seus propósitos, suas bases, seus meios (Em cinco lições). São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1942.

FORMIGA, Dayana de Oliveira. A escola de genética Dreyfus-Dobzhansky: a institucionalização da genética na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (1934-1956). São Paulo, 2007. 115f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-03032008-140341/pt-br.php. Acesso em: 05 ago. 2017.

GERALDO, Endrica. O “perigo alienígena”: política imigratória e pensamento racial no governo Vargas (193-1945). Campinas, 2007. 241f. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007. Disponível em: http://reposip.unicamp.br/xmlui/bitstream/handle/REPOSIP/280760/Geraldo_Endrica_D.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 05 ago. 2017.

GOÉS, Weber Lopes. Racismo, eugenia no pensamento conservador brasileiro: a proposta de povo em Renato Kehl. Marília, 2015. 276f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Marília, 2015. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/124368/000837627.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 05 ago. 2017.

KEHL, Renato. Lições de Eugenia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1929

PRIMEIRO CONGRESSO BRASILEIRO DE EUGENIA, 1929, Rio de Janeiro. Atas e Trabalhos. Rio de Janeiro, 1929, v. 1.

REBELO, Fernanda. Raça, clima e imigração no pensamento social brasileiro na virada do século XIX para o XX. Filosofia e História da Biologia, São Paulo, SP, v. 2, p. 159-177, 2007. Disponível em: http://www.abfhib.org/FHB/FHB-02/FHB-v02-10-Fernanda-Rebelo.pdf. Acesso em: 08 set. 2017.

ROCHA, Simone. Eugenia no Brasil: análise do discurso “científico” no Boletim de Eugenia: 1929-1933. São Paulo, 2010. 112f. Tese (Doutorado em História da Ciência) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br/bitstream/handle/13240/1/Simone%20Rocha.pdf. Acesso em: 05 ago. 2017.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SEYFERTH, Giralda. Colonização, imigração e a questão racial no Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 53, p. 117-149, 2002. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/33192/35930. Acesso em: 05 ago. 2017.

SKIDMORE, Thomas. Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro (1870-1939). São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

STEPAN, Nancy Leys. A hora da eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2005.

Publicado
2019-09-11
Como Citar
Formiga, D., Melo, C., & Paula, A. (2019). O pensamento eugênico e a imigração no Brasil (1929-1930). Intelligere, (7), 22. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9020.intelligere.2019.142881
Edição
Seção
Artigos