Tornar-se um Historiador das Relações Internacionais no Brasil

Autores

  • Thiago Galvão Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9020.intelligere.2020.178815

Palavras-chave:

História das relações internacionais, Hisória dos conceitos, História das ideias, Relações internacionais

Resumo

As vivências, intersubjetividades e intertextualidades entre o autor e Amado Luiz Cervo constituem o fio condutor desta narrativa que visa reafirmar ao mesmo tempo a relevância da História para o estudo das Relações Internacionais, o lugar do historiador como internacionalista; bem como o fato de que nos tornamos parte do tecido social, com representatividade, significância e identidade, na medida em que vivemos em um emaranhado complexo de relações emocionais, psicológicas e institucionais. Amado Cervo é o personagem principal desta narrativa que o entende como um tipo ideal que inspira gerações. Ao mesmo tempo, auxilia na tarefa de esquematizar alguns elementos definidores da trajetória e do ofício de historiador de Relações Internacionais, tais como viver o internacional, delinear um mapa de ações, olhar o mundo por lentes críticas, capturar os tempos, preservar as memórias e pensar o futuro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BLOCH, M. Apologia da História: ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002.

BRAUDEL, F. Escritos sobre a história. São Paulo: Perspectiva, 2005.

CERVO, A. L. 1992. As relações históricas entre o Brasil e a Itália: o papel da diplomacia. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

CERVO, A. L., org. O Desafio internacional. Brasília: EDUNB, 1994.

CERVO, A. L., & RAPOPORT, M., orgs. História do Cone Sul. RJ. Revan, 1998.

CERVO, A. L. "Os grandes eixos conceituais da política exterior do Brasil". RBPI, ano 41, Número Especial, 1998, pp. 66-84.

CERVO, A. L., Relações Internacionais da América Latina: velhos e novos paradigmas. Brasília: IBRI, 2001.

CERVO, A. L., & BUENO, C. História da Política Exterior do Brasil. 3ª Ed, Brasília: Editora UnB, 2008.

CERVO, A. L., Inserção internacional: formação dos conceitos brasileiros. São Paulo: Saraiva, 2008.

CERVO, A. L., LESSA, A. C. 2014. O Declínio: Inserção Internacional Do Brasil (2011–2014). RBPI 57 (2): 133–151.

GADDIS, J. L. Paisagens da História: como os historiadores mapeiam o passado. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

GALVÃO, T. G.; MROS, G. A genealogia do ensino da História para as Relações Internacionais. Meridiano 47, 18: e18014, 2017.

GEHRE, T.; ARRAES, V. Introdução ao estudo das relações internacionais. São Paulo: Saraiva, 2013.

GILBERT, A. N. International Relations, and the Relevance of History. International Studies Quarterly, Vol. 12, No. 4 (Dec., 1968), pp. 351-359.

HARTOG, F. Crer em História. São Paulo: Autêntica, 2017.

HUNT, L. Writing History in the Global Era. NY/London: WW Norton &Company, 2014 (Kindle Edition).

INAYATULLAH, N. Opinion - Internal Simultaneity: A Science of Autobiography. May 4 2020. Disponível em: https://www.e-ir.info/2020/05/04/opinion-internal-simultaneity-a-science-of-autobiography. Acessado: 21/05/2020.

LE GOFF, J. (org.). A História Nova. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

LESSA, A. C. Parcerias Estratégicas do Brasil. Volume 1. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013.

MACMILLAN, M. Usos e Abusos da História. Editora Record, 2010.

_____. People, personalities, and the past. London: profile Books, 2016.

MARTINS, E. C. de R. Relações Internacionais: cultura e poder. Brasília, IBRI, 2002.

MOSES, J. W; KNUTSEN, T. L. Ways of Knowing: competing methodologies in Social and Political Research. London: Palgrave Macmillan. 2nd Edition, 2012.

PACKARD, R. M. A History of Global Health: Interventions into the Lives of Other Peoples. Baltimore: JHU Press, 2016.

PAUGAM, S. Durkheim e o vínculo aos grupos: uma teoria social inacabada Sociologias vol.19 no.44. Porto Alegre, Jan./Abr. 2017.

REUS-SMIT, C.; SNIDAL, D. The Oxford handbook of international relations. Oxford University Press, 2008.

SANTOS, B. de S. O fim do império cognitivo: A afirmação das epistemologias do Sul. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

SARAIVA, J. F. S; CERVO, Amado Luiz. O crescimento das Relações Internacionais no Brasil. Brasília: IBRI, 2005.

TRACHTENBERG, M. The Craft of International History: A Guide to Method. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2006

WEBER, M. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

Galvão, T. (2020). Tornar-se um Historiador das Relações Internacionais no Brasil. Intelligere, (10), 162-177. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9020.intelligere.2020.178815