A Historiografia entre modernidade e contemporaneidade

Autores

  • Osvaldo Luis Angel Coggiola Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9020.intelligere.2021.195131

Palavras-chave:

historiografia, história contemporânea, teoria da história, modernidade, contemporaneidade

Resumo

A introdução da contemporaneidade no campo historiográfico e científico não foi o simples acréscimo de uma nova era numa divisão periódica da história preexistente: ela foi precedida por uma nova percepção político-social, e implicou em mudanças metodológicas tanto quanto numa cisão no antigo conceito de modernidade. O artigo tenta abordar, de maneira sintética, essas mudanças, as condições em que se originaram, e suas implicações, cujas consequências ambíguas se fazem sentir até o presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Anatole France. Histoire Contemporaine. Paris, Calmann-Levy, 2016 [1897].

André Burguière (ed.). Dicionário das Ciências Históricas. Rio de Janeiro, Imago, 1993.

Charles-Olivier Carbonell. Historiografia. Lisboa, Teorema, 1992.

Ciro Flamarion Santana Cardoso. Por que os seres humanos agem como agem? As respostas baseadas na natureza humana e seus críticos. Revista de História nº 167, São Paulo, FFLCH-USP, julho/dezembro de 2012.

David George Hogarth. El Antiguo Oriente. México, Fondo de Cultura Económica, 1951 [1927]).

Emmanuel Kant. Filosofia de la Historia. México, Fondo de Cultura Económica, 1978 [1784].

François Châtelet. A Filosofia Pagã. Rio de Janeiro, Zahar, 1981.

François Dosse. História do tempo presente e historiografia. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, vol. 4, n° 1, 2012.

G. W. Hegel. Lecciones sobre Filosofia de la Historia Universal. Madri, Revista de Occidente, 1974 [1830].

Giorgio Agamben. O que é Contemporâneo? e Outros Ensaios. Chapecó, Argos, 2012.

Guy Bourdé e Hervé Martin. Les Écoles Historiques. Paris, Seuil, 1983.

Guy Thuillier e Jean Tulard. Les Écoles Historiques, Paris, Presses Universitaires de France, 1993.

Hesiodo. Os Trabalhos e os Dias. São Paulo, Iluminuras, 2020.

Jean Marie André e Alain Hus. La Historia en Roma. Madri, Siglo XXI, 1989.

Karina Vanderlei Silva e Maciel Henrique Silva. Dicionário de Conceitos Históricos. São Paulo, Contexto, 2005.

Karl. Marx. Contribuição à Crítica da Economia Política. São Paulo, Edições Populares, sdp [1859].

Mario de Micheli. Le Avanguardie Artistiche del Novecento. Milão, Feltrinelli, 2014 [1959].

Michel Foucault. As Palavras e as Coisas. Uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo, Martins Fontes, 1981.

Michel Winock. O Século dos Intelectuais. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2000).

Moishe Postone. Time, Labor, and Social Domination, A reinterpretation of Marx’s critical theory. Nova York, Cambridge University Press, 2009.

Osvaldo Coggiola. História e contemporaneidade. Entre Passado & Futuro nº 1, São Paulo CNPq/Xamã, maio de 2002.

Reinhart Koselleck. Crítica e Crise. Uma contribuição à patogênese do mundo burguês. Rio de Janeiro, Contraponto, 1999.

Robert Sayre e Michael Löwy. Revolta e Melancolia. O romantismo na contracorrente da modernidade. São Paulo, Boitempo, 2021.

Scipione Guarracino. Le Età dela Storia. I concetti di Antico, Medievale, Moderno e Contemporaneo. Milão, Bruno Mondadori, 2001.

Tom Bottomore. Dicionário do Pensamento Marxista. Rio de Janeiro, Zahar, 1988.

Zeev Sternhell et al. Naîssance de l’Idéologie Fasciste. Paris, Arthème Fayard, 1989.

Zília Mara Pastorello Scarpari. É preciso ser absolutamente moderno. https://periodicos.ufsm.br/letras/article/viewFile/11428/6903).

Downloads

Publicado

2021-12-15

Como Citar

Coggiola, O. L. A. (2021). A Historiografia entre modernidade e contemporaneidade . Intelligere, (12), 1-15. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9020.intelligere.2021.195131

Edição

Seção

Artigos