OCULTOS E NÃO MAPEADOS: UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE OS CÓRREGOS DO MANDAQUI

  • Ramón Stock Bonzi
Palavras-chave: mapeamento de córregos urbanos, córregos ocultos, hidrografia urbana, córregos não mapeados, sobreposição de mapas

Resumo

Em seu crescimento, a cidade de São Paulo enterrou parte considerável de seus rios e córregos. Ainda que tenha sido investido muito capital nessa operação e que os cursos d´água transformados tenham ganhado status de infraestrutura urbana, não foi feito o registro sistemático de suas características e localizações. O resultado é que até muito recentemente era extremamente difícil saber a localização desses córregos ocultos, o que gerou conflitos e situações potencialmente perigosas. Nos últimos anos, políticas públicas e leis desencadearam a produção de um mapeamento sistemático e detalhado da hidrografia paulistana. A que pese a excelência dos profissionais envolvidos com esse levantamento, observa-se que que a rede hídrica paulistana está representada de maneira incompleta. Este artigo pretende colaborar com o seu refinamento, apresentando e discutindo técnicas utilizadas por pesquisadores para identificar córregos ocultos. Como estudo de caso, foi selecionada a bacia hidrográfica do córrego Mandaqui, na zona norte da cidade. Constata-se que os métodos são diferentes daqueles utilizados no mapeamento oficial, mas não antagonizam entre si. Conclui-se que tais procedimentos são úteis em estudos que exigem um maior detalhamento da hidrografia urbana e sugere-se que sejam utilizados no mapeamento oficial, sobretudo quando não estiver disponível do cadastro de drenagem da prefeitura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ramón Stock Bonzi
Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela FAUUSP, na área de concentração Paisagem e Ambiente. Especialista em Meio Ambiente e Sociedade (FESPSP) e em Arquitetura da Paisagem (SENAC).

Referências

AB’SÁBER, Aziz Nacib. O sítio urbano de São Paulo. In: Azevedo, Aroldo de. A cidade de São Paulo: estudos de geografia urbana. Vol I. São Paulo: Nacional, 1958.

BARTALINI, Vladimir. A trama capilar das águas na visão cotidiana da paisagem. Revista USP n. 70. São Paulo: USP, 2006.

______ Os córregos ocultos e a rede de espaços públicos urbanos. São Paulo: Arquitextos, 2009.

______ Palcos e bastidores (ainda sobre córregos ocultos). Pós. Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, v. 28, p. 72-102, 2010.

______ Córregos ocultos em São Paulo. In: Reis, Almir Francisco. (Coord.) Arquitetura, Urbanidade e Meio Ambiente. Florianópolis: Ed. Da UFSC, 2011.

______ Brejos, vielas, escadas: um bairro jardim e suas águas. In: Revista Pós. N. 31. São Paulo: FAUUSP, 2012.

______ Paisagens imaginadas: córregos ocultos em São Paulo. In: 1o COLÓQUIO INTERNACIONAL ICHT 2016 Imaginário: Construir e Habitar a Terra Cidades ‘Inteligentes’ e Poéticas Urbanas, 2016, São Paulo. Atas do 1 Colóquio Internacional Imaginário: Construir e Habitar a Terra Cidades ‘Inteligentes’ e Poéticas Urbanas. São Paulo: FAU-USP, 2016. v. 01. p. 94-103.

BONZI, R. Andar sobre Água Preta: a aplicação da infraestrutura verde em áreas densamente urbanizadas. 2015. Dissertação (Mestrado em Paisagem e Ambiente) – FAUUSP, 2015a.

______ O Zoneamento Ambiental geomorfológico como método para planejar a Infraestrutura Verde em áreas densamente urbanizadas. Revista LABVERDE, V1. p. 104-135, 2015b.

______ Córregos (e desígnios) ocultos na cidade universitária Armando de Salles Oliveira. Revista LABVERDE, v. 01, p. 82-108, 2014.

______ SOARES, M. C.; OLIVEIRA, E. M. Aplicação do Desenho Ambiental para a Bacia do Córrego das Corujas: Potencialidades e Limitações na Implantação de um Parque Linear. Revista LABVERDE, v. 4, p. 30-62, 2012.

JORGE, Janes. Tietê: o rio que a cidade perdeu – São Paulo 1890-1940. São Paulo: Alameda, 2006.

LIMA, Erly Caldas de. O levantamento pioneiro da SARA Brasil: histórico, tecnologia empregada e avaliação dos produtos. 2012. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Transportes) - Escola Politécnica, USP, 2012.

MARTINS, Rosa Helena de Oliveira. Carga difusa em ambientes urbanos: a bacia representativa do Corrego do Mandaqui. 1988. Tese de Doutorado. Universidade de Sao Paulo. Escola Politécnica.

MONTEIRO JUNIOR, Laércio. Infraestruturas urbanas: uma contribuição ao estudo da drenagem em São Paulo. 2012. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional) - FAUUSP, São Paulo, 2012.

SEABRA, Odette. Nos meandros dos rios nos meandros do poder. Tese. (Doutorado em Geografia). São Paulo: FFLCH, 1987.

TRAVASSOS, Luciana R. F. C. A dimensão socioambiental da ocupação dos fundos de vale urbanos no Município de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Ciência Ambiental) – Universidade de São Paulo. São Paulo: Procam, 2004.

______Revelando os rios: Novos paradigmas para a Intervenção em Fundos de Vale Urbanos na Cidade de São Paulo. Tese (Doutorado em Ciência Ambiental) – Universidade de São Paulo. São Paulo: Procam, 2010.

Publicado
2016-10-11
Como Citar
Bonzi, R. (2016). OCULTOS E NÃO MAPEADOS: UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE OS CÓRREGOS DO MANDAQUI. Revista LABVERDE, (12), 13-40. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i12p13-40