Cartografia Participativa aplicada ao Desenho Ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.labverde.2020.159536

Palavras-chave:

Cartografia social, Mapeamento participativo, Comunidades, Desenho ambiental, Mapas afetivos

Resumo

Este artigo faz uma associação entre a cartografia social e o desenho ambiental. A cartografia social traz novas contribuições à cartografia tradicional, quebrando o paradigma de que os mapas devam ser feitos apenas pelos órgãos governamentais e institucionais, buscando fazer com que as pessoas produzam seus próprios mapas, sendo estes então, críticos e participativos. O mapeamento participativo tem uma função social, na medida em que auxilia na gestão do território, identificando os seus usos tradicionais, conflitos, fragilidades, potencialidades e empoderando esses indivíduos, por estimulá-los a agir sobre o território para transformá-lo ou assegurar seus direitos sobre ele. O objetivo desse trabalho é mostrar como as metodologias participativas estudadas, intituladas mapeamento participativo e mapeamento afetivo, podem contribuir para o desenho ambiental nas suas instâncias iniciais visando à participação popular no planejamento urbano, na medida em que suas visões sobre o território são organizadas, articuladas e dialogadas com a comunidade ou com agentes externos ou através de iniciativas próprias de transformação da realidade vivida. A metodologia aplicada nesse artigo foi a de uma pesquisa bibliográfica e documental, com o intuito de estabelecer um panorama da construção do desenho ambiental de modo participativo através do mapeamento participativo e dos mapas afetivos. No recorte da área de estudo foram selecionadas experiências em que a cartografia social foi utilizada como apoio para sensibilização da comunidade e princípio das atividades de desenho ambiental no meio urbano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yasminni Parra Tomaz, Universidade de São Paulo

Mestranda no Programa de Pós Graduação em Geografia Física da Universidade de São Paulo (USP)
Bacharelado e Licenciatura em Geografia pela Universidade de São Paulo (USP)

Referências

ACSELRAD, Henri; COLI, Luis Régis. Disputas cartográficas e disputas terrritoriais. In: ACSELRAD, Henri et al (Org.). Cartografias Sociais e Território. Rio de Janeiro: Ippur/ufrj, 2008.

AMARAL, Gloria Regina. Belterra já tem seu Plano Diretor. FASE Amazônia. Rio de Janeiro, 20 dez. 2006. Disponível em: <https://fase.org.br/pt/informe-se/noticias/belterra-ja-tem-seu-plano-diretor/> Acesso em 19 maio 2019.

ARAÚJO, Franciele E.; ANJOS, Rafael S.; ROCHA-FILHO, Gilson B. Mapeamento participativo: conceitos, métodos e aplicações. Boletim de Geografia, Maringá, v. 35, n. 2, p. 128-140, 2017. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/BolGeogr/article/view/31673/pdf. Acesso em: 10 maio 2019.

BERTRAND, Georges. Paisagem e geografia física global: esboço metodológico. RA’E GA, Curitiba, n. 8, p. 141-152, 2004. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/raega/article/view/3389/2718>. Acesso em: 23 maio 2019.

BEZERRA, Yandra Raquel N.; FEITOSA, Maria Zelfa S. A afetividade do agente comunitário de saúde no território: um estudo com os mapas afetivos. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 813-822, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232018000300813&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 maio 2019.

BRASIL. Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 11 jul. 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10257.htm. Acesso em: 23 maio 2019.

BUENO, José; CAMPOS JR., Luiz. Entrevista com Rios e Ruas. Revista LABVERDE, São Paulo, n. 7, p. 224-229, 2013. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revistalabverde/article/view/81120/84747. Acesso em: 13 maio 2019.

CHAPIN, Mac. Proyectos de mapeo: identificación de obstáculos y hallazgo de soluciones. Aprendizaje y Acción Participativos, Lima, n. 54, p. 1-6, 2006. Disponível em: http://191.98.188.189/Fulltext/7936.pdf . Acesso em: 15 maio 2019.

FERNANDES, Wellington de O. Mapeamento participativo na cartografia: discussão sobre experiências de aplicação dessa metodologia a partir da cartografia social. 2013. 80 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Geografia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

FOX, Jefferson; SURIANATA, Krisnawati; HERSHOK, Peter; PRAMONO, Albertus H. O poder de mapear: efeitos paradoxais das tecnologias de informação espacial. In: ACSELRAD, Henri. (Org.). Cartografias sociais e território. Rio de Janeiro: IPPUR: UFRJ, 2008. p. 71-84.

FRANCO, Maria de Assunção R. Desenho ambiental: uma introdução à arquitetura da paisagem com o paradigma ecológico. São Paulo: Annablume: Fapesp, 1997.

GORAYEB, Adryane; MEIRELES, Jeovah. A cartografia social vem se consolidando como instrumento de defesa de direitos. [Entrevista cedida a] Eliane Araújo. Rede Mobilizadores, [S. l.], 9 fev. 2014. Disponível em: http://www.mobilizadores.org.br/entrevistas/cartografia-social-vem-se-consolidando-com-instrumento-de-defesa-de-direitos/. Acesso em: 28 abr. 2019.

HAESBAERT, Rogério. Dos múltiplos territórios à multiterritorialidade. PET Geografia, Porto Alegre, 2004. Disponível em: http://www.ufrgs.br/petgea/Artigo/rh.pdf. Acesso em: 2 jun. 2019.

HARLEY, Brian. Mapas, saber e poder. Confins, São Paulo, n. 5, 2009. Disponível em: http://www.ppghis.ufma.br/wp-content/uploads/2016/08/7-John-Brian-Harley-Mapas-saber-e-poder.pdf. Acesso em: 3 maio 2019.

HART, Sasha. Caren Lissa Harayama e seus marinheiros, navegando até o Rio da Goiaba no Campo Limpo. Facebook, [S. l.], 16 maio 2015. Disponível em: https://www.facebook.com/rioseruas/photos/a.136652653060846/888908511168586/?type=3&theater. Acesso em: 13 maio 2019.

LIMA, Myriam D. V.; MACHADO, Cláudia C. L.; ALVES, João B.; FORTUNATO, Rafaela A. Governança pública para o enfrentamento das mudanças climáticas em Curitiba e entorno. Mercator, Fortaleza , v. 15, n. 4, p. 47-63, 2016 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-22012016000400047&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 6 jan. 2020.

LOURENÇO, Luiz Augusto F. Mapas afetivos. Dicionário de Favelas Marielle Franco, Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: https://wikifavelas.com.br/index.php?title=Mapas_Afetivos.Acesso em: 20 abr. 2019.

MONTEIRO, Tuanne F. et al. Educação ambiental e patrimonial a partir dos afetos da juventude de Jacarecanga. Extensão em Ação, Fortaleza, v. 2, n. 3, p. 75-88, 2012. Disponível em: <http://periodicos.ufc.br/extensaoemacao/article/view/3856/3047>. Acesso em: 15 maio 2019.

PAIVA, Ângela. Na floresta têm direitos: justiça ambiental na Amazônia. Mapa dos Conflitos Socioambientais da Amazônia Legal, Belém, 2009. Disponível em: https://fase.org.br/wp-content/uploads/2009/08/2_mapa_conflito_amazonia-1-3.pdf. Acesso em: 21 maio 2019.

PELLEGRINO, Paulo R. M. Pode-se planejar a paisagem? Paisagem e Ambiente, São Paulo, n. 13, p. 159-179, 2000. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/paam/article/view/134128/129939>. Acesso em: 20 maio 2019.

ROCHA, Yuri T. Teoria geográfica da paisagem na análise de fragmentos de paisagens urbanas de Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro. Revista Formação, Presidente Prudente, v. 1, n. 15, p. 19-35, 2008. Disponível em: <http://www2.fct.unesp.br/pos/geo/revista/artigos/3_rocha.pdf>. Acesso em: 23 maio 2019.

SANTOS, Rozely F. Planejamento ambiental: teoria e prática. São Paulo: Oficina de Textos, 2004.

SCHIPPER, Ivy. A cartografia da ação na escola e a pesca em São Gonçalo (RJ). Revista Tamoios, São Gonçalo, v. 6, n. 1, p. 34-47, 2010. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/tamoios/article/download/1168/3030>. Acesso em: 20 maio 2019.

TOMAZ, Yasminni P. Conservação ambiental e mapeamentos participativos: territórios disputados da Caçandoca e do Sertão da Fazenda – Ubatuba – SP. 2017. 114 f. Trabalho de Graduação Individual (Bacharelado em Geografia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: <http://www.tcc.sc.usp.br/tce/disponiveis/8/8021104/tce-16032018-184815/?&lang=br>. Acesso em: 12 maio 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Tomaz, Y. P. (2020). Cartografia Participativa aplicada ao Desenho Ambiental. Revista LABVERDE, 10(1). https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.labverde.2020.159536