Análise estratégica do relevo e planejamento territorial urbano: compartimentos ambientais estruturantes na macrometrópole de São Paulo

Autores

  • José Guilherme Schutzer

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i5p12-36

Palavras-chave:

planejamento ambiental urbano, geomorfologia urbana, desenho da paisagem, meio ambiente, compartimentos ambientais da paisagem

Resumo

O grande espalhamento urbano ocorrido nas regiões metropolitanas mundiais, ainda em intenso movimento de expansão urbana sobre antigos territórios rurais, colocou em evidência que os problemas ambientais que mais impactam os territórios, hoje, são os decorrentes dos processos de urbanização intensiva. Nesse sentido, a decisão sobre onde e como ocupar um território deve perpassar uma outra análise sobre o relevo, não mais apenas como um elemento estático e passivo, que se amolda aos diversos usos urbanos solicitados, mas com uma abordagem estratégica vinculada ao planejamento territorial e ambiental urbano. Ao destacar as principais linhas e compartimentos ambientais estruturantes de uma paisagem, sob o aspecto do relevo e dos processos de sua esculturação, pode-se entrever melhor as relações que os processos urbanos e suas infraestruturas impostas estabelecem com essas porções estratégicas da paisagem, podendo direcionar, assim, formas de uso e de ocupação do relevo mais condizentes com os processos urbanos e naturais, objetivando a eleição dos principais setores do relevo destinados aos serviços ambientais da preservação dos espaços de ocorrência dos processos naturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Guilherme Schutzer

Geógrafo pela FFLCH/USP, mestre em urbanismo pela FAU/USP, doutor em Geografia Física pela FFLCH/USP, consultor em planejamento territorial e ambiental e professor de Desenho da Paisagem na Associação Escola da Cidade.

Downloads

Publicado

2012-12-20

Como Citar

Schutzer, J. G. (2012). Análise estratégica do relevo e planejamento territorial urbano: compartimentos ambientais estruturantes na macrometrópole de São Paulo. Revista LABVERDE, (5), 12-36. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i5p12-36