OS LAGOS DO IBIRAPUERA COMO ESTRUTURAÇÃO HÍDRICA DE UM PARQUE

Autores

  • Riciane Maria Reis Pombo Universidade de São Paulo - USP

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v1i10p156-167

Palavras-chave:

Arquitetura, Lago, Parque Ibirapuera, Estrutura hídrica, Paisagismo

Resumo

O artigo a seguir visa uma análise diferenciada do parque urbano mais frequentado da cidade de São Paulo, tendo a água como referência. Analisando diversos textos, de diferentes autores, foi observado que há muitos relatos sobre a história do parque, desde sua idealização, passando por sua implantação, até a situação atual. Também foram encontradas análises críticas abordando várias questões, como política, arquitetura, paisagismo, utilização dos espaços pelos usuários, etc. Mas pouco encontramos sobre os lagos e sobre sua relação com o projeto elaborado para o parque, além de arquivos históricos com registros dos diversos projetos elaborados para a despoluição de suas águas. Este texto tem a intenção de esclarecer como a implantação e a utilização da área destinada ao Ibirapuera ocorreu e ainda ocorre segundo as necessidades da sociedade, e como é a relação desta sociedade com a paisagem local. Como foi a transformação de uma grande área ecológica em um parque urbano, construído para simbolizar o progresso? Qual o papel dos lagos na estrutura do parque? Quais os processos envolvidos na transformação da área? Como os lagos são vistos pelos usuários e como é a relação das pessoas com os lagos? Estas e outras questões serão respondidas a partir de consulta a materiais bibliográficos, arquivos oficiais e também através de análises e visitas ao local, bem como por entrevistas a pesquisadores e funcionários do parque.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Riciane Maria Reis Pombo, Universidade de São Paulo - USP

Arquiteta Urbanista graduada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie - São Paulo Membro do Conselho Gestor do Parque Ibirapuera - gestão 2015 - 2017

Referências

ANDRADE, Manuella Marianna Carvalho Rodrigues de. O Processo Histórico de Formação do Parque do Ibirapuera. São Paulo: Departamento do Patrimônio Histórico – Divisão do Arquivo Histórico Municipal “Washington Luís”.

BARONE, Ana Claudia Castilho. Ibirapuera: parque metropolitano (1926-1954). São Paulo: FAUUSP, 2007. (Tese de doutorado).

BARTALINI, Vladmir. Parques públicos municipais de São Paulo: a ação da municipalidade no provimento de áreas verdes de recreação. São Paulo: FAUUSP, 1999. (Tese de doutorado).

LOBODA, Carlos Roberto; ANGELIS, Bruno Luiz Domingos de. Áreas Verdes Públicas Urbanas: Conceitos, Usos e Funções.

LOFEGO, Silvio Luiz. IV Centenário da Cidade de São Paulo: uma cidade entre o passado e o futuro. São Paulo: Annablume, 2004.

LOVELOCK, James. As Eras de Gaia, uma biografia do nosso planeta vivo. Portugal: Publicações Europa América Ltda., 1989.

MARIANO, Cassia. Preservação e Paisagismo em São Paulo: Otávio Augusto Teixeira Mendes. São Paulo: Annablume, Fapesp, Fundação Maria Luisa e Oscar Americano, 2005.

MOSES, Robert. Programa de melhoramentos públicos para a cidade de São Paulo. Revista do Instituto de Engenharia, São Paulo, n. 103, v. 5, mar. 1951, p. 321-7.

ODUM, Eugene P. Fundamentos de Ecologia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian, 1976.

OLIVEIRA, Fabiano Lemes de. O Parque do Ibirapuera: projetos, modernidades e modernismos. DOCOMOMO_5, São Paulo, 2014.

OLIVEIRA, Fabiano Lemes. Projetos para o Parque do Ibirapuera: de Manequinho Lopes a Niemeyer (1926-1954). São Paulo, 2003. (Dissertação de Mestrado).

SEGAWA, Hugo. Ao amor do público: jardins no Brasil. São Paulo: Studio Nobel; FAPESP, 1996. (Cidade aberta).

Downloads

Publicado

2015-08-31

Como Citar

Pombo, R. M. R. (2015). OS LAGOS DO IBIRAPUERA COMO ESTRUTURAÇÃO HÍDRICA DE UM PARQUE. Revista LABVERDE, 1(10), 156-167. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v1i10p156-167

Edição

Seção

Artigos