CONTAMINAÇÃO DO SOLO EM SÃO PAULO: O CASO DA OPERAÇÃO URBANA BAIRROS DO TAMANDUATEÍ

Autores

  • Vania Cristiane Flores Salinas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - FAU Pós-graduação / USP

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v1i10p84-102

Palavras-chave:

Vila Carioca, Diagonal Sul, Bairros do Tamanduateí, Solo contaminado, Contaminação por metais, Remediação

Resumo

Durante décadas a cidade de São Paulo vêm sofrendo com as cicatrizes deixadas pelo rápido crescimento industrial. Vista como a cidade do progresso, e a esperança de um aumento na demanda de trabalho, a cidade vira um destino de alto atrativo para trabalhadores rurais e imigrantes, o que gera uma demanda constante de moradia, serviços e infraestrutura para a qual a cidade não está preparada para receber. Diante da necessidade de expansão do território e para poder abrigar o número de trabalhadores que a cidade demanda surge a necessidade de melhorar o planejamento da mesma, sem ampliar a mancha urbana para locais virgens e muitas vezes restritos por áreas de proteção ou áreas de risco. É necessário, portanto, potencializar as áreas subutilizadas em locais onde já existe infraestrutura. Portanto, torna-se de extrema importância o estudo de áreas contaminadas, uma vez que estas estão em locais muitas vezes já estruturados, e bem localizados, mas que carecem de segurança para a população. Vários estudiosos e profissionais da área têm se debruçado para entender os problemas, dificuldades e a possibilidade de reutilização de áreas contaminadas, surgindo assim um assunto objeto do Plano Diretor de 2004 propondo a Operação Urbana Diagonal Sul que evoluiu para a Operação Urbana Mooca Vila Carioca e hoje é conhecida como Operação Urbana Consorciada Bairros do Tamanduateí.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vania Cristiane Flores Salinas, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - FAU Pós-graduação / USP

Arquiteta Urbanista formada pelo Unicentro Belas Artes de São Paulo, possui especialização na área de Habitação e cidade pela Escola da Cidade - Faculdade de Aequitetura e Urbanismo e especialização na área de Gestão Ambiental na Faculdades Oswaldo Cruz. 

Atualmente desenvolve sua dicertação de mestrado na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAU/USP, na área de Paisagem e Ambiente, tratando no que diz respeito as áreas contaminadas na cidade de São Paulo.

Referências

ATSDR, Evaluacion de Riesgos en Salud por la Exposicion a Resíduos Peligrosos, Departamento de Salud Humana y Servícios de los E.E.U.U. Servicio de Saludo Pública, Agencia para las Sustancias Tóxicas y el Registro de Enfermedades, Atlanta Georgia, 1992

Brasil. Secretaria de Estado da Saúde São Paulo. Centro de Vigilância Epidemiológica. Manual de Vigilância em Saúde Ambiental para Ações em Vigilância em Saúde relacionada à População Exposta a Solo Contaminado - Secretaria de Estado da Saúde, Centro de Vigilância Epidemiologica, São Paulo, 2010

BRAVO, A. D. La Responsabilidad Civil en el Derecho Ambiental Internacional y su Aseguramiento. Gerencia de riesgos, 1997.

CUNHA, R. C. A. Avaliação de Risco em Áreas Contaminadas por fontes Industriais Desativadas- Estudo de Caso. Tese de Doutorado. Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo, 1997.

GÜNTHER, W. M. R. São Paulo em Perspectiva, Áreas contaminadas no contexto da gestão urbana, v.20, n.2, p. 105-117, abr./jun. 2006.

L’APICCIRELLA, Emanuel S. P. Contaminação e Áreas de Restrição de Uso de Água Subterrânea no Entorno do Canal Jurubatuba em São Paulo – SP. 2009. Dissertação (Mestrado em Recursos Minerais e Hidrogeologia) – Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, 2009.

MARTINE, George (Org.). População Meio Ambiente e Desenvolvimento: Verdades e Contradições. Campinas, SP, Editora Unicamp, 1993.

MEADOWS, Donella H. Limites do Crescimento: A Atualização de 30 anos / Donella Meadows, Jorgen Rangers, Dennis Meadows. – Rio de Janeiro: Qualitymark, 2007.

RAMIRES, Jane Zilda; VITOR, Joana Darc dos Santos; MOTTA, Milton Tadeu. A atuação do município de São Paulo na identificação e controle do uso de áreas contaminadas. In: Áreas Contaminadas – Remediação e Revitalização: estudos de caso nacionais e internacionais. V.4. Instituto Ekos Brasil, São Paulo, 2007.

SANCHES, Luiz Enrique. Desengenharia: o passivo ambiental na desativação de empreendimentos industriais. Ed. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 2001.

Secretaria do Verde e do Meio Ambiente – SMVA. Planejamento Urbano Integrado e Participação Social na Recuperação e Reintegração de áreas degradadas: Lições aprendidas no Projeto Piloto INTEGRATION na região Mooca-Vila Carioca. 1ª ed. São Paulo, 2012.

Secretaria do Verde e do Meio Ambiente – SMVA. Manual: Promovendo a comunicação e a participação social e institucional no planejamento urbano. 1ª ed. São Paulo, 2012.

SEPE, Patricia Marra. Silva, Francisco Adrião Neves da. Revitalização de áreas contaminadas no município de São Paulo. Signus Editora e Instituto Ekos Brasil. São Paulo, 2004.

Downloads

Publicado

2015-08-31

Como Citar

Flores Salinas, V. C. (2015). CONTAMINAÇÃO DO SOLO EM SÃO PAULO: O CASO DA OPERAÇÃO URBANA BAIRROS DO TAMANDUATEÍ. Revista LABVERDE, 1(10), 84-102. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v1i10p84-102

Edição

Seção

Artigos