ANÁLISE DOS INDICADORES DO SELO LABVERDE APLICADOS A ÁREAS URBANAS CONSOLIDADAS – A TRILHA NORTE-SUL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v1i10p13-32

Palavras-chave:

certificação ambiental, indicadores de sustentabilidade, localização sustentável, Selo Labverde, avaliação de sustentabilidade

Resumo

“Já não é aceitável construir edificações de alto desempenho em uma área não urbanizada, em um contexto dependente de automóveis, e certificá-la como sustentável”. Douglas Farr (2013)

Atualmente vemos o movimento pela sustentabilidade ganhar força na mídia, em movimentos sociais e coletivos, nas agendas políticas e até em nosso dia-a-dia. Os limites da nossa modernidade, principalmente no que diz respeito às consequências do modelo de desenvolvimento em curso, estão cada vez mais explícitos. Mas apesar deste movimento ser uma forte tendência, o processo de transformação é complexo e permeado de dúvidas. Quais as implicações de ser sustentável? Como exercer a sustentabilidade? Como praticá-la de forma efetiva?

O presente artigo se propõe a refletir sobre os questionamentos a respeito da sustentabilidade em áreas urbanas consolidadas e para tal analisa um dos possíveis trajetos entre o Parque Estadual da Cantareira e o Parque do Ibirapuera, na cidade de São Paulo-SP, sob a ótica dos indicadores propostos pelo Selo Labverde, Selo este concebido pelo Laboratório Verde da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.
O Selo Labverde foi desenvolvido com o intuito de certificar as práticas sustentáveis adotadas por regiões e empreendimentos considerando diversas escalas, da local a regional, o que diferencia este processo de certificação dos demais sistemas atualmente existentes.

A abordagem proposta pelo Labverde permite uma análise mais aprofundada do empreendimento, uma vez que o próprio conceito de sustentabilidade, como entendido na atualidade, exige a consideração de uma perspectiva ampliada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Freitas, Prefeitura Municipal de Santos

Arquiteta e Urbanista formada pela EESC/USP em 2003

Especialista em arquitetura pela UEL - Universidade estadual de Londrina em 2006

Arquiteta e Urbanista de carreira da Prefeitura Municipal de Santos desde 2010.

Arquiteta e Urbanista da Secretaria de Desenvolvimento Urbano - PMS - desde 2013

Yashmin Mokarzél

Arquiteta e Urbanista graduada pela UNITAU em 2013

Arquiteta do escritório DV Arquitetura, São Paulo-SP desde 2014

Referências

BELKO, Juliana; BISMARCHI, Luis Felipe; PERISSINOTO, Ligia. Uma proposta de avaliação de sustentabilidade: O selo Lab-Verde aplicado à estância demétria. Revista LABVERDE, [S.l.], n. 3, p. 78-104, dez. 2011. ISSN 2179-2275. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/revistalabverde/article/view/61415>. Acesso em: 22 Abr. 2015. doi:http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i3p78-104.

COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO. Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental: Linha 6 Laranja. 2015. Disponível em: <http://www.metro.sp.gov.br/metro/licenciamento-ambiental/linha_6_laranja.aspx>. Acesso em: 17/05/2015.

FARR, Douglas. Urbanismo Sustentável: Desenho Urbano com a natureza. Porto Alegre: Bookman, 2013.

FRANCO, Fernando de Mello. A Construção do Caminho: A estruturação da metrópole pela conformação técnica das várzeas e planícies fluviais das Bacias de São Paulo. 2005. 289 f. Tese (Doutorado) – Curso de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: <http://www.metropolefluvial.fau.usp.br/downloads/projetos/GMF_pesquisa-dr_franco.pdf>. Acesso em: 24 maio 2015.

FRANCO, Maria Assunção Ribeiro. A visão ecossistêmica. In: FRANCO, Maria Assunção Ribeiro. Desenho Ambiental: Introdução à Arquitetura da Paisagem com o Paradigma Ecológico. São Paulo: Annablume, 1997. Cap. 4. p. 89 - 102.

KEELER, Marian; BURKER, Bill. As Conferências e os Tratados Internacionais Modernos. In: KEELER, Marian; BURKER, Bill. Fundamentos de Projeto para Edificações Sustentáveis. Porto Alegre: Bookman, 2010. Cap. 3, p. 40 - 48.

LOTUFO, José Otávio. Oikos: Reintegrando natureza e civilização. Revista LABVERDE, [S.l.], n. 2, p. 108-127, jun. 2011. ISSN 2179-2275. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/revistalabverde/article/view/61398>. Acesso em: 19 Abr. 2015. doi:http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i2p108-127.

SÃO PAULO. Prefeitura de São Paulo. Secretaria Municipal do Meio Ambiente. Atlas Ambiental do Município de São Paulo: Diagnósticos e Bases para a definição de políticas públicas para as áreas verdes do Município de São Paulo. São Paulo: Prefeitura Municipal de São Paulo, 2002. 1 v

SACHS, Ignacy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

SILVA, Sandra Regina Mota. Indicadores de sustentabilidade urbana: as perspectivas e as limitações da operacionalização de um referencial sustentável. 2000. 260 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Engenharia Urbana, Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2000.

SILVA, Geovany Jessé Alexandre da; ROMERO, Marta Adriana Bustos. O urbanismo sustentável no Brasil: A revisão de conceitos urbanos para o século XXI (parte 01). Arquitextos, São Paulo, ano 11, n. 128.03, Vitruvius, jan. 2011. Disponível em: <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/11.128/3724>. Acesso em 06 de maio de 2015.

SILVA, Geovany Jessé Alexandre da; ROMERO, Marta Adriana Bustos. O urbanismo sustentável no Brasil. A revisão de conceitos urbanos para o século XXI (Parte 02). Arquitextos, São Paulo, ano 11, n. 129.08, Vitruvius, fev. 2011. Disponível em: <http://vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/11.129/3499>. Acesso em 06 de maio de 2015.

Downloads

Publicado

2015-08-31

Como Citar

Freitas, J., & Mokarzél, Y. (2015). ANÁLISE DOS INDICADORES DO SELO LABVERDE APLICADOS A ÁREAS URBANAS CONSOLIDADAS – A TRILHA NORTE-SUL. Revista LABVERDE, 1(10), 13-32. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v1i10p13-32

Edição

Seção

Artigos