Traços da enunciação musical tensiva no Choros nº 6 de Villa-Lobos

Autores

  • Gustavo Cardoso Bonin Escola de Comunicações e Artes - USP

DOI:

https://doi.org/10.11606/rm.v19i2.163572

Palavras-chave:

Villa-Lobos, Choros nº 6, Enunciação Musical Tensiva, Abordagem Tensiva

Resumo

Villa-Lobos construiu um estilo característico que ganha cada vez mais extensão e densidade analítica, dentro e fora do país. A construção do estilo de um compositor depende da recorrência dos modos com que ele organiza diversos elementos musicais e sonoros a fim de construir um “modo de escuta” próprio. Com base na abordagem tensiva da semiótica francesa, desenvolvida por Claude Zilberberg, procuraremos apresentar como a tensão entre os aspectos sensíveis e inteligíveis da percepção musical caracterizam a presença enunciativa de Villa-Lobos na peça orquestral Choros nº 6. Essa abordagem nos ajuda a descrever como o autor organiza as sonoridades na percepção tanto da i) espacialidade como da ii) temporalidadeprojetada pela obra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Cardoso Bonin, Escola de Comunicações e Artes - USP

Professor Substituto de Percepção Musical na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestrado em Música na Escola de Comunicação e Artes (USP), formado em Licenciatura em Música na Faculdade de Artes do Paraná (UNESPR), na qual foi pesquisador bolsista do Programa de Iniciação Científica. A partir da abordagem tensiva da semiótica francesa, estuda e analisa a Música Cênica como uma prática artística híbrida na qual interagem presenças musicais e cênicas nas performances. Desenvolve trabalhos como compositor (música contemporânea e canção brasileira) e instrumentista (clarinete). Estudou no Curso de Composição na EMESP (Escola de Música do Estado de São Paulo). Integrante do Coletivo Capim Novo e Núcleo Enxertia, grupos de compositores, instrumentistas e artistas que desenvolvem pesquisa, criação e prática em Música e Arte Contemporânea.

Referências

DISCINI, Norma. Estilo nos Textos. São Paulo: Contexto, 2003
FERRAZ, Silvio. Estudo da gênese composicional de Rudepoema de H. Villa-Lobos. Anais do II Simpósio Villa-Lobos. São Paulo, 2012.
FIORIN, José Luiz. As astúcias da enunciação. São Paulo: Ática, 1999.
FONTANILLE, Jacques; ZILBERBERG, Claude. Tensão e significação. Tradução de Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit e Waldir Beividas. São Paulo: Discurso Editorial: Humanitas/ FFLCH/USP, 2001.
GOMES, Regina Souza. Um olhar semiótico sobre a atualidade: a aspectualização a partir de Greimas. Estudos Semióticos. volume 14, n. 1 (edição especial). Editores convidados: Waldir Beividas e Eliane Soares de Lima. São Paulo, março de 2018, p. 108-116.
MANCINI, Renata. A enunciação tensiva em diálogo. Estudos Semióticos. [on-line]. Disponível em: www.revistas.usp.br/esse. Ivã Carlos Lopes, José Américo Bezerra Saraiva e Eliane Soares de Lima (ed.), v. 15, Edição Especial, São Paulo, abril de 2019a, p. 64-87.
MANCINI, Renata. Os modos de engajamento do leitor: o Grande Sertão: Veredas em quadrinhos. Quadrinhos: fronteiras e interfaces - Todas as Letras: revista de língua e literatura, v. 1, n. 1, p. 100-113. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2019b.
OLIVEIRA, Willy Corrêa de. Com Villa-Lobos. São Paulo: EDUSP, 2009.
PIEDADE, Acácio. A teoria das tópicas e a musicalidade brasileira: reflexões sobre retoricidade na música. El Oído Pensante, v. 1, n. 1, 2013.
SALLES, Paulo de Tarso. Villa-Lobos: processos composicionais. Campinas: Editora Unicamp, 2009.
MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
TATIT, Luiz. Bases do pensamento tensivo. Estudos Semióticos. [on-line]. Disponível em: www.revistas.usp.br/esse. Ivã Carlos Lopes, José Américo Bezerra Saraiva e Eliane Soares de Lima (ed.), v. 15, Edição Especial, São Paulo, Abril de 2019, p. 11-26.
ZILBERBERG, Claude. Elementos de semiótica tensiva. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.

Downloads

Publicado

2019-12-19

Como Citar

Bonin, G. C. (2019). Traços da enunciação musical tensiva no Choros nº 6 de Villa-Lobos. Revista Música, 19(2), 210-230. https://doi.org/10.11606/rm.v19i2.163572