A Influência da música de Heitor Villa-Lobos no primeiro e terceiro movimentos da Primeira Sinfonia de Claudio Santoro.

Autores

  • Rafael Fajiolli Oliveira Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/rm.v19i2.163699

Palavras-chave:

Claudio Santoro, Heitor Villa-Lobos, Teoria e Análise, Composição, Intertextualidade

Resumo

A Primeira Sinfonia para duas orquestras de cordas, composta no ano de 1940, pode ser considerada uma das obras inaugurais da primeira fase (1939-1948) de Claudio Santoro, momento muito relevante, não apenas para o compositor em questão, mas também para compreender a história do movimento progressista musical denominado Música Viva, encabeçado por Claudio Santoro e Koellreutter, contato este que acabou gerando importantes consequências para a produção da música erudita no Brasil, neste sentido, a análise da Primeira Sinfonia de Santoro deve ser reveladora. O primeiro e terceiro movimentos apresentam abordagens composicionais que aproximam essa obra dos compositores da chamada “estética da sonoridade”. Dentre esses autores encontra-se Villa-Lobos, que já era a principal figura da música brasileira à época em que a Sinfonia de Santoro foi escrita. Este artigo pretende identificar alguns procedimentos harmônicos e melódicos tratados por Santoro no primeiro e terceiro movimentos de sua Sinfonia como também pretende-se apontar algumas possíveis influências advindas da obra de Heitor Villa-Lobos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Fajiolli Oliveira, Universidade de São Paulo

Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Composição Musical. Natural de São Vicente (SP), Rafael Fajiolli de Oliveira iniciou seus estudos musicais no conservatório municipal de Pirassununga Cassilda Becker, onde estudou violão erudito, harmonia tradicional, história da música, folclore brasileiro, piano complementar e percepção musical. É graduado no curso de música do departamento de música da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FFCLRP-USP), sendo integrante do Laboratório de Teoria e Análise Musical (LATEAM), onde é orientado pelo professor Dr. Rodolfo Coelho de Souza tanto na área acadêmica como composicional. Entre os seus interesses, destacam-se, o estudo analítico de obras representativas da música contemporânea brasileira (séculos XX e XXI), a prática composicional para instrumentos acústicos, música eletroacústica e algorítmica. É mestre em musicologia pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

Referências

ANDRADE, Mário de. Ensaio Sobre a Música Brasileira. 3. ed. São Paulo: Livraria Martins, 1972.

ANTUNES, Jorge. O ofício do compositor. In: TRAGTENBERG, Livio (org.). O Ofício do Compositor Hoje. São Paulo: Perspectiva, p. 103-139, 2012.

ALBUQUERQUE, Joel M. B. de. Simetria Intervalar e Rede de Coleções: Análise Estrutural dos Choros n° 4 e Choros n° 7 de Heitor Villa-Lobos. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2014.

BARROS, Frederico. César Guerra Peixe e Heitor Villa-Lobos: Vanguarda, Nacionalismo e Nacionalismo de Vanguarda. XIV Encontro regional da ANPUH-Rio, 2010.

BRITO, Teca de Alencar. Hans-Joachim Koellreutter: ideias de mundo, de música, de educação. São Paulo: EDUSP, 2015.

COELHO DE SOUZA, Rodolfo. A recepção das teorias do dodecafonismo nos últimos Quartetos de cordas de Claudio Santoro. Revista Brasileira de Música, v. 24, p. 329-350, 2012.

EGG, André. A Carta Aberta de Camargo Guarnieri. Revista Científica/FAP, Curitiba, v. 1, 2006.

EGG, André. O Grupo Música Viva e o Nacionalismo Musical. Escola de Música e Belas Artes do Paraná, III Fórum de Pesquisa Cientifica em Arte, 2005.

FORTE, Allen. The Structure of Atonal Music. New Haven and London: Yale University Press, 1973.

KOSTKA, Stefan. Materials and Techniques of Twentieth-Century Music. Englewwod Cliffs: Prentice Hall, 1990.

KATER, Carlos. Música Viva e H. J. Koellreutter: movimentos em direção à modernidade. São Paulo: Musa Editora, 2001.

LÍVERO DE SOUZA, Iracele Vera. Reflexões, experiências e opiniões do compositor Claudio Santoro. Opus, v. 11, p. 304-319, 2005.

MARIZ, Vasco. Claudio Santoro, vida e obra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

MARQUES DE OLIVEIRA, Reinaldo. Cláudio Santoro e o Dodecafonismo: um procedimento singular. Dissertação (Mestrado em Música). 157 p. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2005.

MENDES, Sérgio Nogueira. O Percurso Estilístico de Claudio Santoro: Roteiro Divergente e Conjunção Final. Tese de Doutorado em Música. Orientador: Silvio Ferraz de Mello Filho. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2009. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/284014, acesso em 20 dez. 2019.

MESSIAEN, Oliver. Technique de mon langage musical. Paris: Alphonse Leduc, 1966.

NEVES, José Maria. Música Contemporânea Brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria. 2008.

OLIVEIRA, Jamary. Black Key versus White Key: A Villa-Lobos Device. Latin American Music Review, v. 5, n. 1, p. 33-47, 1984.

PAZ, Juan Carlos. Introdução à música de nosso tempo. São Paulo: Livraria Duas Cidades. 1976.

ROIG-FRANCOLÍ, Miguel. Understanding Post-Tonal Music. New York: McGraw-Hill, 2008.

SALLES, Paulo de Tarso. Villa-Lobos: Processos Composicionais. Campinas: Unicamp, 2009.

SANTORO, Alessandro. Um Estudo Analítico da Sonata para flauta (1941) de Cláudio Santoro. Musica Theorica, v. 2, n. 2. 2017.

SOUZA, Leandro Candido de. H. J. Koellreutter e a Revista Música Viva: apontamentos sobre a modernidade musical brasileira. Faces da História. Assis-SP, v. 1, n. 2, p. 161-185, 2014.

STRAUS, Joseph N. Introdução à teoria pós-tonal. New Jersey: Prentice Hall. 1990.

TOURINHO, Irene. Encontros com Koellreutter: sobre suas histórias e seus mundos. Estudos Avançados, v. 13, n. 36, p. 209-223, 1999.

TYMOCZKO, Dmitri. A Geometry of Music: Harmony and Counterpoint in the Extended Common Practice. New York: Oxford University Press, 2011.

TYMOCZKO, Dmitri. Scale Networks and Debussy. Journal of Music Theory, v. 51, n. 2, p. 219-294, 2004.

Downloads

Publicado

2019-12-22

Como Citar

Oliveira, R. F. (2019). A Influência da música de Heitor Villa-Lobos no primeiro e terceiro movimentos da Primeira Sinfonia de Claudio Santoro. Revista Música, 19(2), 253-284. https://doi.org/10.11606/rm.v19i2.163699