Estudo de revisão da utilização das Escalas Nordoff Robbins: “Relação Criança-Terapeuta na Experiência Musical Coativa” e “Musicabilidade: Formas de Atividade, Estágios e Qualidades de Engajamento”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/rm.v21i1.173943

Palavras-chave:

Musicoterapia, Escalas Nordoff Robbins, Transtornos do Neurodesenvolvimento

Resumo

As Escalas Nordoff Robbins de “Relação Criança-Terapeuta na Experiência Musical Coativa” e de “Musicabilidade: Formas de Atividade, Estágios e Qualidades de Engajamento” são utilizadas como avaliação musicoterapêutica desde a década de 1960 nos EUA. No Brasil, pesquisas estão sendo realizadas para tradução, verificação da validade e utilização destas escalas. Neste estudo de revisão integrativa, verificou-se a utilização das mesmas através de revisão em bases de dados do Portal Periódicos da Capes, Google Acadêmico, Lilacs, Nordoff Robbins, ProQuest, Medline e Cochrane. Encontramos 22 estudos relacionados com a “Escala de Relação Criança-Terapeuta na Experiência Musical Coativa” e 10 estudos relacionados com a “Escala de Musicabilidade: Formas de Atividade, Estágios e Qualidades de Engajamento”. Observou-se que o número de publicação com as mesmas aumentou no decorrer dos anos, inclusive no contexto brasileiro e a utilização mais frequente compreendeu a avaliação de pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) e Transtornos do Neurodesenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Moreira Brandão André, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda em Música na Universidade Federal de Minas Gerais, tem mestrado em Música (2017) e bacharelado em Música - Musicoterapia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2014). Participou de pesquisas nos seguintes temas: protocolo de atendimento, transtorno do espectro do autismo, patologias neurológicas, musicoterapia improvisacional, musicoterapia neurológica e Escalas Nordoff Robbins.

Cristiano Mauro Assis Gomes, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Educação - UFMG, Pós-Doutor em Psicologia Educacional, Universidade do Minho, Portugal. É Professor do Departamento de Psicologia da UFMG, Professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (UFMG e do Programa de Pós-Graduação em Neurociências (UFMG). Coordenador do Laboratório de Investigação da Arquitetura Cognitiva (LAICO). Bolsista de Produtividade nível 2, CNPq.

Cybelle Maria Veiga Loureiro, Universidade Federal de Minas Gerais

Bacharela em Música; Graduação em Musicoterapia – Iowa University-EUA; Mestra em Música –EM-UFMG; Doutora em Medicina – FM-UFMG. É professora associada e Coordenadora da Habilitação-Musicoterapia ESMU-UFMG, Professora da Pós-graduação em Música da ESMU-UFMG e Neurociências – ICB-UFMG

Referências

AIGEN, K. Music-Centered Dimensions of Nordoff-Robbins Music Therapy. Music Therapy Perspectives, v. 32, n. 1, p. 18–29, 2014.

ANDRE, A. M. et al. Análise psicométrica das Escalas Nordoff Robbins como instrumento de avaliação no tratamento musicoterapêutico de crianças autistas em acompanhamento no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (HC-UFMG). Revista Per Musi, v. 2018, n. 2018, p. 1–12, 2018.

ANDRÉ, A. M. B. Tradução e validação da Escala Nordoff Robbins de Comunicabilidade Musical. Universidade Federal de Minas Gerais, 2017.

ANDRÉ, A. M. B.; GOMES, C. M. A.; LOUREIRO, C. M. V. Tradução e Validação das Escalas Nordoff Robbins: “Relação Criança Terapeuta na Experiência Musical Coativa” e “Musicabilidade, Formas de Atividade, Estágios e Qualidades de Engajamento”. SIMCAM14. Anais...Campo Grande: 2019

ANDRÉ, A. M. B.; LOUREIRO, C. M. V. Modos da Escuta de Pierre Schaeffer e Escalas Nordoff Robbins: um estudo de caso. XXIX Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música. Anais...Pelotas: ANPPOM, 2019a

ANDRÉ, A. M. B.; LOUREIRO, C. M. V. Musicoterapia, autismo e Escala de Comunicabilidade Musical: um estudo de caso. Revista Brasileira de Musicoterapia, v. XIX, n. 23, p. 32–44, 2019b.

ANDRÉ, A. M.; GOMES, C. M. A.; LOUREIRO, C. M. V. Escalas Nordoff Robbins: uma revisão bibliográfica. Percepta- revista de Cognição Musical, v. 3, n. 2, p. 117–131, 2016.

ANDRÉ, A. M.; GOMES, C. M. A.; LOUREIRO, C. M. V. Equivalência de itens, semântica e operacional da versão brasileira da Escala Nordoff Robbins de Comunicabilidade Musical. OPUS, v. 23, n. 2, p. 153, 2017.

ANDRÉ, A. M.; GOMES, C. M. A.; LOUREIRO, C. M. V. Reliability Inter-Examiners Of The Nordoff Robbins Musical Communicativeness Scale Brazilian Version. 11th International Conference of Students of Systematic Musicology. Anais...Belo Horizonte: 2018

BARCELLOS, L. R. M. Musicoterapia: transferência, contratransferência e resistência. Rio de Janeiro: Enelivros, 1999.

BIRNBAUM, J. C. Intersubjectivity and Nordoff-Robbins Music Therapy. Music Therapy Perspectives, p. 4, 2014.

CARPENTE, J. A.; AIGEN, K. A Music-Centered Perspective on Music Therapy Assessment. In: The Oxford Handbook of Philosophical and Qualitative Assessment in Music Education. New York: Oxford University Press, 2019. p. 243.

CRIPPS, C.; TSIRIS, G.; SPIRO, N. Outcome Measures in Music Therapy: A Free Online Resource by the Nordoff Robbins Research Team. 2016a.

CRIPPS, C.; TSIRIS, G.; SPIRO, N. Outcome measures in music therapy: A resource developed by the Nordoff Robbins research team. 1. ed. London: Nordoff Robbins, 2016b.

FREIRE, M. H. Efeitos da Musicoterapia Improvisacional no tratamento de crianças com Transtorno do Espectro do Autismo. Universidade Federal de Minas Gerais, 2014.

GUERRERO, M. C. N. Music Therapy/Upper Limb Therapy-Integrated (MULT-I) Stroke Rehabilitation: Exploring Interprofessional Collaborative Treatment. New York University, 2018.

HERDMAN, M.; FOX-RUSHBY, J.; BADIA, X. A model of equivalence in the cultural adaptation of HRQoL instruments: the universalist approach. Quality of life Research, v. 7, n. 4, p. 323–335, 1998.

KNAPIK-SZWEDA, S. The effectiveness and influence of Vocal and Instrumental Improvisation in Music Therapy on children diagnosed with au-tism. Pilot Study. The Journal of Education, Culture, and Society, v. 1, n. 2015, p. 153–166, 2015.

MACLEAN, E.; TILLOTSON, C. How Do Music Therapists Share? Exploring Collaborative Approaches in Educational Settings for Children with Autistic Spectrum Conditions. philadelphia: Jessica Kingsley Publishers, 2019.

MAHONEY, J. F. Interrater agreement on the nordoff-robbins evaluation scale i: client-therapist relationship in musical activity. Music and Medicine, v. 2, n. 1, p. 23–28, 2010.

MALCHIODI, C. A.; CRENSHAW, D. A. Creative arts and play therapy for attachment problems. 1. ed. New York: Guilford Publications, 2015.

NORDOFF, P.; ROBBINS, C.; MARCUS, D. Creative Music Therapy:Guide to Fostering Clinical Musicianship. 2. ed. New Hampshire: Barcelona Publishers, 2007.

RUUD, E. Música e saúde. São Paulo: Grupo Editorial Summus, 1991.

SAMPAIO, R. Novas Perspectivas de Comunicação em Musicoterapia. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2002.

SAMPAIO, R. T. Avaliação da Sincronia Rítmica em Crianças com Transtorno do Espectro do Autismo em Atendimento Musicoterapêutico. Universidade Federal de Minas Gerais, 2015.

SILVA, A. M. DA. Reprodutibilidade e validade discriminante dos domínios social e de comunicação expressiva da escala Individualized Music Therapy Assessment Profile (IMTAP) aplicada a crianças e adolescentes com transtornos do espectro do autismo e com desenvolvimento tí. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2017.

SOUZA, M. T. DE; SILVA, M. D. DA; CARVALHO, R. DE. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), v. 8, n. 1, p. 102–106, 2010.

SPIRO, N.; TSIRIS, G.; CRIPPS, C. A Systematic Review of Outcome Measures in Music Therapy. Music Therapy Perspectives, v. 36, n. 1, p. 67–78, 2017.

THAUT, M. H. Rhythm, music, and the brain: Scientific foundations and clinical applications. New York: Routledge, 2005. v. 7

WALDON, E. G.; GATTINO, G. Assessment in Music Therapy. In: Music Therapy Assessment: Theory, Research, and Application. philadelphia: Jessica Kingsley Publishers, 2018. p. 432.

ZMITROWICZAB, J.; MOURA, R. Instrumento de avaliação em Musicoterapia: uma revisão. Revista Brasileira de Musicoterapia, v. XX, n. 24, p. 114–135, 2018.

Downloads

Publicado

2021-07-27

Como Citar

André, A. M. B., Gomes, C. M. A., & Loureiro, C. M. V. (2021). Estudo de revisão da utilização das Escalas Nordoff Robbins: “Relação Criança-Terapeuta na Experiência Musical Coativa” e “Musicabilidade: Formas de Atividade, Estágios e Qualidades de Engajamento”. Revista Música, 21(1), 443-466. https://doi.org/10.11606/rm.v21i1.173943