Tradição e inovação: uma análise musical da obra Mutationen VI de Claudio Santoro

Autores

  • Ana Leticia Crozetta Zomer Universidade de São Paulo
  • Adriana Lopes Moreira Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes,.Departamento de Música

DOI:

https://doi.org/10.11606/rm.v21i1.188826

Palavras-chave:

Análise musical, Notação musical, Indeterminação, Música eletrônica mista, Claudio Santoro

Resumo

Relacionada contextualmente com o percurso da música brasileira do século XX, a obra Mutationen VI, para violino e fita magnética, composta por Claudio Santoro em 1972, caracteriza-se pelo uso do que o próprio compositor chama de “aleatório controlado”. A análise da obra relaciona os aspectos pertinentes à notação musical não-tradicional – através dos trabalhos de Gould (2011), Strange e Strange (2001), Dourado (1998) e Stone (1980) – às “estratégias de invariância” (Costa, 2009; 2018). A articulação de processos aparentemente díspares, como o dodecafonismo, técnicas tradicionais e estendidas ao instrumento e a gravação da parte eletroacústica pelo próprio intérprete são exploradas e expostas neste trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Leticia Crozetta Zomer, Universidade de São Paulo

Ana Leticia Crozetta Zomer é violinista, doutoranda em Teoria e Análise Musical (2018) pela Universidade de São Paulo (USP), sob orientação da Profa. Dra. Adriana Lopes da Cunha Moreira; Mestre em Musicologia e Etnomusicologia (2017) pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), sob orientação do Prof. Dr. Guilherme Antonio Sauerbronn de Barros; e Graduada em Música (2013), pela mesma instituição. Sua pesquisa tem por finalidade discutir o emprego de operações de acaso e indeterminação na música de compositores brasileiros, mais especificamente, em obras do repertório violinístico a partir de 1950.

Adriana Lopes Moreira, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes,.Departamento de Música

Adriana Lopes da Cunha Moreira é pianista, professora livre-docente no Departamento de Música (CMU) da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP, 2004-) e professora efetiva no Programa de Pós-Graduação em Música da ECA-USP (2010-). É coordenadora da Graduação do CMU (2017-21), coordenadora do Grupo de Pesquisa TRAMA: Teoria e Análise Musical, voltado à aplicação de conceitos teóricos emergentes para a prática analítica de obras musicais (ECA e CNPq, 2015-), e co-coordenadora dos Encontros Internacionais de Teoria e Analise Musical, EITAM (2009, 2011, 2013, 2017, 2019). Anteriormente, foi editora-chefe de publicações da ANPPOM (2011-15), que englobam a Revista OPUS (Qualis-CAPES A1), série Pesquisa em Música no Brasil e coordenação científica dos congressos anuais.

Referências

ALMEIDA, Alexandre Zamith. Forma lírica e campos temporais: fundamentos das multiplicidades de performance em Klavierstück XI de Karlheinz Stockhausen. p. 164. Prof. Dr. Mauricy Matos Martin. Tese (Doutorado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

ANTOKOLETZ, Elliot. The Musical Language of the Twentieth Century: the discovery of a missing link. Frankfurt: Peter Lang, 2012.

ANTOKOLETZ, Elliot. Twentieth-Century Music. New Jersey: Prentice Hall, 1992.

BOTSTEIN, Leon. Modernism. Oxford Music Online, [s.l.], [s.n], p. 1-15, jan. 2001. Disponível em: https://doi.org/10.1093/gmo/9781561592630.article.40625. Acesso em: 18 maio 2020.

CAGE, John. Silence. Middletown: Wesleyan University Press, 2011.

CATÁLOGO DE OBRAS DE CLAUDIO SANTORO. Índice alfabético das obras. Disponível em: http://www.claudiosantoro.art.br/Santoro/alfabetico.html. Acesso em: 28 maio 2021.

COELHO de SOUZA, Rodolfo. A recepção das teorias do dodecafonismo nos últimos Quartetos de cordas de Cláudio Santoro. Revista Brasileira de Música, Rio de Janeiro, v. 24, n. 2, p. 329-350, jul./dez. 2011.

COSTA, Valério Fiel da. Comentários sobre a possibilidade de autopoiese da obra musical e sobre o performer como seu componente sistêmico. Debates, Rio de Janeiro, v. 1, n. 21, p. 155-178, nov. 2018.

COSTA, Valério Fiel da. Da indeterminação à invariância: considerações sobre a morfologia musical a partir de peças de caráter aberto. p. 197. Profa. Dra. Denise Hortência Lopes Garcia. Tese (Doutorado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

DELGADO DE SOUZA, Carla. Entre práticas e discursos: Gilberto Mendes, Willy Corrêa de Oliveira e o campo da música erudita brasileira pós 1980. Ciências Sociais Unisinos, Londrina, v. 53, n. 3, p. 467-477, set./dez. 2017.

DOURADO, Henrique Autran. O arco dos instrumentos de cordas. São Paulo: Edicon, 1998.

EGG, André. O grupo Música Viva e o nacionalismo musical. In: FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE, 3., 2005, Curitiba. Anais... Curitiba: EMBAP, 2005. p. 60-70.

ENCICLOPÉDIA ITAÚ CULTURAL. Hans Joachim Koellreutter. Disponível em: https://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa12924/hans-joachim-koellreutter. Acesso em: 28 maio 2021.

ECO, Umberto. Obra aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. São Paulo: Perspectiva, 2003.

FUNDAÇÃO KOELLREUTTER. Universidade Federal de São João del-Rei. Disponível em: http://koellreutter.ufsj.edu.br. Acesso em: 28 maio 2021.

GOULD, Elaine. Behind Bars: the definitive guide to music notation. London: Faber Music, 2011.

GRIFFITHS, Paul. A música moderna: uma história concisa e ilustrada de Debussy a Boulez. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.

GUERRA, Anselmo. Mutationen III de Claudio Santoro: uma releitura eletroacústica. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL E PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA, 19., 2009, Curitiba. Anais... Goiânia: ANPPOM, 2009. p. 521-525.

IEA-USP, Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo. Hans-Joachim Koellreutter. Disponível em: http://www.iea.usp.br/pesquisa/professores-visitantes/ex-professores-visitantes-internacionais/hans-joachim-koellreutter. Acesso em: 28 maio 2021.

KATER, Carlos. Música Viva. Revista textos do Brasil, v. 12 intitulado “Música erudita brasileira”, Itamaraty Cultural, Ministério das Relações Exteriores, Brasília, p. 88-95, 2006.

KATER, Carlos. Música Viva e H. J Koellreutter: movimentos em direção à modernidade. São Paulo: Musa Editora: Atravez, 2001.

LÍVERO de SOUZA, Iracele A. Vera. Santoro: uma história em miniaturas. v. 2. Prof. Dr. Mauricy Matos Martin e Profa. Dra. Maria Lúcia Senna Machado Pascoal. Dissertação (Mestrado em Artes) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

MARIZ, Vasco. História da música no Brasil. 8. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

MENDES, Gilberto. Uma odisseia musical: dos mares do sul à elegância pop/art déco. São Paulo: Giordano: Edusp, 1994.

MENDES, Sérgio Nogueira. O percurso estilístico de Cláudio Santoro: roteiros divergentes e conjunção final. p. 289. Prof. Dr. Silvio Ferraz Mello Filho. Tese (Doutorado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

MORGAN, Robert P. Twentieth-Century Music: A History of Musical Style in Modern Europe and America. New York: W. W. Norton, 1991.

NEVES, José Maria. Música contemporânea brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: Contracapa, 2008.

PRITCHETT, James. The music of John Cage. New York: Cambridge University Press, 1993.

RAMOS, Ricely de Araujo. Música Viva e a nova fase da modernidade musical brasileira. 194p. Profa. Dra. Marcia Ermelindo Taborda. Dissertação (Mestrado em História) – Departamento de Ciências Sociais, Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei, 2011.

RAMOS, Ricely de Araujo. “Música Viva”: atividades, engajamentos e rompimentos. In: CONGRESSO NACINAL DE HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, 1., 2008, Jataí. Anais de Uma corte europeia nos trópicos. Goiânia: FUNAPE, 2008. p. 1-14.

SALLES, Paulo de Tarso. Aberturas e impasses: o pós-modernismo na música e seus reflexos no Brasil, 1970-1980. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

SANTORO, Claudio. Mutationen VI. Brasília: Ed. Savart, 1973. 1 partitura.

SIMMS, Bryan R. Music of the Twentieth Century: Style and Structure. NY: Schirmer, 1996.

STONE, Kurt. Music Notation in the 20th Century: A Practical Guidebook. New York: W.W. Norton, 1980.

STRANGE, Patricia; STRANGE, Allen. The Contemporary Violin: Extended Performance Techniques. Los Angeles: University of California Press, 2001.

TARUSKIN, Richard. Nationalism. Oxford Music Online, [s.l.], [s.n], p. 1-38, jan. 2001. Disponível em: https://doi.org/10.1093/gmo/9781561592630.article.50846. Acesso em: 18 maio 2020.

TERRA, Vera. Acaso e aleatório: um estudo da indeterminação nas poéticas de Cage e Boulez. São Paulo: EDUC: FAPESP, 2000.

VENTURA, Fábio. Mutationen III de Cláudio Santoro: o pianista como co-autor. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL E PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA, 17., 2007, São Paulo. Anais... Goiânia: ANPPOM, 2007. p. 1-6.

ZOMER, Ana Letícia; MOREIRA, Adriana Lopes. Análise musical de Mutationen VI para violino e fita magnética de Claudio Santoro. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE TEORIA E ANÁLISE MUSICAL, 5., 2019, Campinas. Anais... Campinas, Universidade Estadual de Campinas, 2019. p. 375-392. Disponível em: https://eitam5.nics.unicamp.br/wp-content/uploads/2020/12/EITAM5-paper_27_ZomerA_MoreiraA-pp_375-392.pdf. Acesso em: 18 maio 2020.

ZERON, Carlos Alberto de Moura Ribeiro. Fundamentos histórico-políticos da música nova e da música engajada no Brasil a partir de 1962: o salto do tigre de papel. 2v. Prof. Dr. Arnaldo Daraya Contier. Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo: 1991.

ZONTA, Sandro Lucio. Manhãs, poentes, zênites e noites: aspectos da representação de luz e sombra na música de Harry Crowl. 126p. Prof. Dr. Acácio Tadeu de Camargo Piedade. Dissertação (Mestrado em Música) – Centro de Artes. Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis: 2013.

Downloads

Publicado

2021-07-27

Como Citar

Zomer, A. L. C., & Moreira, A. L. (2021). Tradição e inovação: uma análise musical da obra Mutationen VI de Claudio Santoro. Revista Música, 21(1), 99-130. https://doi.org/10.11606/rm.v21i1.188826