A Associação de Canto Coral e as políticas culturais do Estado Novo (1941-1946)

Autores

  • Rafael Pires Quaresma Caldas Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

DOI:

https://doi.org/10.11606/rm.v23i1.212237

Palavras-chave:

Associação de Canto Coral, Estado Novo, Políticas Culturais, Cleofe Person de Mattos, Música e Imprensa

Resumo

Este estudo aborda o surgimento da Associação de Canto Coral durante o Estado Novo, utilizando a abordagem micro-histórica para analisar as conjunturas da época. É sustentado que a Associação recebeu amplo apoio da intelectualidade acadêmica ligada à imprensa. A pesquisa baseia-se nos conceitos de Anderson Benedict e Walter Benjamin ao explorar a documentação relacionada à imprensa. Destaca-se a importância de Cleofe Person de Mattos no cenário artístico coral e na comunidade intelectual, por meio de seus estudos musicológicos ligados ao Pe. José Maurício Nunes Garcia, sendo um exemplo de emancipação feminina no cenário musical brasileiro. Além disso, o estudo demonstra que, a partir do Estado Novo, as políticas governamentais passaram a dar mais atenção à cultura por meio de incentivos ao patrimônio histórico. Percebe-se que o ideal modernista continua presente na abordagem do repertório da Associação de Canto Coral, influenciada pelas práticas do canto orfeônico e pelas abordagens nacionalistas características do movimento modernista. O estudo também destaca as dificuldades de conexão entre as abordagens de tradição sinfônica e o mercado consumidor, a partir do histórico da Associação de Canto Coral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ANDRADE, Cibele. A história Microscópica de Gilberto Freyre e a Micro História. In: Anais do II colóquio do Lahes: Micro História e os Caminhos da História Social, Juiz de Fora, 2008.

ANDRADE, Mário. Música, Doce Música. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013 ebook.

ANDRADE, Mário. Ensaios sobre a música brasileira. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1972.

ARAÚJO, Samuel. A prática sinfônica e o mundo ao redor. Estudos Avançados, São Paulo, 2016. nº 30.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. Porto Alegre: Editora Zouk, 2012.

BETHENCOURT, Francisco; CURTO, Diogo Ramada. Nota de Apresentação. In: GINZBURG, Carlo. A Micro-História e Outros Ensaios. Tradução de António Narino. Lisboa: DIFEL, 1989

CALABRE, Lia. Intelectuais e política cultural: o Conselho Federal de Cultura. Atas do colóquio intelectuais, cultura e política no mundo ibero-americano. Rio de Janeiro, 2006.

CALABRE, Lia. Políticas culturais no Brasil: dos anos 1930 ao século XXI. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

CALDAS, Rafael; TORRES, Miguel. Associação de Canto Coral - Uma Micro-História da Produção Cultural. Monografia (Pós Graduação Lato Sensu em Produção Cultural e Gestão Cultural), Programa de Estudos Culturais e Sociais da Universidade Candido Mendes, Universidade Candido Mendes, Rio de Janeiro, 2019.

CALDAS, Rafael. O Coro Feminino Pró-música e a Associação De Canto Coral – Produção Musical (1941-1950). Dissertação (Mestrado em Música) - Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO, Rio de Janeiro, 2015.

FARIA, Adriana. Pelo mundo da Música Viva: 1939 a 1951. Opus - Revista eletrônica da ANPPOM, Rio de Janeiro, 1998.

FIGUEIREDO, Carlos Alberto. O Catálogo Temático das obras de José Maurício Nunes Garcia: da necessidade de sua revisão e atualização. Per Musi, Rio de Janeiro, 21 Jun 2019. nº 39.

IGAYARA-SOUZA, Susana. “O Orfeão na Escola Nova”: a sala de aula e o livro didático, pelo depoimento de uma ex-aluna de Villa-Lobos. Anais do III Simpósio Villa-Lobos ECA-USP, São Paulo, 2017.

LOPES, Sonia. Formação de Professores no Rio de Janeiro Durante O Estado Novo. Cadernos de Pesquisa, v. 39, p. 597-619, mai/ago, 2009.

MATTOS, Cleofe Person. José Maurício Nunes Garcia: Biografia. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, Dep. Nacional do Livro. 1996.

MOURIM, Roberta. Redes e música: o estudo de redes de sociabilidade como ferramenta para pesquisas no campo da História da Educação Musical. Simpom - UNIRIO, Rio de Janeiro, 2020.

OLIVEIRA, Lúcia Lippi. Cultura e identidade nacional. Rio de Janeiro: Top-books, 1991.

OLIVIERI, Cristiane; NATALE, Edson. Guia Brasileiro de Produção Cultural 2010-2011. São Paulo: Edições Sesc SP, 2010.

PORTELA, Marcelo. Karl Richter e os ciclos Bach do Rio de Janeiro. 2016 (Mestrado em Música). Programa de Pós- Graduação em Música da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

TRAVASSOS, Elizabeth. Modernismo e música brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1999.

TRAVASSOS, Elizabeth. Resenhando as fronteiras do gosto: estudantes de música e diversidade musical. Horizontes Antropológicos: Porto Alegre, ano 5, n. 11 p. 119-144, 1999.

TRAVASSOS, Elizabeth. Os mandarins milagrosos – arte e etnografia em Mário de Andrade e Béla Bartók. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

WISNICK, José Miguel. Getúlio da Paixão Cearense. In: SQUEF et WISNICK. O nacional e o popular na cultura brasileira. São Paulo: Editora Brasiliense, 1982.

Downloads

Publicado

2023-09-01

Como Citar

Caldas, R. P. Q. (2023). A Associação de Canto Coral e as políticas culturais do Estado Novo (1941-1946). Revista Música, 23(1), 289-307. https://doi.org/10.11606/rm.v23i1.212237

Edição

Seção

Dossiê Temático: Música e relações étnico-raciais