História indígena e arqueologia: Uma reflexão a partir dos estudos sobre os Jê Meridionais

Autores

  • Fabíola Andrea Silva Museu de Arqueologia e Etnologia
  • Francisco Silva Noelli Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2016.137271

Palavras-chave:

Jê Meridionais, Arqueologia, Antropologia, Interdisciplinaridade, História da Ciência.

Resumo

Este artigo trata da história recente da pesquisa arqueológica, no campo interdisciplinar de pesquisas sobre os povos Jê Meridionais. Trata-se também de uma reflexão sobre o impacto da teoria do degeneracionismo nos fundamentos da arqueologia praticada na região sul do Brasil e sobre as possibilidades de novos temas de investigação sobre os povos Jê Meridionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Silva Noelli, Universidade Estadual de Maringá

Professor aposentado

Referências

Araújo, A.M. 2001. Teoria e método em Arqueologia Regional: um estudo de caso no Alto Paranapanema, Estado de São Paulo. Doutorado em Arqueologia, Universidade de São Paulo.
Araújo, A.M. et al. 2016. A Tradição Itararé-Taquara na região centrado do Estado de São Paulo: O sítio Benedito Machado, Botucatu (SP) e suas possíveis relações com o Brasil Central. Cadernos do LEPAARQ, 13(25): 7-23.
Barreto, C.B. 1999-2000. A construção de um passado pré-colonial: uma breve História da Arqueologia Brasileira. Revista USP, 44 (1): 32-51.
Becker, I. 1976. O Índio Kaingang do Rio Grande do Sul. Instituto Anchietano de Pesquisas/ Unisinos: São Leopoldo.
Brochado, J.J.J.P. 1984. An ecological model of the spread of pottery and agriculture into Eastern South America. PhD Thesis. University of Illinois at Urbana-Champaign, Urbana, EEUU.
Colwell-Chanthaphon, C. & Ferguson, T.J. (Eds.) 2008. Collaboration in Archaeological Practice. Engaging descendent communities. Altamira Press: Lanham.
Copé, S.M. 2006. Les grands constructeurs précoloniaux du plateau du sud du Brésil: étude de paysages archéologiques à Bom Jesus, Rio Grande do Sul, Brésil. Tese de doutorado. Université de Paris I – Pantheon – Sorbonne, Paris.
Corteletti, R. 2013. Projeto Arqueológico Alto Canoas - PARACA: um estudo da presença Jê no planalto catarinense. Tese de doutorado. Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.
D´Angelis, W.R. 2007-2008. Pensar o Proto-Jê Meridional e revisitar o Proto-Jê, numa abordagem pragueana. Relatório de Pós-Doutorado. LALI/UnB, Brasília.
De Masi, M.A.N. 2009. Centros cerimoniais do planalto meridional: uma análise intrasítio. Revista de Arqueologia, 22: 99-113.
Dias, A.S. 1995. Um projeto para a arqueologia brasileira: breve histórico da implementação do Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas (PRONAPA). Revista do CEPA, 19 (22): 25-39.
Eremites de Oliveira, J. 1996. Guató – Argonautas do Pantanal. Edipucrs, Porto Alegre.
Eremites de Oliveira, J. 2002. Da Pré-História à História Indígena: (Re)pensando a Arqueologia e os Povos Canoeiros do Pantanal. Tese de doutorado. Pontifícia Universidade Católica, Porto Alegre.
Ferguson, T.J. & Colwell-Chanthaphon, C. 2006. History is in the land. Multivocal tribal traditions in Arizona’s San Pedro Valley. The University of Arizona Press, Tucson.
Fernandes, T. 2007. Vamos criar um sentimento? Um olhar sobre a arqueologia pública no Brasil. Dissertação de mestrado. Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.
Ferreira, L.M. 2010. Território Primitivo: a institucionalização da arqueologia no Brasil (1870- 1917). Porto Alegre: EDIPUCRS. Flexner, J.L. 2014. Historical archaeology, contact and colonialism in Oceania. Journal of Archaeological Research, 22 (1): 43-87.
Funari, p.P.; Hall, M. & Jones, S. (Eds) 1999. Historical Archaeology: back from the edge. Routledge: London.
Heckenberger, M. 1996. War and Peace in the Shadow of Empire: Sociopolitical Change in the Upper Xingu of Southeastern Amazonia, A. D. 1400-2000. PhD Thesis. University of Pittsburgh, Ann Arbor.
Hensel, R. [1867] 1928. Os Coroados da Província Brasileira do Rio Grande do Sul. Revista do Museu e Archivo Público do Rio Grande do Sul, 20: 65-79.
Hörmeyer, J. [1854] 1986. O Rio Grande do Sul de 1850. EDUNISUL: Porto Alegre.
Iriarte, J.; Copé, S.M.; Fradley, M.; Lockhart, J.J.; Gillam, J.C. 2013. Sacred landscapes of the southern Brazilian highlands: Understanding southern proto-Jê mound and enclosure complexes. Journal of Anthropological Archaeology, 32 (1): 74-96.
Iriarte, J.; De Blasis, P.; Mayle, F.; Corteletti, R.; Fradley, M.; Cardenas, M.; Souza, J.G. 2014. Paisagens Jê Meridionais: Ecologia, História e Poder numa Paisagem Transicional durante o Holoceno Tardio. Cadernos do LEPAARQ (UFPEL), 22: 239-253.
Iriarte, J.; Gillam, J.C. & Marozzi, O. 2008. Monumental burials and memorial feasting: an example from the southern Brazilian highlands. Antiquity, 82: 947-961.
Jolkeski, M.P. 2010. Reconstrução fonológica e lexical do Proto-Jê meridional. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
Kunert, A. 1890. Rio grandenser Alterthümer. Verhandlungen der Berliner Gesellschaft für Anthropologie, Ethnologie und Urgeschichte, publicado como encarte na Zeitschrift für Ethnologie, 22: 31-37.
Kunert, A. 1892. Südbrasilianische Höhlen und Rükstande der früheren Bewohner. Zeitschrift für Ethnologie, 24: 502-504.
Lightfoot, K. 1995. Culture contact studies: Redefining the relationship between prehistoric and historical archaeology. American Antiquity, 60 (2): 199-217.
Mabilde, P.B. 1983. Apontamentos sobre os indígenas selvagens da Nação dos Coroados dos Matos do Rio Grande do Sul. IBRASA: São Paulo.
Machado, J.S. 2013. História(s) indígena(s) e a prática arqueológica colaborativa. Revista de Arqueologia, 26: 72-85.
Meggers, B.J. 1955. The coming of age of American Archaeology. In. Newman, M.T. (Ed.). New Interpretations of aboriginal American Culture History. Washington, 75th Anniversary of the Anthropological Society of Washington. p. 116-129.
Menghin, O. 1956-1957. El poblamiento prehistorico de Misiones. Anales de Arqueología y Etnología, 12: 19-40. Miller, T. 1978. Tecnologia cerâmica dos Kaingang Paulistas. Arquivos do Museu Paranaense, Nova Série, 2. pp.1-51.
Mota, L.T.; Noelli, F.S. & Tommasino, K. 2000. Uri e Wãxi. Estudos interdisciplinares dos Kaingang. Londrina: EDUEL.
Neves, E.G. 1998. Paths in the dark waters: archaeology as indigenous history in the Upper Rio Negro Basin, northwest Amazon. PhD Thesis. Indiana University, Bloomington. Noelli, F.S. 1993.
Sem Tekohá não há Tekó (em busca de um modelo etnoarqueológico da subsistência e da aldeia Guarani aplicado a uma área de domínio no delta do Jacuí-RS). Dissertação de mestrado. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.
Noelli, F.S. 1996. Os Jê do Brasil meridional e a antiguidade da agricultura: elementos da linguística, arqueologia e etnografia. Estudos Ibero-Americanos, 22(1): 13-26.
Noelli, F.S. 1999. Repensando os rótulos e a história dos Jê no sul do Brasil a partir de uma interpretação interdisciplinar. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, 3: 285- 302.
Noelli, F.S. 1999-2000. A ocupação humana na região sul do Brasil: arqueologia, debates e perspectivas, 1872-2000. Revista USP, 44 (2): 218-269.
Noelli, F.S. 2000. Documentação histórica do limite meridional da Araucaria angustifolia e do início do processo de desmatamento no Rio Grande do Sul, Brasil. Napaea, 12: 69-74.
Noelli, F.S. 2004. O mapa arqueológico dos povos Jê no sul do Brasil. In: Tommasino, K.; Mota, L.T. & Noelli, F.S. (Orgs.) Novas contribuições aos estudos interdisciplinares dos Kaingang. Londrina: EDUEL, pp. 17-55.
Noelli, F.S. 2005. Rethinking stereotypes and the History of research on Jê Populations in South Brazil: An interdisciplinary point of view. In: Funari, P.P.; Zarankin, A. e Stovel, E. (Eds.) Global Archaeological Theory: contextual voices and contemporary thoughts. 167-190.
Noelli, F.S. & Ferreira, L. 2007. A persistência da teoria da degeneração indígena e do colonialismo nos fundamentos da arqueologia brasileira. História, Ciência, Saúde – Manguinhos, 14 (4): 1239-1264.
Noelli, F.S. Silva, F.A.; Veiga, J.; Tommasino, K.; Mota, L.T. e D’Angelis, W.R. 1998 Bibliografia Kaingang: referências sobre um povo Jê do sul do Brasil. Londrina: Editora da Universidade Estadual de Londrina.
Oliver, J. 2010. Landscapes and social transformations on the Northwest Coast. Colonial encounters in the Fraser Valley. Arizona of University Press, Tucson.
Panek Jr., C.A.; Noelli, F.S. 2006. A distribuição geográfica dos sítios arqueológicos Jê com estruturas semi-subterrâneas no sul do Brasil. In: De Masi, M.A. (org). Xokleng 2860 a.C.: as terras altas do sul do Brasil. Tubarão: Editora Unisul. pp. 115-123.
Ploetz, H. & Métraux, A. 1930. La Civilisation Matérielle et la vie sociele et religieuse des indiens Zè du Brésil méridional et oriental. Revista del Instituto de Etnología de la Universidad Nacional de Tucumán, 1: 107-238.
Posey, D.A. 1987. Manejo da floresta secundária, capoeiras, campos e cerrados (Kayapó). In: Ribeiro, D. (Ed.) Suma Etnológica Brasileira v. 1. Vozes/Finep, Petrópolis, 173-185. Prous, A. 1992. Arqueologia Brasileira. Brasília: UnB. Robrahn-González, E.M. 1997. O acervo etnológico do MAE/USP: estudo do vasilhame cerâmico Kaingáng. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, 7: 133-141. Rodrigues, R.A. 2003. Os caçadores-ceramistas do sertão paulista: um estudo etnoarqueológico da ocupação Kaingang no vale do rio Feio/ Aguapeí. Tese de doutorado. Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo. Rubertone, P. 2000. The historical archaeology of Native Americans. Annual Review of Anthropology, 29: 425-446. Saldanha, J.D.M. 2005. Paisagem, lugares e cultura material: uma arqueologia espacial nas terras altas do sul do Brasil. Dissertação de mestrado. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Schmitz, P.I. 1988. As tradições ceramistas do Planalto Sul-Brasileiro. Arqueologia do Rio Grande do Sul, Brasil. Documentos, 2: 75-130.
Silliman, S.W. 2001. Agency, practical politics and the archaeology of culture contact. Journal of Social Archaeology, 1 (2): 190-209.
Silliman, S.W. 2005. Culture contact or colonialism? Challenges in the archaeology of Native North America. American Antiquity, 70 (1): 55-74. Silliman, S.W. (Ed.). 2008. Collaborating at the Trowel’s Edge: Teaching and Learning in Indigenous Archaeology. Arizona University Press, Tucson.
Silliman, S.W. 2009. Change and continuity, practice and memory: Native American persistence in colonial New England. American Antiquity, 74 (2): 211-230.
Silva, F.A. 1999. As cerâmicas dos Jê do Sul do Brasil e os seus estilos tecnológicos: elementos para uma etnoarqueologia Kaingang e Xokleng. Revista do CEPA, 23/30: 57-73.
Silva, F.A. 2000. As Tecnologias e seus Significados. Tese de doutorado. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.
Silva, F.A. 2012. O plural e o singular das arqueologias indígenas. Revista de Arqueologia, 25 (2): 24-42.
Silva, F.A. & Noelli, F.S. 1996. Para uma síntese dos Jê do Sul: igualdades, diferenças e dúvidas para a etnografia, etno-história e arqueologia. Estudos Ibero-Americanos, 22(1): 5-13.
Silva, F.A. & Noelli, F.S. 2015. Mobility and territorial occupation of the Asurini do Xingu, Pará, Brazil: An Archaeology of the recent past in the Amazon. Latin American Antiquity, 26(4): 493-511.
Silva, S.B. 2001. Etnoarqueologia dos Grafismos Kaingáng: Um Modelo Para a Compreensão das Sociedades Proto-Jê Meridionais. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.
Souza, J.G. 2011. Linguistics, archaeology, and the histories of language spread: the case of the Southern Jê languages, Brazil. Cadernos de Etnolinguistica, 3: 1-16.
Souza, J.G. 2012. Paisagem Ritual no Planalto Meridional Brasileiro: complexos de aterros anelares e montículos funerários em Pinhal da Serra, RS. (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.
Souza, J.G. 2015. Centros cerimoniais e sistemas de assentamento Jê do Sul. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, suplemento 20: 49-55.
Tommasino, K.; Mota, L.T. & Noelli, F.S. (Orgs.) 2004. Novas contribuições aos estudos interdisciplinares dos Kaingang. Eduel, Londrina.
Viveiros de Castro, E.B. 2002. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. Cosac & Naify, Rio de Janeiro.
Wüst, I. 1991. Continuidade e Mudança: Para uma Interpretação dos Grupos Pré-Coloniais da Bacia do Rio Vermelho, Mato Grosso. Tese de doutorado. Departamento de Ciências Sociais, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Downloads

Publicado

2016-12-24

Como Citar

Silva, F. A., & Noelli, F. S. (2016). História indígena e arqueologia: Uma reflexão a partir dos estudos sobre os Jê Meridionais. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (27), 5-20. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2016.137271

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>