Rompendo idealizações

os corpos atléticos gregos

  • Fábio de Souza Lessa Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de História
Palavras-chave: Corpo, Esportes, Fat Boy Group, Grécia clássica, Imagética ática

Resumo

Neste texto, pretendemos discutir modelos de representação dos corpos dos atletas gregos nas imagens áticas do período clássico. Defenderemos que o esquema iconográfico que privilegiava o modelo apolíneo do corpo dos atletas gregos, por mais que fosse hegemônico, não era único. Os corpos que se distanciam desse modelo e que foram agrupados por John D. Beazley no “Fat Boy Group” serão priorizados nesta análise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio de Souza Lessa, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de História

Professor Associado de História Antiga do Instituto de História (IH) e dos Programas de Pós-Graduação em História Comparada (PPGHC) e de Letras Clássicas (PPGLC) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Membro do Laboratório de História Antiga (LHIA) / UFRJ e Membro Colaborador do Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra. Pós-doutorado no Instituto de Estudos Clássicos da Universidade de Coimbra sob a orientação da Profa. Dra. Maria de Fátima Sousa e Silva.

Referências

Aristófanes. 2014. As rãs. Tradução Trajano Vieira. Cosac Naify, São Paulo.
Bailly, A. 2000. Dictionnaire Grec-Français. Hachette, Paris.
Boardman, J. 1997. Athenian red figure vases: the Classical period. Thames and Hudson, London.
Calame, C. 1986. Le récit en Grèce Ancienne: enonciations et representations de poètes. Meridiens Klincksieck, Paris.
Classical Art Research Centre. 2016. Beazley archive pottery database. Disponível em: . Acesso em: 9/4/2018.
Duch, L.; Mèlich, J.-C. 2005. Escenarios de la corporeidad: antropología de la vida cotidiana. Trotta, Madrid.
Filóstrato. 1996. Gimnástico. Traducción Francesca Mestre. Gredos, Madrid.
Foucault, M. 2000. Microfísica do poder. Tradução Roberto Machado. Graal, Rio de Janeiro.
Ghyka, M.C. 1959. Le nombre d’or. Gallimard, Paris.
Gil, J. 1995. Corpo. In: Enciclopédia Einaudi. Imprensa Nacional, Lisboa, 230-266. v. 32.
Hesíodo. 1981. Teogonia: a origem dos deuses. Tradução Jaa Torrano. Massao-Ohno, São Paulo.
Hesíodo. 2002. Os trabalhos e os dias. Tradução. Mary de C. Neves Laver. Iluminuras, São Paulo.
Homero. 2011. Odisseia. Tradução Frederico Lourenço. Cia. das Letras, São Paulo.
Homero. 2013. Ilíada. Tradução Frederico Lourenço. Cia. das Letras, São Paulo.
Lessa, F.S. 2003. Corpo e cidadania em Atenas clássica. In: Theml, N.; Bustamante, R.M.C.; Lessa, F.S. Olhares do corpo. Mauad, Rio de Janeiro, 48-55.
Lessa, F.S. 2011. Mulheres de Atenas. Mauad X, Rio de Janeiro.
Mitchell, L. 2007. Panhellenism and the barbarian in Archaic and Classical Greece. The Classical Press of Wales, Swansea.
Osborne, R. 2011. The history written on the classical Greek body. Cambridge University, Cambridge.
Platão. 2010. A República. Tradução Maria Helena da Rocha Pereira. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.
Platão. 2011. Górgias. Tradução Manuel Oliveira Pulquério. Edições 70, Lisboa.
Rodrigues, J. C. 1975. Tabu do corpo. Achiamé, Rio de Janeiro.
Rodrigues, J. C. 2003. Os corpos na antropologia. In: Theml, N., Bustamante, R.M.C.; Lessa, F.S. Olhares do corpo. Mauad, Rio de Janeiro, 72-98.
Rousselle, A. 1993. Corpo. In: Burguière, A. Dicionário das ciências históricas. Tradução Henrique de Araújo Mesquita. Imago, Rio de Janeiro, 176-181.
Spivey, N. 2005. The ancient Olympics. Oxford University, Oxford.
Thuillier, J-P. 2004. Étrurie et Rome. In: Decker, W; Thuillier, J.-P. Le sport dans l’antiquité: Egypte, Grèce, Rome. Picard, Paris, 143-246.
Tiverios, M. 2015. Cuerpos de dioses, héroes y atletas hasta el período helenístico. In: Sánchez, C; Escobar, I. Dioses, héroes y atletas: la imagen del cuerpo en la Grecia antigua. Museo Arqueológico Regional, Alcalá de Henares, 103-120.
Van der Grinten, E.F. 1966. On the composition of the medallions in the interiors of Greek black and red- figured kylixes. N.V. Noord-Hollandsche Uitgevers Maatschappij, Amsterdam.
Xenofonte. 2009. Memoráveis. Tradução Ana Elias Pinheiro. Universidade de Coimbra, Coimbra.
Publicado
2017-12-30
Como Citar
Lessa, F. (2017). Rompendo idealizações. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (29), 36-46. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2017.140749
Seção
Artigos