Novos registros arqueobotânicos sobre o uso de frutos na dieta alimentar sambaquiana

Autores

  • João Carlos Ferreira de Melo Júnior Universidade da Região de Joinville. Departamento de Ciências Biológicas https://orcid.org/0000-0002-6800-5508
  • Gustavo Borba de Oliveira Universidade da Região de Joinville. Laboratório de Morfologia e Ecologia Vegetal

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2020.155780

Palavras-chave:

paleodieta, sambaquis, patrimônio cultural, arqueobotânica, antracologia

Resumo

Inúmeros são os relatos da presença de “coquinhos” carbonizados, mas com imprecisões no reconhecimento das espécies associadas, resultando em lacuna sobre a dieta alimentar dos sambaquianos. Este estudo identificou taxonomicamente os macrovestígios do tipo fruto carbonizado de forma a ampliar os conhecimentos sobre a dieta alimentar sambaquiana. O material arqueológico analisado é proveniente do sítio Cubatão I localizado no município de Joinville, SC e pertence ao acervo do Museu de Sambaqui de Joinville. A identificação das espécies vegetais seguiu a análise morfo-tipológica e posterior comparação em coleção de referência. Amostras de frutos maduros de palmeiras foram coletadas para a determinação do seu teor nutricional. Foram analisados 905 macrovestígios vegetais tipificados como frutos carbonizados, com maior prevalência na camada estratigráfica de 2,03-2,08m de profundidade. Foram identificadas três espécies de frutos/sementes pertencentes a duas famílias botânicas: palmito juçara - Euterpe edulis, jerivá - Syagrus romanzoffiana (Arecaceae) e guaraparim - Vantanea compacta (Humiriaceae). As identificações realizadas ampliam o espectro de recursos florestais utilizados pelos sambaquianos no litoral de SC, seu conhecimento sobre as espécies vegetais e entendimento sobre a dieta alimentar de populações pretéritas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Carlos Ferreira de Melo Júnior, Universidade da Região de Joinville. Departamento de Ciências Biológicas

Pós-doutor pela Escola Nacional de Botânica Tropical do Instituto de Pesquisas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro (2016), Doutor em Ecologia e Conservação pela Universidade Federal do Paraná (2015), Mestre em Botânica (2003), especialista em Espaço, Sociedade e Meio Ambiente (2000) pela Unibem, Bacharel e Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade da Região de Joinville (1999). Professor titular das disciplinas de Botânica Estrutural e Inventário de Flora da Universidade da Região de Joinville.

Referências

Amaral, A.J.P. 2010. Artesanato quilombola: identidade e etnicidade na Amazônia. Cadernos do CEOM 23(32): 61-75.
Bandeira, D.R. 2004. Ceramistas pré-coloniais da Baía da Babitonga, SC: arqueologia e etnicidade. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
Bandeira, D.R.; Oliveira, E.L.; Santos, A.M.P. 2009. Estudo estratigráfico do perfil nordeste do Sambaqui Cubatão I, Joinville/SC. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 19: 119-142.
Barroso, R.M.; Reis, A.; Hanazaki, N. 2010. Etnoecologia e etnobotânica da palmeira juçara (Euterpe edulis Martius) em comunidades quilombolas do Vale do Ribeira, São Paulo. Acta Botânica Brasílica 24(2): 518-528.
Beck, A.M. 1972. A variação do conteúdo cultural dos sambaquis: litoral de Santa Catarina. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.
Begnini, R.M.; Silva, F.R.; Castellani, T.T. 2013. Fenologia reprodutiva de Syagrus romanzoffiana (Cham.) Glassman (Arecaceae) em Floresta Atlântica no sul do Brasil. Biotemas 26(4): 53-60.
Bianchini, G.F. et al. 2011. Processos de formação do sambaqui Jabuticabeira-II: interpretações através da análise estratigráfica de vestígios vegetais carbonizados. Revista de Museu de Arqueologia e Etnologia 21: 51-69.
Ceccantini, G.C.T.; Gussella, L.W. 2001. Os novelos de fibras do abrigo rupestre Santa Elina (Jangada, MT, Brasil): anatomia vegetal e paleoetnobotânica. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 11: 189-200.
Chabal, L. 1997. Forêts et sociétés en Languedoc (Néolithique final, Antiquité tardive): L’anthracologie, méthode et paléoécologie. Editions MSH, Paris.
Chabal, L. et al. 1999. L’anthracologie. In: Bourquin-Mignot, C. et al. (Eds.). La botanique. Ed. Errance, Paris, 105-137.
Clement, C.R.; Pérez, E.L.; Van Leeuwen, S.J. 2005. O potencial das palmeiras tropicais no Brasil: acertos e fracassos das últimas décadas. Agrociencia 9(1): 67-71.
Coimbra, M.C.; Jorge, N. 2011. Proximate composition of guariroba (Syagrus oleracea), jerivá (Syagrus romanzoffiana) and macaúba (Acrocomia aculeata) palm fruits. Food Research International 44(7): 2139-2142.
Cruz, T.A. 2010. Mulheres da floresta do vale do Guaporé e suas interações com o meio ambiente. Revista Estudos Feministas 18(3): 913-925.
Elias, G. A. et al. 2016. Community structure of large native arborescent palms (Arecaceae) using data from the floristic and forest Inventory of Santa Catarina, Brazil. Australian Journal of Basic and Applied Sciences 10(10): 156-163.
Fidalgo, O.; Bononi, V.L.R. 1989. Técnicas de coleta, preservação e herborização de material botânico. Instituto de Botânica; Imprensa Oficial, São Paulo.
Figueiral, I.; Mosbrugger, V. 2000. A review of charcoal analysis as a tool for assessing Quaternary and Tertiary environments: achievements and limits. Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology 64(1-4): 397-407.
Flora do Brasil. 2015. Arecaceae Schultz Sch. Disponível em: https://bit.ly/2uuiJNf. Acesso em: 19 nov. 2018.
Galetti, M.; Paschoal; M.; Pedroni, F. 1992. Predation on palms nuts (Syagrus romanzoffiana) by squirrels (Sciurus ingrami) in south-east Brazil. Journal of Tropical Ecology 8(1): 121-123.
Gaspar, M.D. 1991. Aspectos da organização de um grupo de pescadores, coletores e caçadores: região compreendida entre a Ilha Grande e o delta do Paraíba do Sul, estado do Rio de Janeiro. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.
Gaspar, M.D. 1998. Considerations of the sambaquis of the Brazilian coast. Antiquity 72(277): 592-615.
Gaspar, M. 2000. Sambaqui: arqueologia do litoral brasileiro. Jorge Zahar, Rio de Janeiro.
Gussella, L.W. 2003. Identificação de restos vegetais do sítio arqueológico Santa Elina – MT. Trabalho de conclusão de curso. Universidade Federal do Paraná, Curitiba.
Lingner, D.V. et al. 2013. Fitossociologia do componente arbóreo/arbustivo da floresta ombrófila densa em Santa Catarina. In: Vibrans, A.C. et al. (Eds.). Inventário florístico florestal de Santa Catarina. Edifurb, Blumenau, 160-200.
Lorenzi, H. 2002. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. Plantarum, São Paulo.
Lorenzi, H. 2010. Flora brasileira: Arecaceae (palmeiras). Plantarum, São Paulo.
Lorenzi, H. et al. 2006. Frutas brasileiras e exóticas cultivadas (de consumo in natura). Plantarum, São Paulo.
Magalhães, L.A. et al. 2007. Identificação de bergenina e carotenóides no fruto de uchi (Endopleura uchi, Humiriaceae). Acta Amazonica 37(3): 447-450.
Martins, V. et al. 2015. Caracterização química da polpa do fruto jerivá (Syagrus romanzoffiana Cham.). Revista Virtual de Química 7(6): 2422-2437.
Melo Júnior, J.C.F. 2019. Anthracological reference collection of palms of the Atlantic Forest (sensu stricto) of southern Brazil. International Journal for Innovation Education and Research 7(2): 238-253.
Melo Júnior, J.C.F.; Magalhães, W.L.E. 2015. Antracologia de fogueiras paleoíndias do Brasil Central: considerações tecnológicas e paleoetnobotânicas sobre o uso de recursos florestais no abrigo rupestre Lapa do Santo, Minas Gerais, Brasil. Antípoda 22: 137-161.
Melo Júnior, J.C.F.; Silveira, E.R.; Bandeira, D.R. 2016. Arqueobotânica de um sambaqui sul-brasileiro: integrando indícios sobre o paleoambiente e o uso de recursos florestais. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas 11(3): 727-744.
Nakamura, C.; Melo Júnior, J.C.F.; Ceccantini, G. 2010. Macro-restos vegetais: uma abordagem paleoetnobotânica e paleoambiental. In: Araújo, A.G.M.; Neves, W.A. (Orgs.). Lapa das Boleiras: um sítio paleoíndio do carste de Lagoa Santa, MG, Brasil. Annablume, São Paulo, pp-pp .
Oliveira, M.S.C.; Horn Filho, N.O. 2001. De Guaratuba a Babitonga: uma contribuição geológico-evolutiva ao estudo da espacialidade dos sambaquianos no litoral norte catarinense. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 11: 55-75.
Oliveira, M.S.C. 2000. Os sambaquis da planície costeira de Joinville, litoral norte de Santa Catarina: Geologia, Paleografia e conservação in situ. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.
Oliveira, O.M. et al. 2014. Espécies botânicas utilizadas no artesanato comercializado na cidade de Altamira-PA. Biota Amazônia 4(4): 1-5.
Pearsall, D.M. 2000. Paleoethnobotany: a handbook of procedures. Florida Academic Press, Orlando.
Peixe, S.P.; Melo Júnior, J.C.F.; Bandeira, D.R. 2007. Paleoetnobotânica dos macrorestos vegetais do tipo trançados de fibras encontrados no sambaqui Cubatão I, Joinville-SC. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 17: 211-222.
Pugliese, F.A. 2007. Os líticos de Lagoa Santa: um estudo sobre a organização tecnológica de caçadores-coletores do Brasil central. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.
Rodrigues-Silva, D.G. 2002. Análise dos vestígios botânicos do início do Holoceno (10.000-8.000AP) no sítio arqueológico Lapa do Santo, APA carste de Lagoa Santa, Minas Gerais. Trabalho de conclusão de curso. Universidade de São Paulo, São Paulo.
Scheel-Ybert, R. 1998. Stabilité de l’ecosysteme sur le littoral sud-est du Brésil à l’holocene superieur (5500-1400 ans BP) : les pêcheurs-cueilleurs-chasseurs et le milieu végétal: apports de l’Anthracologie. Thèse de doctorat. Université Montpellier II, Montpellier.
Scheel-Ybert, R. 2001. Man and vegetation in the Southeastern Brazil during the late Holocene. Journal of Archaelogical Science 28: 471-480.
Scheel-Ybert, R. 2003. Importância da análise de macro-restos vegetais para a reconstituição do modo de vida de populações pré-históricas. In: Anais do 15º Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira, 2003, Campo Grande .
Scheel-Ybert, R. 2004a. Teoria e métodos em antracologia: técnicas de campo e de laboratório. Arquivos do Museu Nacional 62(4): 343-356.
Scheel-Ybert, R. 2004b. Teoria e métodos em antracologia: considerações teóricas e perspectivas. Arquivos do Museu Nacional 62(1): 3-14.
Scheel-Ybert, R. et al. 2003. Novas perspectivas na reconstituição do modo de vida dos sambaquieiros: uma abordagem multidisciplinar. Revista Arqueologia 16: 109-137.
Silva, J.Z.; Reis, M.S. 2018. Fenologia reprodutiva e produção de frutos em Euterpe edulis (Martius). Ciência Florestal 28(1): 295-309.
Théry-Parisot, I.; Chabal, L.; Chrzavzez, J. 2010. Anthracology and taphonomy, from wood gathering to charcoal analysis: a review of the taphonomic processes modifying charcoal assemblages, in archaeological contexts. Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology 291(1-2): 142-153.
Tiburtius, G. 1996. Arquivos de Guilherme Tiburtius. Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville, Joinville.
Wesolowski, V. 2007. Cáries, desgaste, cálculos dentários e micro-resíduos da dieta entre grupos pré-históricos do litoral norte de Santa Catarina: é possível comer amido e não ter cárie? Tese de doutorado. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fiocruz, Rio de Janeiro.
Wesolowski, V. et al. 2007. Grânulos de amido e fitólitos em cálculos dentários humanos: contribuição ao estudo do modo de vida e subsistência de grupos sambaquianos do litoral sul do Brasil. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 17: 191-210.

Downloads

Publicado

2020-10-31

Como Citar

Melo Júnior, J. C. F. de, & Oliveira, G. B. de. (2020). Novos registros arqueobotânicos sobre o uso de frutos na dieta alimentar sambaquiana. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, 34(34), 174-186. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2020.155780

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)