Arqueologia indígena dos povos do rio Mapuera: entrevista com Jaime Xamen Wai Wai

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2020.160019

Palavras-chave:

Arqueólogo indígena, Categorias arqueológicas, Formação de arqueólogos

Resumo

Durante a VI Semana Internacional de Arqueologia dos Discentes MAE-USP, realizou-se uma entrevista com o arqueólogo Jaime Xamen Wai Wai. Convidado para palestrar na Mesa sobre Arqueologias Indígenas, aproveitou-se a ocasião para entrevistá-lo a respeito de sua trajetória na Arqueologia, das motivações que o levaram a cursar a universidade e quais suas opiniões a respeito das contribuições que o olhar de um arqueólogo indígena pode trazer à disciplina. Estimulante, as respostas de Xamen trazem os desafios pessoais e as reflexões a respeito das práticas, categorias e classificações arqueológicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Kater, Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia

Doutorando em Arqueologia pelo Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da Universidade de São Paulo (USP), bolsista pela FAPESP. Mestre em Arqueologia pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). No mestrado foi bolsista do CNPq e desenvolveu pesquisa sobre o registro arqueológico cerâmico proveniente do sítio Teotônio, um dos mais significativos e importantes da região do alto rio Madeira. Bacharel e licenciado em História e Letras (Habilitação Árabe) pela USP. Participa do Laboratório de Arqueologia dos Trópicos (ARQUEOTROP/MAE-USP), onde também realizou Iniciação Científica, colaborando nos trabalhos de campo e na curadoria e análise de material arqueológico proveniente da Amazônia. Desde 2012 integra como pesquisador o LUDENS (Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas sobre Futebol e Modalidades Lúdicas da USP), onde realizou estudos sobre futebol, e atualmente participa de projeto sobre a história do rugby no Brasil.

Jaime Xamen Wai Wai, Universidade Federal de Minas Gerais

 Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com graduação em Arqueologia na UFOPA, falante de língua Wai Wai, já deu aulas a respeito da mesma língua e desenvolve pesquisa de levantamento de sítios arqueológicos no Alto Rio Mapuera.

Referências

Caixeta de Queiroz, Ruben. 2015. Cosmologia e História Waiwai e Katxuyana: Sobre os Movimentos de Fusão e Dispersão dos Povos (Yana) In: GRUPIONI, D. F.; ANDRADE, L. M. M., (Orgs.), Entre Águas Bravas e Mansas, índios & quilombolas em Oriximiná. São Paulo, Comissão Pró-Índio de São Paulo/Iepé, 104-132.

Caixeta de Queiroz, Ruben. 2008. Trombetas-Mapuera. Território indígena. Brasília, FUNAI-PPTAL.

Howard, C. V. 2001. Wrought identities: the Waiwai expeditions in search of the "unseen tribes" of Northern Amazonia. (Doctoral Dissertation). Chicago, University of Chicago.

Jácome, Camila P. 2017. Dos Waiwai aos Pooco – Fragmentos de história e arqueologia das gentes dos rios Mapuera (Mawtohrî), Cachorro (Katxuru) e Trombetas (Kahu). (Tese de Doutorado). São Paulo, Universidade de São Paulo, 2017.

Meihy, José Carlos Sebe Bom; RIBEIRO, Suzano L. Salgado. 2011. Guia prático de história oral: para empresas, universidades, comunidades, famílias. São Paulo: Contexto.

Xamen Wai Wai, Jaime. 2017. Levantamento etnoarqueológico sobre a cerâmica Konduri e ocupação dos Wai Wai na região da Terra Indígena Trombetas-Mapuera (Pará, Brasil). (Monografia de Graduação). Santarém, Universidade Federal do Oeste do Pará.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

Rodrigues, I., Kater, T., & Wai, J. X. W. . (2020). Arqueologia indígena dos povos do rio Mapuera: entrevista com Jaime Xamen Wai Wai. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (35), 114-121. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2020.160019