Análises de mobilidade no litoral sul de Santa Catarina entre 2000-500 cal AP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2021.162703

Palavras-chave:

Arqueologia costeira, Sambaquis tardios, Jê do Sul, Análise de mobilidade, Caminhos de menor custo

Resumo

Os sambaquis possuem uma ocupação longa e antiga no litoral sul de Santa Catarina (7500 a 1500 anos cal AP). A fase final dessa ocupação (a partir de 2000 anos cal AP) é marcada pela diminuição do número de sambaquis construídos e pelas alterações na estratigrafia, com o aumento de sedimento rico em matéria orgânica nas camadas superficiais de sambaquis mais antigos e em sítios discretos na paisagem (sambaquis tardios), que apresentam elementos de continuidade e mudança em relação à ocupação sambaquieira. Esse período é associado às transformações na paisagem costeira durante o Holoceno tardio e, também, aos processos culturais, como o gradual contato entre sambaquieiros e grupos Jê meridionais. A intensificação desse contato é registrada na presença de sítios monticulares e conchíferos com cerâmica Itararé-Taquara (1300-500 anos cal AP). Este artigo apresentará os dados de dispersão espacial e temporal de sítios ativos entre 2000-500 anos cal AP na região de Jaguaruna, através de análises de mobilidade multicritério (caminhos de menor custo) entre sambaquis tardios e sítios com cerâmica Itararé-Taquara. O objetivo é investigar a organização do território e as possíveis relações entre diferentes ocupações nesse período.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Terhaag Merencio, Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia

Doutora em Arqueologia pelo Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo (2021) e mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal do Paraná (2014). Realiza pesquisas nos seguintes temas: arqueologia pré-colonial, análise de lítico, fotogrametria e sistemas de informação geográfica (SIG).

Paulo DeBlasis, Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia

Possui graduação em História pela Universidade de São Paulo (1980), mestrado em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (1989), doutorado em Arqueologia pela Universidade de São Paulo (1996) e Livre-docência em Arqueologia pela Universidade de São Paulo (2005). Arqueólogo, Professor Associado (Livre-Docente, MS-5) de Arqueologia e História Pré-Colônial do Brasil no Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da Universidade de São Paulo, onde atua desde 1987.

Referências

ANA. 2017. Base Hidrográfica Ottocodificada Multiescalas. Disponível em: <https://bit.ly/3bzXGvz>. Acesso em: 15/07/2020.

Aldenderfer, M.S. (Ed). 1998. Montane Foragers: Asana and the south-central Andean archaic. University of Iowa Press, Iowa.

Ames, K.M. 2002. Going by boat: the forager-collector continuum at sea. In: Fitzhugh, B., Habu, J. (Eds.). Beyond foraging and collecting evolutionary change in hunter-gatherer settlement systems. Kluwer Academic; Plenum Publisher, New York, 19-52.

Angulo, R.J. et al. 1999. Relative sea-level changes in the last 5500 years in southern Brazil (Laguna-Imbituba region, Santa Catarina State) based on vermetid 14C ages. Marine Geology 159: 323-339.

Angulo, R.J.; Lessa, G.C.; Souza, M.C. 2006. A critical review of mid- to late-Holocene sea-level fluctuations on the eastern Brazilian coastline. Quaternary Science Reviews 25(5-6): 486-506.

Araujo, A.G.M. 2001. Teoria e método em arqueologia regional: um estudo de caso no Alto Paranapanema, estado de São Paulo. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Araujo, A.G.M. 2007. A tradição cerâmica Itararé-Taquara: características, área de ocorrência e algumas hipóteses sobre a expansão dos grupos Jê no sudeste do Brasil. Revista de Arqueologia (20): 9-38.

Assunção, D. 2010. Sambaquis da paleolaguna de Santa Marta: em busca do contexto regional no litoral sul de Santa Catarina. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Attorre, T. 2015. Por uma arqueologia marginal: as ocupações peri-sambaquieiras no entorno do sambaqui da Figueirinha II, Jaguaruna-SC, examinadas através do radar de penetração de solo. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bandeira, D.R. 2004. Ceramistas pré-coloniais da Baía da Babitonga, SC: arqueologia e etnicidade. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Banning, E.B. 2002. Archaeological survey. Kluwer Academic; Plenum Publishers, New York.

Bastos, M.Q.R. 2009. Mobilidade humana na pré-história do litoral brasileiro: análise de isótopos instáveis de estrôncio no sambaqui do Forte Marechal Luz. Dissertação de mestrado. Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro.

Beber, M.V. 2004. O sistema de assentamento dos grupos ceramistas do planalto sul-brasileiro: o caso da tradição Taquara/Itararé. Tese de doutorado. Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo.

Beck, A. 1972. A variação do conteúdo cultural dos sambaquis: litoral de Santa Catarina. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bell, T.; Lock, G.R. 2000. Topographic and cultural influences on walking the ridgeway in later prehistoric times. In: Lock, G.R. (Ed.) Beyond the map: archaeology and spatial technologies. IOS Press, Amsterdam, 85-100.

Bendazzoli, C. 2007. O processo de formação dos sambaquis: uma leitura estratigráfica do sítio Jabuticabeira II, SC. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bitencourt, A.L.V.; Krauspenhar, P.M. 2006. Possible prehistoric anthropogenic effect on Araucaria angustifolia (Bert.) O. Kuntze expansion during the late Holocene. Revista Brasileira de Paleontologia 9(1): 109-116.

Borba, T.M. 1908. Actualidade indígena (Paraná, Brazil). Impressora Paranaense, Curitiba.

Brantings, S. 2012. Seven solutions for seven problems with least cost pathways. In: White, D.A.; Surface-Evans, S.L. (Eds.). Least cost analysis of social landscapes. University of Utah Press, Salt Lake City, 209-224.

Bronk Ramsey, C. (2014). OxCal Program, Version 4.3.

Campos, J.B. 2015. Arqueologia entre rios e gestão integrada do território no extremo sul de Santa Catarina Brasil. Tese de doutorado. Universidade do Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real.

Cardoso, J.M. 2019. O sítio costeiro Galheta IV: uma perspectiva zooarqueológica. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Centro Nacional de Arqueologia. 2019. Sítios Arqueológicos Georreferenciados. Disponível em: <https://bit.ly/30whIAW>. Acesso em: 09/03/2020.

Colonese, A.C. et al. 2014. Long-term resilience of late Holocene coastal subsistence system in southeastern South America. PLoS ONE 9(4): 1–13.

Conolly, J.; Lake, M. 2006. Geographical information systems in archaeology. Cambridge University Press, Cambridge.

Coppock, J.T.; Rhind, D.W. 1991. The history of GIS. In: Maguire, D.J.; Goodchild, M.F.; Rhind, D.W. (Eds.). Geographical information systems: principles and Applications. Longman Group, Harlow, 1: 21-43.

Corrêa, A.A. 2009. Tetama nas matas mineiras: sítios Tupi na microrregião de Juiz de Fora-MG. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Corteletti, R. 2012. Projeto arqueológico Alto Canoas – Paraca: um estudo da presença Jê no planalto catarinense. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Corteletti, R. 2013. Uma estratigrafia da paisagem proto-Jê meridional: um estudo de caso em Urubici, SC. Revista Tempos Acadêmicos (11): 97-116.

Corteletti, R. et al. 2015. Revisiting the economy and mobility of southern proto-Jê (Taquara-Itararé) groups in the southern Brazilian highlands: starch grain and phytoliths analyses from the Bonin site, Urubici, Brazil. Journal of Archaeological Science 58: 46-61.

D’Ávila, L. 2017. Caminhos e lugares: modelos de mobilidade e sistema de assentamento entre os proto-Jê meridionais na região de Campo Belo do Sul, SC. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas.

DeBlasis, P.; Gaspar, M. 2009. Os sambaquis do sul catarinense: retrospectiva e perspectivas de dez anos de pesquisas. Especiaria: Cadernos de Ciências Humanas 11-12(20-21): 83-126.

DeBlasis, P.; Farias, D.S.; Kneip, A. 2014. Velhas tradições e gente nova no pedaço: perspectivas longevas de arquitetura funerária na paisagem do litoral sul catarinense. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia (24): 109-136.

DeBlasis, P. et al. 2007. Sambaquis e Paisagem: dinâmica natura e arqueologia regional no litoral do sul do Brasil. Arqueología Suramericana 3(1): 29-61.

DeBlasis, P. et al. 2018. Jê landscapes of Southern Brazil. (Relatório final). FAPESP-RCUK/AHRC (2012/51328-3), São Paulo.

DeMasi, M.A.N. 2001. Pescadores coletores da costa sul do Brasil. Pesquisas, Antropologia (57).

Di Giusto, M.N. 2017. Os sambaquieiros e os outros: estresse e estilos de vida na perspectiva da longa duração: o caso do litoral sul de Santa Catarina. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Eastoe, C. et al. 2002. Reservoir corrections for marine samples from the South Atlantic Coast, Santa Catarina State, Brazil. Radiocarbon 44(1): 145-148.

EPAGRI/CIRAM. 2007. Mapa digital das Unidades Hidrográficas do Estado de Santa Catarina (shapefile). Disponível em: <https://bit.ly/3n9UJ8b>. Acesso em: 15/07/2020.

Farias, D.S.E.; DeBlasis, P. 2014. Programa de salvamento arqueológico e educação patrimonial na área de duplicação da BR-101 trecho Ponte de Cabeçuda, Laguna/SC. (Relatório final). Iphan (01510.000341/2007-72), Tubarão.

Farias, D.S.E.; Kneip, A. 2010. Panorama arqueológico de Santa Catarina. Editora Unisul, Palhoça.

Farias, D.S.E. et al. 2018. Salvamento Arqueológico e Educação Patrimonial na Área de Influência Indireta do Aeroporto Regional Sul – Humberto Ghizzo Bortoluzzi, Município de Jaguaruna – SC. (Relatório final). Iphan (01510.900106/2017-74), Tubarão.

Figuti, L. 1993. O homem pré-histórico, o molusco e o sambaqui: considerações sobre a subsistência dos povos sambaquieiros. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia (3): 67-80.

Gakran, N. 2015. Elementos fundamentais da gramática Laklãnõ. Tese de doutorado. Universidade de Brasília, Brasília.

Gaspar, M.D. et al. 2007. Tratamento dos mortos entre os sambaquieiros, Tupinambá e Goitacá que ocuparam a Região dos Lagos, estado do Rio de Janeiro. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia (17): 169-189.

Gaspar, M.D. et al. 2008. Sambaqui (shell mound) societies of coastal Brazil. In: Silverman, H.; Isbell, W.H. (Eds.). Handbook of South American archaeology. Springer, New York, 319-337.

Geyh, M.A.; Schneekloth, H. 1964. Hannover radiocarbon measurements III. Radiocarbon 6: 251-268.

Giannini, P.C.F. et al. 2010. Interações entre evolução sedimentar e ocupação humana pré-histórica na costa centro-sul de Santa Catarina, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Humanas 5(1): 105-128.

Gilson, S.-P.; Lessa, A. 2020. Ocupação tardia do litoral norte e central catarinense por grupos pescadores-caçadores-coletores: uma revisão crítica do contexto cronológico dos sítios rasos com presença de cerâmica. Revista de Arqueologia 33(1): 55-77.

Gustas, R.; Supernant, K. 2017. Least cost path analysis of early maritime movement on the Pacific Northwest coast. Journal of Archaeological Science 78: 40-56.

Hansel, F.A.; Schmitz, P.I. 2006. Classificação e interpretação dos resíduos orgânicos preservados em fragmentos de cerâmica arqueológica por cromatografia gasosa e cromatografia gasosa – espectrometria de massas. Pesquisas, Antropologia (63): 81-112.

Haynes, C.V.; Grey, D.C.; Long, A. 1971. Arizona radiocarbon dates VIII. Radiocarbon 13(1): 1-18.

Herzog, I. 2014. A review of case studies in archaeological least-cost analysis. Archeologia e Calcolatori XXV: 223-239.

Howey, M. 2007. Using multi-criteria cost surface analysis to explore past regional landscapes: a case study of ritual activity and social interaction in Michigan, AD 1200-1600. Journal of Archaeological Science 34(11): 1830-1846.

Hu, D. 2012. Advancing theory? Landscape archaeology and geographical information systems. Papers from the Institute of Archaeology 21: 80-90.

Hubbe, M. et al. 2009. Postmarital Residence Practice in Southern Brazilian Coastal Groups: Continuity and Change. Latin American Antiquity 20(2): 267–278.

Hurt, W.R. 1974. The interrelationship between the natural environment and four sambaquis, coast of Santa Catarina, Brazil. Occasional papers and monographs. Indiana University Museum, Bloomington.

Iriarte, J.; Behling, H. 2007. The expansion of Araucária forest in the Southern Brazilian highlands during the last 4000 years and its implications of the Taquara/Itararé Tradition. Environment Archaeology 12(2): 115-127.

Iriarte, J. et al. 2014. Paisagens Jê meridionais: ecologia, história e poder numa paisagem transicional durante o holoceno tardio. Cadernos do Lepaarq 11(22): 240-253.

Iriarte, J. et al. 2016. Landscape dynamics in the La Plata Basin during the mid and late Holocene. Cadernos do Lepaarq 13(25): 268-302.

Klokler, D. et al. 2010. Juntos na costa: zooarqueologia e geoarqueologia de sambaquis do litoral sul catarinense. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia (20): 53-75.

Klokler, D.; Gaspar, M.; & Scheel-Ybert, R. (2018). Why clam? Why clams? Shell Mound construction in Southern Brazil. Journal of Archaeological Science: Reports 20: 856–863.

Kneip, A. 2004. O povo da lagoa: uso do SIG para modelamento e simulação na área arqueológica do Camacho. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Kneip, A.; Farias, D.; DeBlasis, P. 2018. Longa duração e territorialidade da ocupação sambaquieira na laguna de Santa Marta, Santa Catarina. Revista de Arqueologia 31(1): 25-51.

Kneip, A.; Mello, A.A.S. 2018. Dinâmica da ocupação da região do camacho, litoral sul de Santa Catarina, a partir de 7500 anos até o presente. Revista Memorare 5(1): 248-263.

Kozlowski, H.S.; Corteletti, R. 2019. Paisagem de mobilidade Jê meridional do alto vale do Ribeira de Iguape. Arqueologia 22(1): 1-23.

Lessa, A. 2006. Reflexões preliminares sobre paleoepidemiologia da violência em grupos ceramistas litorâneos: (I) Sítio Praia da Tapera – SC. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia (15-16): 199-207.

Lessa, A.; Scherer, L.Z. 2008. O outro lado do paraíso: novos dados e reflexões sobre violência entre pescadores-coletores pré-coloniais. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia (18): 89-100.

Li, X. et al. 2009. GIS Analysis of Global Impacts from Sea Level Rise. Photogrammetric Engineering & Remote Sensing 75(7): 807–818.

Lima, T.A. 2000. Em busca dos frutos do mar: os pescadores-coletores do litoral centro-sul do Brasil. Revista USP (44): 270-327.

Livingood, P. 2012. No crows made mounds: do cost-distance calculations of travel time improve our understanding of southern appalachian polity size? In: White, D.A.; Surface-Evans, S.L. (Eds.). Least cost analysis of social landscapes: archaeological case studies. University of Utah Press, Salt Lake City, 174-187.

Menezes, P.M L. 2009. Análise de fácies e proveniência sedimentar em sambaquis do litoral centro-sul de Santa Catarina. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Milheira, R.C. 2010. Arqueologia guarani no litoral sul-catarinense: história e território. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

NASA JPL. 2013. NASA Shuttle Radar Topography Mission Global 1 arc second. NASA EOSDIS Land Processes DAAC. Disponível em: <https://bit.ly/3pdVizk>. Acesso em: 15/07/2020.

Neves, W.A. 1988. Paleogenética dos Grupos Pré-Históricos do Litoral Sul do Brasil (Paraná e Santa Catarina). Pesquisas, Antropologia (43): 9-178.

Nishida, P. 2007. A coisa ficou preta: estudo do processo de formação da terra preta do sítio arqueológico Jabuticabeira II. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Noelli, F.S. 1999. Repensando os rótulos e a história dos Jê no sul do Brasil a partir de uma interpretação interdisciplinar. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia (supl.3): 285-302.

Noelli, F.S. 2000. A ocupação humana na região sul do Brasil: arqueologia, debates e perspectivas 1872-2000. Revista USP (44): 218-269.

Noelli, F.S. 2005. Rethinking stereotypes and the history of research on Jê populations in South Brazil: an interdisciplinary point of view. In: Funari, P.; Zarankin, A.; Stovel, E. (Eds.). Global archaeological theory contextual voices and contemporary thoughts. Springer, New York, 167-190.

Noelli, F.S.; Souza, J.G. 2017. Novas perspectivas para a cartografia arqueológica Jê no Brasil meridional. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Humanas 12(1): 57-84.

Okumura, M.M. 2008. Diversidade morfológica craniana, micro-evolução e ocupação pré-histórica da costa brasileira. Pesquisas, Antropologia (66).

Oliveira, T.F. 2010. Estudo comparativo dos sambaquis Caipora, Lageado e Jaboticabeira I: interpretações acerca da mudança de material construtivo ao longo do tempo. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Oppitz, G. 2015. Coisas que mudam: os processos de mudança nos sítios conchíferos catarinenses e um olhar isotópico sobre o caso do sítio Armação do Sul, Florianópolis/SC. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Parellada, C.I. 2005. Estudo arqueológico no alto vale do rio Ribeira: área do gasoduto Bolívia-Brasil, trecho X, Paraná. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Parellada, C.I. 2008. Tecnologia e estética da cerâmica Itararé-Taquara no Paraná: dados etno-históricos e o acervo do Museu Paranaense. Revista de Arqueologia 21(1): 97-111.

Peixoto, S.A. 2008. Pequenos aos montes: uma análise dos processos de formação dos sambaquis de pequeno porte do litoral sul de Santa Catarina. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Piazza, W.F. 1966. Estudos de sambaquis (nota prévia). Imprensa Universitária UFSC, Florianópolis.

Prates, L.; Bonomo, M. 2017. Los ambientes acuáticos en arqueología. Arqueología 23(3): 11–33.

Prous, A. 1992. Arqueologia Brasileira. Editora UNB, Brasília.

Redman, C.L. 1973. Multistage fieldwork and analytical techniques. American Antiquity 38(1): 61-79.

Reis, J.A. 2002. Arqueologia dos Buracos de Bugre: uma pré-história do Planalto Meridional. Educs, Caxias do Sul.

Riris, P.G.C. 2014. Exploring the spatial structure of pre-Columbian cultural landscapes in the Alto Paraná (Misiones province, Argentina). Tese de doutorado. University of Southampton, Southampton.

Rohr, J.A. 1969. Os sítios arqueológicos do município sul-catarinense de Jaguaruna. Pesquisas, Antropologia (22): 1-39.

Rohr, J.A. 1984. Sítios arqueológicos de Santa Catarina. Anais do Museu de Antropologia da UFSC 17: 77-168.

Rosa, R. 2005. Geotecnologias na Geografia aplicada. Revista do Departamento de Geografia 16: 81-90.

Saladino, A.A. 2016. Morte enfeitada: um olhar sobre as práticas mortuárias dos construtores do sambaqui Cabeçuda a partir de um sepultamento infantil. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Saldanha, J.D.M. 2005. Paisagens, lugares e cultura material: uma arqueologia espacial nas terras altas do sul do Brasil. Dissertação de mestrado. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Santos, J.; Milheira, R.G.; Campos, J.B. 2017. Entre rios, dunas, lagoas e o mar: arqueologia guarani no litoral sul de Santa Catarina. Revista de Arqueologia 30(1): 28-55.

Santos, M.C.P.; Pavei, D.D.; Campos, J.B. 2016. Arqueologia Entre Rios: do Urussanga ao Mampituba. Paleoambiente, cultura material e ocupação humana na paisagem litorânea do extremo sul catarinense entre 3500-200 anos AP. Cadernos do Ceom 29(45): 64-86.

Santos, M.C.P.; Pavei, D.D.; Campos, J.B. 2018. Sambaqui Lagoa dos Freitas, Santa Catarina: estratigrafia, antiguidade, arqueofauna, e cultura material. Revista Memorare 5(1): 157-196.

Scheel-Ybert, R. 2019. Calibração de datas radiocarbônicas em sítios costeiros. Revista de Arqueologia 32(2): 119-134.

Schiffer, M.B.; Sullivan, A.P.; Klinger, T.C. 1978. The design of archaeological surveys. World Archaeology 10(1): 1-28.

Schmitz, P.I. 1958. Paradeiros guaranis em Osório (Rio Grande do Sul). Pesquisas, Antropologia 2: 113-143.

Schmitz, P.I. 1988. As tradições ceramistas do planalto sul-brasileiro. Documentos (2): 75-139.

Schmitz, P.I.; Rogge, J.H. 2011. 107 ‘Casas subterrâneas’ no início do povoamento Jê meridional em Santa Catarina: rincão dos Albinos. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia (21): 185-204.

Schmitz, P.I.; Rogge, J.H. 2013. Pesquisando a trajetória do Jê Meridional. Pesquisas, Antropologia (70): 7-33.

Schmitz, P.I. et al. 1999. Içara: um jazigo mortuário no litoral de Santa Catarina. Pesquisas, Antropologia (55).

Schmitz, P.I. et al. 2010. Casas subterrâneas no planalto de Santa Catarina: São José do Cerrito. Pesquisas, Antropologia (68): 7-78.

Schmitz, P.I. et al. 2013a. Rincão dos Albinos: um grande sítio Jê meridional. Pesquisas, Antropologia (70): 65-131.

Schmitz, P.I. et al. 2013b. Boa Parada, um lugar de casas subterrâneas, aterros-plataforma e ‘danceiro’. Pesquisas, Antropologia (70): 133-195.

Schwengber, V.L. 2015. Resgate arqueológico em área de extração de areia na localidade de Sambaqui, Município de Imbituba-SC. (Relatório final). Iphan (01510.000603/2014-28), Tubarão.

Silva, B.L.R. 2018. Sistema de assentamento proto-Jê meridional no alto rio Canoas. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Silva, S.B. et al. 1990. Escavações Arqueológicas do Pe. João Alfredo Rohr. O sítio arqueológico da Praia da Tapera: um assentamento ltararé e Tupiguarani. Pesquisas, Antropologia (45).

Souza, J.G. 2009. A cerâmica de tradição Itararé-Taquara (RS/SC/PR) e a difusão das línguas Jê meridionais: uma reanálise dos dados. Trabalho de conclusão de curso. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Souza, J.G. 2012. Paisagem ritual no planalto meridional brasileiro: complexos de aterros anelares e montículos funerários Jê do Sul em Pinhal da Serra, RS. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Souza, J.G.; Copé, S.M. 2011. Novas perspectivas sobre a arquitetura ritual do planalto meridional brasileiro: pesquisas recentes em Pinhal da Serra, RS. Revista de Arqueologia 23(2): 98-111.

Strahler, A.N. 1957. Quantitative analysis of watershed geomorphology. Transactions, American Geophysical Union 38(6): 913-920.

Tobler, W. 1993. Three presentations on geographical analysis and modeling technical. (Relatório técnico). NCGIA (TR-93-1), Regents. Disponível em: <https://bit.ly/3lb9tnh>. Acesso em: 11/03/2021.

Tripcevich, N. 2009. Cost-distance analysis. Disponível em: <https://bit.ly/2U7fvc7>. Acesso em: 15/04/2018.

Urban, G. 1992. A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas. In: Cunha, M.C. (Org.). História dos índios no Brasil. Companhia das Letras, São Paulo, 87-102.

Veiga, J. 2006. Aspectos fundamentais da cultura Kaingang. Editora Curt Nimuendajú, Campinas.

Villagran, X.S. 2008. Análise de arqueofácies na camada preta do sambaqui Jabuticabeira II. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Villagran, X.S. 2012. Micromorfologia de Sítios Conchíferos da América do Sul. Arqueoestratigrafia e Processos de Formação de Sambaquis (Santa Catarina e Argentina). Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Villagran, X.S. 2013. O que sabemos dos grupos construtores de sambaqui? Breve revisão da arqueologia da costa sudeste, dos primeiros sambaquis até a chegada da cerâmica Jê. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia (23): 139-154.

Villagran, X.S. et al. 2010. Lecturas estratigráficas: arquitectura funeraria y depositación de residuos en el sambaquí Jabuticabeira II. Latin American Antiquity 21(2): 195-216.

Wesolowski, V. 2007. Cáries, desgaste, cálculos dentários e micro-resíduos da dieta entre grupos pré-históricos do litoral norte de Santa Catarina: é possível comer amido e não ter cárie? Tese de doutorado. Fundação Osvaldo Cruz, Rio de Janeiro.

Wheatley, D.; Gillings, M. 2002. Spatial technology and archaeology: the archaeological applications of GIS. Taylor & Francis, London.

White, D.A. 2015. The basics of least cost analysis for archaeological applications. Advances in Archaeological Practice 3(4): 407-414.

Whitley, T.G.; Hicks, L.M. 2003. A geographic information systems approach to understanding potential prehistoric and historic travel corridors. Southeastern Archaeology 22(1): 77-91.

Wiesemann, U. 1978. Os dialetos da língua Kaingáng e o Xokléng. Arquivos de Anatomia e Antropologia III: 199-217.

Yanchar, K.C. 2013. Degree and scale of interactions among chiefdoms during the pre-Hispanic late period in northern Highland Ecuador (AD 1250-1525). Dissertação de mestrado. Oregon State University, Eugene.

Downloads

Publicado

2021-08-12

Como Citar

Merencio, F. T., & DeBlasis, P. (2021). Análises de mobilidade no litoral sul de Santa Catarina entre 2000-500 cal AP. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (36), 57-91. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2021.162703

Edição

Seção

Dossiê

Dados de financiamento