Continuidades e descontinuidades: a Arqueologia Aratu-Sapucaí e a história indígena ‘Cayapó’

Autores

  • Gabriel Zissi Peres Asnis Universidade Federal de Uberlândia
  • Marcel Mano Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2020.163394

Palavras-chave:

Aratu-Sapucaí, Cayapó, Mossâmedes, tradições arqueológicas, história dos contatos

Resumo

O artigo busca problematizar as associações diretas e acríticas entre grupos ceramistas da tradição arqueológica Aratu-Sapucaí e grupos conhecidos na documentação como “Cayapó”. Nas regiões dos atuais Triângulo Mineiro, alto Paranaíba, sul de Goiás e norte de São Paulo, a sobreposição espaço-temporal de ocupações de grupos daquela tradição e os mencionados nas fontes fez propor uma continuidade cultural entre povos afastados historicamente. A imagem de uma história linear e de uma cultura fossilizada esqueceu-se que os índios das fontes documentais foram descritos em situação colonial, um ambiente marcado por intensos contatos e disputas de interesses. De fato, tanto dados arqueológicos como documentais insistem em mostrar constantes contatos e transformações. Registros fósseis dessa tradição apontam influências de outras; e registros documentais dos “Cayapó” evidenciam uma complexa e intricada rede de relações com diferentes alteridades. Por isso, tanto a história dos grupos produtores da cerâmica Aratu-Sapucaí como a dos “Cayapó” coloniais não podem ser pensadas como isoladas, mas compostas de fronteiras porosas nas quais se expandiram, se retraíram e se sobrepuseram uma série de agenciamentos. Nessas fronteiras moldadas pelos contatos transitaram em redes não estruturadas pessoas, bens simbólicos, materiais, conhecimentos e técnicas que, por todos os lados e em todas as direções, direta ou indiretamente, impactaram e renovaram tradições. Sob essas condições, artefatos arqueológicos devem ser o registro físico dessas mudanças e não a evidência de uma continuidade. O artigo mobiliza então dados da Arqueologia, da História Indígena e da Antropologia com o propósito de levantar barreiras no trajeto que leva grupos do passado pré-colonial a aterrissarem no contexto colonial, ou vice-versa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Zissi Peres Asnis, Universidade Federal de Uberlândia

Graduado em História e Mestre em Ciências Sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais – PPGCS/INCIS – da Universidade Federal de Uberlândia. Técnico em Arqueologia na Fundação Araporã de Araraquara. Professor na Oficina de Estudos em Ribeirão Preto e no Curso Pré-Vestibular para jovens e adultos da UFSCar. Membro do Grupo de Estudos em Arqueologia, Etnologia e História Indígena (GEPAEHI) da Universidade Federal de Uberlândia

Marcel Mano, Universidade Federal de Uberlândia

Doutor em Antropologia. Professor Associado do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais – PPGCS/INCIS e do Programa de Pós-Graduação em História – PPGHI/INHIS da Universidade Federal de Uberlândia. Coordenador do Grupo de Estudos em Arqueologia, Etnologia e História Indígena (GEPAEHI) da Universidade Federal de Uberlândia

Referências

Afonso, M. C. 2009. Um painel da arqueologia pré-histórica no estado de São Paulo: os sítios cerâmicos. Especiaria (UESC) 11(12): 127-155.

Almeida, M.R.C. 2013. Metamorfoses indígenas:identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. 2. ed. Editora FGV, Rio de Janeiro.

Alves, D.S. 2017. Do alto da espia: gentios, calhambolas e vadios no sertão do Campo Grande – século XVIII. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Alves, M.A. 1992. As estruturas arqueológicas do Alto Paranaíba e Triângulo Mineiro – Minas Gerais. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 2: 27-47.

Alves, M.A. 2009. Assentamentos e cultura material indígena anteriores ao contato no Sertão da Farinha Podre, MG, e Monte Alto, SP. Tese de livre-docência. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Amantino, M. 2001. O mundo das feras: os moradores do Sertão Oeste de Minas Gerais – Século XVIII. Tese de doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Apolinário, J. R. 2003. A saga dos Akroá nas fronteiras do sertão. Tellus 3(5): 83-94.

Asnis, G.Z.P. 2019. Da guerra à paz? Dicotomias que escondem múltiplos caminhos: análise histórica dos “Cayapó” aldeados em Maria I e São José de Mossâmedes. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Ataídes, J.M. 1998. Sob o signo da violência:colonizadores e Kayapó do Sul no Brasil Central. UCG, Goiânia.

Barbosa, W.A. 1971. A decadência das minas e a fuga da mineração. Editora da UFMG, Belo Horizonte.

Barth, F. 1998. Grupos étnicos e suas fronteiras. Editora da UNESP, São Paulo.

Bhabha, H. 1998. O local da cultura. Editora da UFMG, Belo Horizonte.

Brochado, J.P. 1991. Um modelo ecológico de difusão da cerâmica e da agricultura no leste da América do Sul. In: Anais do I simpósio de pré-história do Nordeste brasileiro, 1991, Recife: 85-88.

Caldarelli, S.B. 2003. Arqueologia do Vale do Paraíba Paulista: SP-070 Rodovia Carvalho Pinto. Disponível em: <https://bit.ly/312EgsG>. Acesso em: 29 jul. 2020.

Calderón, V. 1969. A fase Aratu no Recôncavo e litoral norte do estado da Bahia. Publicações Avulsas do Museu Paraense Emílio Goeldi 13: 161-172.

Carvalho Junior, A.D. 2015. Índios cristãos: a conversão dos gentios na Amazônia Portuguesa (1653-1769). Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Deleuze, G.; Guatarri, F. 2011. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v. 1 Editora 34, São Paulo.

Eremites de Oliveira, J. 2016. Etnoarqueologia, colonialismo, patrimônio arqueológico e cemitérios Kaiowá no Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. Revista de Arqueologia 29(1): 136-160.

Eremites de Oliveira, J. 2017. Revisitando uma discussão sobre arqueologia, identidade étnica e direitos territoriais dos povos indígenas no Brasil. In: Campos, J.B.; Rodrigues, M.H.S.; Funari, P.P. (Orgs.). A multivocalidade da arqueologia pública no Brasil: comunidades, práticas e direitos. EdiUnesc, Criciúma, 32-75.

Eremites de Oliveira, J.; Viana, S.A. 2000. O Centro-Oeste antes de Cabral. Revista USP 44(1): 142-189.

Faccio, N.B. et al. 2014. Vasilhas duplas Aratu (Macro-Jê) em Sítio Tupi-Guarani: evidência de contato? Revista Ágora 20: 6-23.

Fagundes, M. 2015. Histórico das pesquisas arqueológicas no Triângulo Mineiro. In: Ferreira Filho, A. (Org.). Índios do Triângulo Mineiro. EDUFU, Uberlândia, 99-144.

Galvão, E. 1979. Encontro de sociedades: índios e brancos no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar.

Giraldin, O. 1997. Cayapó e Panará: luta e sobrevivência de um povo Jê do Brasil central. Editora da Unicamp, Campinas.

Gordon, C. 2006. Economia selvagem: ritual e mercadoria entre os Xikrin Mebêngôkre. Editora Universitária Unesp/ISA, São Paulo.

Heelas, R. 1979. The social organisation of the Panará, a Gê tribe of Central Brazil. Phd. Tese de doutorado. St. Catherine’s College, Oxford.

Jones, S. 1997. The archaeology of ethnicity: constructing identities in the past and present. Routledge, Londres.

Karasch, M. 1997. Conflito e resistência inter-étnicos na fronteira brasileira de Goiás, nos anos 1750 a 1780. Revista da SBPH 12: 31-49.

Lévi-Strauss, C. 1989. Antropologia estrutural. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro.

Lévi-Strauss, C. 2004. Tristes trópicos. Companhia das Letras, São Paulo.

Lévi-Strauss, C.; Eribon, D. 1990. De perto e de longe. Nova Fronteira, Rio de Janeiro.

Lourenço, L.A.B. 2005. A oeste das minas: escravos, índios e homens livres numa fronteira oitocentista – Triângulo Mineiro (1750-1861). EDUFU, Uberlândia.

Mano, M. 2011. Contato, guerra e paz: problemas de tempo, mito e história. Trabalho & Política 29(34): 193-212.

Mano, M. 2012. Sobre as penas do gavião mítico: história e cultura entre os Kayapó. Tellus 12(22): 133-154.

Mano, M. 2015. Índios e negros nos sertões das minas: contatos e identidades. Varia história 31(56): 511-546.

Mano, M. 2018. Da tradição à cultura: problemas de investigação nos estudos das ocupações humanas no Planalto Meridional Brasileiro. Albuquerque: Revista de História 10(19): 8-34.

Mano, M.; Alves, D.S. 2015. Nos bastidores da História: o contato entre índios e negros no século XVIII. Cadernos de Pesquisa do CDHIS 28: 217-235.

Mead, D. 2010. Caiapó do Sul: an etnohistory (1610 – 1920). Tese de pós-doutorado. University of Florida, Gainesville.

Monteiro, J.M. 1994. Negros da terra: bandeirantes e índios na formação de São Paulo. Companhia das Letras, São Paulo.

Monteiro, J.M. 2001. Tupis, tapuias e historiadores: estudos de história indígena e do indigenismo. Tese de livre docência. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Neme, M. 1969. Dados para a história dos índios Caiapó. Anais do Museu Paulista 23: 101-147.

Nimuendajú, C. 2002. Mapa etno-histórico/IBGE. IBGE, Rio de Janeiro; Brasília, Ministério da Educação.

Pacheco de Oliveira, J. 1998. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana 4(1): 47-77.

Pacheco de Oliveira, J. 2016. O nascimento do Brasil e outros ensaios: “pacificação”, regime tutelar e formação de alteridades. Contra Capa, Rio de Janeiro.

Prous, A. 1992. Arqueologia brasileira. Editora da Universidade de Brasília, Brasília.

Rasteiro, R. P. 2016. Arqueologia Jê no sertão paulista: os Kayapó Meridionais na bacia do Rio Grande – SP. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, 27: 90-102.

Rice, P.M. 1987. Pottery analysis. Londres, University of Chicago Press.

Robrahn-Gonzalez, E.M. 1996. Os grupos ceramistas pré-coloniais do Centro-Oeste brasileiro. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 6: 83-121.

Robrahn-Gonzalez, E.M. 2001. As aldeias circulares do Brasil Central: Brasil 50 mil anos – Uma viagem ao passado pré-colonial. EDUSP; MAE-USP, São Paulo.

Rodrigues, A. 2002. Línguas brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas no Brasil. Loyola, São Paulo.

Rodrigues, Á.A. 2011. Contato e guerra: etno-história de um gentio Cayapó. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Sahlins, M. 1990. Ilhas de história. Jorge Zahar, Rio de Janeiro.

Sahlins, M. 2008. Metáforas históricas e realidades míticas: estrutura nos primórdios da história no reino das Ilhas Sandwich. Jorge Zahar, Rio de Janeiro.

Saint-Hilaire, A. 1975. Viagem à província de Goiás. Itatiaia, Belo Horizonte; Edusp, São Paulo.

Schiavetto, S.N.O. 2005. A questão étnica no discurso arqueológico: afirmação de uma identidade indígena minoritária ou inserção na identidade nacional. In: Funari, P.P.A.; Orser Júnior, C.; Schiavetto, S.N.O. Identidade, discurso e poder: estudos de Arqueologia contemporânea. Annablume; Fapesp, São Paulo, 77-90.

Schmitz, P.I. et al. 1982. Arqueologia do Centro-Sul de Goiás: uma fronteira de horticultores indígenas no centro do Brasil. Pesquisas, Antropologia 33. São Leopoldo: Instituto Anchietano de Pesquisas Unisinos.

Silva, F.A. 2002. Mito e arqueologia: a interpretação dos Asurini do Xingu sobre os vestígios arqueológicos encontrados no parque indígena Kuatinemu – Pará. Horizontes Antropológicos 8(18): 175-187.

Soares, J. 2012. Discutindo a tradição Aratu: o sítio cerâmico GO-RV-06 e novas contribuições. Dissertação de mestrado. Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo.

Soares, J. 2013. Discutindo a tradição Aratu: proposta de um modelo de dispersão e implantação nas zonas de tensão ecológica. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 23: 61-77.

Souza, L.M. 2004. Desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII. 4. ed. Graal, Rio de Janeiro.

Spalding, K. 1982. Essays in the political, economic, and social history colonial Latin America. University of Delaware Press, Newark.

Spix, J.B.; Martius, K. 1981. Viagem pelo Brasil (1817-1820). Edusp, São Paulo. Tomaso, I.; Lima Filho, M.F. (Orgs.). 2012. Antropologia e patrimônio cultural. ABA Publicações, Brasília.

Turner, T. 1992. Os Mebengokre Kayapó: história e mudança social, de comunidades autônomas para a coexistência interétnica. In: Carneiro da Cunha, M. (Org.). História dos índios no Brasil. Companhia das Letras, São Paulo, 311-338.

Velden, F.V. 2018. Cacos de espíritos: aproximações entre Arqueologia e Antropologia no caso Karitiana em Rondônia. Amazônica: Revista de Antropologia 10(1): 182-208.

Verswijver, G. 1992. The club-figthers of the Amazon: Warfare among the Kayapó Indians of Central Brazil. Rijksuniversiteit te Gent, Gent.

Vidal, L.B. 1977. Morte e vida de uma sociedade indígena brasileira: os Kayapó-Xikrin do rio Catete. Hucitec, São Paulo.

Wüst, I.; Barreto, C. 1999. The ring villages of Central Brazil: a challenge for Amazonian Archaeology. Latin American Antiquity 10(1): 3-23.

Wüst, I.; Carvalho, H.B. 1996. Novas perspectivas para o estudo dos ceramistas pré-coloniais do Centro-Oeste brasileiro: a análise espacial do Sítio Guará 1 (GO-NI-100), Goiás. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 6: 47-81.

Fontes documentais manuscritas

Arquivo Público Mineiro. 1743-1749. APM–SC – 84, fl. 75: registros de cartas do governador ao vice-rei e mais autoridades da Capitania (1743-1749).

Seção colonial, manuscritos, documentos encadernados códice: APM–SC – 84, fl. 75. APM, Belo Horizonte.

Arquivo Histórico Ultramarino. 1742. AHU – ACL – CU, cx. 2, doc. 179: carta de d. Luis de Mascarenhas ao rei d. João V […] – Vila Boa, 30/03/1742. Centro de Memória Digital da UnB, Brasília.

Arquivo Histórico Ultramarino. 1751. AHU – ACL CU -008, cx. 6, doc. 465: carta de d. Marcos de Noronha ao rei São José […] – Vila Boa, 24/01/1751.

Centro de Memória Digital da UnB, Brasília.

Fontes documentais impressas

Arquivo Público do Estado de São Paulo. 1913.

Documentos interessantes para a história e costumes de São Paulo. 3. ed. Tipografia Cardozo Filho, São Paulo, v. 3 e 22.

Barros, M. 1976. Notícia 7a Prática – Roteiro verdadeiro das Minas do Cuiabá, e de todas as suas marchas […]. In: TAUNAY, A. (Org.). Relatos monçoneiros. 2. ed. Livrara Martins Editora, São Paulo, 141-147.

Camello, J.A.C. 1976. Notícias práticas das Minas de Cuiabá e Goiases […] 1727. In: TAUNAY, A. (Org.). Relatos monçoneiros. 2. ed. Livraria Martins Editora, São Paulo, 114-123.

Campos, A.P. 1976. Breve notícia do gentio bárbaro que há na derrota das minas de Cuiabá […] 1723. In: TAUNAY, A. (Org.). Relatos sertanistas. 2. ed. Livraria Martins Editora, São Paulo, 181-200.

Downloads

Publicado

2020-06-30

Como Citar

Asnis, G. Z. P. ., & Mano, M. (2020). Continuidades e descontinuidades: a Arqueologia Aratu-Sapucaí e a história indígena ‘Cayapó’. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, 34(34), 154-173. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2020.163394