“De primeiro não era assim”: histórias, paisagens e as coisas da Ilha do Pará, Afuá, Amazônia

Autores

  • Queiton Carmo dos Santos Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2021.163626

Palavras-chave:

Arqueologia, Etnografia, Coisas, Histórias, Amazônia

Resumo

A partir da arqueologia etnográfica, esse estudo busca evidenciar como as pessoas que habitam o distrito de Afuá, a Ilha do Pará, uma região de fronteira fluvial da foz do Rio Amazonas, se relacionam com suas paisagens, lugares e suas coisas e como, através desses elementos, elaboram narrativas a respeito de seus tempos. Assim, o artigo pretende tensionar o entendimento e as práticas relativas ao campo disciplinar arqueológico por meio dos saberes locais e das presenças arqueológicas e, dessa maneira, contribuir para atuais discussões que provocam uma relação estreita entre estudos etnográficos e a arqueologia na e da Amazônia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alberti, B. 2016. Archaeologies of Ontology, Annual Review of Anthropology, 45: 163-179.

Alberione, J. & Cabral, M. 2018. Precisamos falar sobre tempo, cosmologias ameríndias, ontologias e outras... Mas, o que é que a arqueologia tem a ver com isso? Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica. Vol. 12 No. 2, Jul – Dez.

Appadurai, Arjun. 1986. The social life of things: commodities in cultural perspective. Cambridge: Cambridge University Press.

Bezerra, Márcia. 2017. Teto e Afeto: sobre as pessoas, as coisas e a arqueologia na Amazônia. Belém: GK Noronha.

Bezerra, Márcia. 2018. O machado que vaza ou algumas notas sobre as pessoas e as superfícies do passado presente na Amazônia. Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica. Vol. 12 No. 2, Jul – Dez.

Cabral, Luiz Otávio. 2000. A paisagem enquanto fenômeno vivido. Geosul, Florianópolis, v.t5, 0.30, p 34-45, jul./dez.

Cabral, Mariana Petry. 2014. No tempo das pedras moles: arqueologia e simetria na floresta. (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Pará. Belém.

Cabral, Mariana Petry. 2016. Entre passado e presente: arqueologia e coletivos. Teoria e sociedade. 24 (2): 76-91.

Castañeda, Q. E. 2008. The “Ethnographic Turn” in Archaeology: research positioning and reflexivity in Ethnographic Archaeologies. In Castañeda, Q. E. & Matthews, C.N. (eds.) Ethnographic Archaeologies: reflections on stakeholders and Archaeological practices. Altamira Press, Plymouth, UK, 25-61.

David, B. & Thomas, J. 2008. Landscape Archaeology: Introduction. In David, B. and Thomas, J. Handbook of Landscape Archaeology. Walnut Creek, CA: Left Coast Press, pp. 27-43.

Favret-Saada, Jeanne. 2005. Ser afetado. Cadernos de Campo. p., 155-161.

Gnecco, Cristóbal. 2012. Escavando arqueologias alternativas. Revista de Arqueologia. São Paulo: Sociedade de Arqueologia Brasileira, v. 25, n. 1, p. 8-23.

Goeldi, Emílio. Excavações archeologicas em 1895. Executadas pelo Museu Paraense no Littoral da Guyana Brazileira entre Oyapock e Amazonas. 1ª Parte: As cavernas funerárias artificiaes de Índios hoje extinctos no Rio Cunany (Goanany) e sua ceramica. Belém: Museu Paraense de História Natural e Ethnographia, 1900b. 43 p. il. (Memórias do Museu Goeldi, I).

Guedes, Aureliano Pinto de Lima. Relatório sobre uma missão etnográfica e arqueológica aos Rios Maracá e Anauerá-Pucu (Guiana Brasileira), realizada pelo Tenente-Coronel Aureliano Pinto de Lima Guedes. Boletim do Museu Paraense de História Natural e Ethnografia, v. 2, p. 42-63, 1898.

Haber, A. 2011. La Casa, Las Cosas y Los Dioses. Córdoba: Encuentro Grupo Editorial.

Haber, A. 2013. Anatomía disciplinaria y arqueología indisciplinada. Arqueología. 19: 53–60.

Haber, Alejandro. 2017. Al Otro Lado del Vestigio: políticas del conocimiento y arqueología indisciplinada. Editorial Universidad del Cauca, Popayán; JAS Arqueología, Madrid; Ediciones del Signo, Buenos Aires.

Hamilakis, Yannis & Aris Anagnostopoulos. 2009. What is Archaeological Ethnography?. UK. Public Archaelogy, Volume 8, Issue 2-3.

Hamilakis, Yannis. 2009. Archaeological Ethnography: A Multitemporal Meeting Ground for Archaeology and Anthropology. Annual Review of Anthropology, n. 40, p. 399-414.

Haraway, Donna. 1995. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, n. 5, p. 7-41.

Hartemann, Gabby & Moraes, Irislane. 2018. Contar histórias e caminhar com ancestrais. Vestígios. Revista Latino-Americana De Arqueologia Histórica, v. 12, p. 7-34.

Hodder, Ian. 2014. The entanglements of Humans and Things: A Long- Term View. New Literary History, v. 45, nº. 1, p. 19-36.

Ingold, Tim. 2012. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, ano 18, n. 29, pp. 25-44, jan./jun.

Ingold, Tim. 2015. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. São Paulo: Vozes.

Johnston, R. 1998. `The Paradox of Landscape', Journal of European Archaeology 1(3): 313-325.

Lima, D. M. 1999. A construção histórica do termo caboclo. Sobre estruturas e representações sociais no meio rural Amazônico. Novos Cadernos do Naea, v. 2, n.2, p. 5-32.

Machado, Juliana. 2009. Arqueologia e História nas construções de continuidade na Arqueologia Amazônica. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 4, n. 1, p. 57-70.

Machado, Juliana Salles. 2011. Lugares de gente: mulheres, plantas e rede de trocas no delta Amazônico. 350 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro/Museu Nacional, RJ.

Machado, Juliana. 2013. História(s) indígena(s) e a prática arqueológica colaborativa. Revista de Arqueologia SAB. 26 (1): 72-85.

Machado, Juliana. 2014. Ilha de Caviana: Sobre as suas paisagens, tempos e transformações. Belém, Amazôn., Rev. Antropol.. v. 6 (2): 283-313.

Marandola, Jr., Eduardo. 2013. Fenomenologia e pós-fenomenologia: alternâncias e projeções do fazer geográfico humanista na geografia contemporânea. Geograficidade, 3(2), 49-64.

Miller, Daniel. 2013. Treco, troços e coisas. Zahar, Rio de Janeiro.

Moraes, Irislane Pereira. 2013. Do tempo dos Pretos d’antes aos Povos do Aproaga: Patrimônio arqueológico e territorialidade quilombola no vale do Rio Capim. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará, Belém.

Murrieta, Rui; Winklerprins, Antoinette. 2009. Flowers of Water: Homegardens and Gender Roles in a Riverine Caboclo Community in the Lower Amazon, Brazil. Culture and Agriculture, v. 25, n. 1, p. 35-47.

Santos, Milton. 2006. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção /4. ed. 2. reimpr. - São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Santos, Queiton Carmo dos. 2019. O tempo e a arqueologia: uma narrativa científica sobre o passado na Amazônia por meio das coisas arqueológicas ao final do século XIX. Temporalidades Revista de História, Belo Horizonte, vol. 11. n. 1, p. 84-99.

Silva, Fabíola Andréa. 2009. Etnoarqueologia: Uma perspectiva Arqueológica para o Estudo da Cultura Material. Métis (UCS), v. 8, p. 121-139.

Silva, Fabíola Andréa. 2012. O plural e o singular das arqueologias indígenas. Revista de Arqueologia SAB. 25 (2): 24-42.

Silva, Fabíola Andréa & Garcia, Lorena Wanessa Gomes. 2015. Território e Memória dos Asurini do Xingu: Arqueologia colaborativa na T. I. Kuatinemu, Pará. Amazôn., Rev. Antropol. 7 (1): 74-99.

Souza, Ana Cristina. 2005. Arqueologia da paisagem e a potencialidade interpretativa dos espaços sociais. Habitus, Go. v.3, n. 2, p. 291-300.

Strathern, Marilyn. 2014 O efeito etnográfico e outros ensaios. Coordenação editorial: Florencia Ferrari. São Paulo: Cosac & Naify.

Thomas, Julian. 1999. A materialidade e o social. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia Suplemento 3: 15-20.

Tuan. Yi-Fu. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel, 1983.

Viveiros de Castro, Eduardo. 2002. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify.

Wagley, Charles. 1957. Uma Comunidade Amazônica: um estudo do homem nos trópicos. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Zedeño, M. 2008. The Archaeology of Territory and Territoriality. In David, B. and Thomas, J. Handbook of Landscape Archaeology. Walnut Creek, CA: Left Coast Press, pp. 210-217.

Downloads

Publicado

2021-08-12

Como Citar

Santos, Q. C. dos. (2021). “De primeiro não era assim”: histórias, paisagens e as coisas da Ilha do Pará, Afuá, Amazônia. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (36), 107-125. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2021.163626

Edição

Seção

Dossiê