Observações prévias sobre a malacofauna em alguns pequenos sambaquis do litoral sul de Santa Catarina

Autores

  • José Heitzmann-Fontenelle Universidade Metropolitana de Santos
  • Anderson Rogério de Oliveira Tognoli Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia
  • Alexandro Demathe Universidade do Sul de Santa Catarina. Grupep Arqueologia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2021.163758

Palavras-chave:

Sambaqui, Arqueomalacologia, Paleoambiente, Santa Catarina, malacofauna

Resumo

Foi realizada a análise da malacofauna presente em seis pequenos sambaquis localizados em Jaguaruna-SC com idades entre 3080 e 580 anos AP (Eliza, Encruzo, Campo Bom I, Campo Bom II, Campo Bom III e Arroio da Cruz I). Foram identificadas 24 espécies de moluscos sendo 10 gastrópodes e 12 bivalves.  pertencentes a 6 e 10 famílias respectivamente. Todas as espécies eram de ambiente marinho ou estuarino com exceção de duas espécies do caracol terrestre Megalobulimus. Constatou-se a existência de dois padrões distintos quanto à constituição da matriz malacológica dos sítios. Nos sambaquis mais antigos (Eliza e Encruzo) havia maior diversidade de espécies sendo a maioria procedentes de um paleoambiente lagunar e estuarino (Anomalocardia brasiliana, Phacoides pectinatus e Erodona mactroides) incluindo manguezal (Cassostrea brasiliana), com grande variação no tamanho intraespecífico e a ocorrência de indivíduos íntegros com as valvas fechadas. Nos sambaquis com datações mais recentes (Campo Bom I, II e III, e Arroio da Cruz I) havia a presença majoritária de espécies do litoral de mar aberto (Mesodesma mactroides e Donax hanleyanus) com maior uniformidade intraespecífica no tamanho, sendo que a matrix malacológica do Campo Bom II diferenciou-se pela ocorrência adicional de grandes indivíduos do bivalve Tivela zonaria e do gastrópode Pachycymbiola brasiliana, inferindo uma construção diferenciada. Este estudo reforçou a importância da avaliação da matriz malacológica em sambaquis como indicativo do paleoambiente e das opções culturais de seus construtores, bem como que a diversidade de espécies poderia sugerir um uso ou função distinta do sítio.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • José Heitzmann-Fontenelle, Universidade Metropolitana de Santos

    Mestre em Zoologia pela Universidade de São Paulo; Professor Assistente na Universidade Metropolitana de Santos, SP; Chefe da Unidade de Medicina Veterinária do Parque Zoobotânico Orquidário de Santos.

  • Anderson Rogério de Oliveira Tognoli, Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia

    Doutorando/bolsista CNPq do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo.

  • Alexandro Demathe, Universidade do Sul de Santa Catarina. Grupep Arqueologia

    Mestre em Preservação e Patrimônio pelo IPHAN/UERJ; Arqueólogo da Universidade do Sul de Santa Catarina

Referências

Aguirre, M.L. 1994. Palaeobiogeography of the Holocene molluscan fauna from northeastern Buenos Aires Province, Argentina: its relation to coastal evolution and sea level changes. Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology 102: 1-26.

Amaral, P.G.C. et al. 2012. Paleoenvironmental reconstruction of a late quaternary lagoon system in southern Brazil (Jaguaruna region, Santa Catarina state) based on multi-proxy analysis. Journal of Quaternary Science 27: 181-191.

Attorre, T. 2015. Por uma arqueologia marginal: as ocupações peri-sambaquieiras no entorno do sambaqui Figueirinha II, Jaguaruna-SC, examinadas através do radar de penetração de solo Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Beauclair, M.; Duarte, M.R.; Silva, E.P. 2016. Sambaquis (shell mounds) and mollusk diversity in the past history of Araruama Lagoon, Rio de Janeiro, Brazil. Panamjas 11: 47-59.

Behling, H. 1995. Investigations into the late pleistocene and holocene history of vegetation and climate in Santa Catarina (S Brazil). Vegetation History and Archaeobotany 4: 127-152.

Bigarella, J.J. 1962. Os sambaquis na evolução da paisagem litorânea sul-brasileira. Boletim Geográfico 171: 648-664.

Caruso Júnior, F. 1992. Geologia dos depósitos de conchas calcárias no estado de Santa Catarina. Geosul 7: 101-146.

DeBlasis, P. et al. 2007. Sambaquis e paisagem: dinâmica natural e arqueologia regional no litoral do sul do Brasil. Arqueología Suramericana/ Arqueologia Sul-americana 4: 29-61.

DeBlasis, P.; Farias, D.S.; Kneip, A. 2014. Velhas tradições e gente nova no pedaço: perspectivas longevas de arquitetura funerária na paisagem do litoral sul catarinense. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 24: 109-146.

DeBlasis, P.; Gaspar, M. 2009. Os sambaquis do sul catarinense: retrospectiva e perspectivas de dez anos de pesquisas. Especiaria – Cadernos de Ciências Humanas 11: 84-126.

Denadai, M.R. et al. 2006. Veneridae (mollusca, bivalvia) da costa norte do estado de São Paulo, Brasil. Biota Neotropica 6: 1-44.

Fairbridge, R.W. 1976. Shellfish-eating preceramic Indians in coastal Brazil: radiocarbon dating of shell middens discloses a relationship with Holocene sea level oscillations. Science 191: 454-459.

Farias, D.S.E.; DeBlasis, P. 2006. Notas prévias sobre a escavação do sítio Galheta IV. In: Anais do V Encontro do Núcleo Regional Sul da Sociedade de Arqueologia Brasileira, 2006, Rio Grande.

Figuti, L. 2008. A recipe for a sambaqui: considerations on Brazilian shell mound composition and building. In: Antczak, A.; Cipriani, R. (Eds.). Early human impact on Megamolluscs. BARS Archaeopress, Oxford, 67-80.

Fish, S.K. et al. 2000. Eventos incrementais na construção de sambaquis, litoral sul do estado de Santa Catarina. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 10: 69-87.

Fogaça, J.; Netto, S.A. 2009. Distribuição e abundância do berbigão Anomalocardia brasiliana no sistema estuarino de Laguna (SC, Brasil). In: Anais do IX Congresso de Ecologia do Brasil, 2009, São Lourenço.

Fontenelle, J.H.; Cavallari, D.C.; Simone, L.R.L. 2014. A new species of Megalobulimus (gastropoda, strophocheilidae) from Brazilian shell mounds. Strombus 21: 40-47.

Gaspar, M. 2000. Sambaqui: arqueologia do litoral brasileiro. Zahar, Rio de Janeiro.

Gaspar, M.; DeBlasis, P.; Bianchini, G. 2018. Corpos e montes: arquitetura da morte e do modo de vida dos sambaqueiros. Memorare 5: 264-282.

Giannini, P.C.F. et al. 2010. Interações entre evolução sedimentar e ocupação humana pré-histórica na costa centro-sul de Santa Catarina, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas 5: 105-128.

Gyllencreutz, R. et al. 2010. Mid- to late-Holocene paleoceanographic changes on the southeastern Brazilian shelf based on grain size records. The Holocene 20: 864-875.

Klokler, D. 2001. Construindo ou deixando um sambaqui?: análise de sedimentos de um sambaqui do litoral meridional brasileiro – processos formativos – região de Laguna, SC. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Klokler, D. 2014. Adornos em concha do sítio Cabeçuda: revisita às amostras de Castro Faria. Revista de Arqueologia 27: 150-169.

Klokler, D. et al. 2010. Juntos na costa: zooarqueologia e geoarqueologia de sambaquis do litoral sul catarinense. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 20: 54-75.

Klokler, D.; Gaspar, M. 2014. Há uma estrutura funerária em meu sambaqui…, esse sambaqui é uma estrutura funerária! In: Gaspar, M.; Souza, S.M. (Orgs.). Abordagens estratégicas em sambaquis. Habilis, Erechim, 109-125.

Kneip, A; Farias, D.; DeBlasis, P. 2018. Longa duração e territorialidade da ocupação sambaquieira na laguna de Santa Marta, Santa Catarina. Revista de Arqueologia 41: 25-51.

Lima, T.A. 2011. Cultura material: a dimensão concreta das relações sociais. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas 6: 11-24.

Luz, J.R.; Boehs, G. 2011. Reproductive cycle of Anomalocardia brasiliana (mollusca: bivalvia: veneridae) in the estuary of the Cachoeira River, Ilhéus, Bahia. Brazilian Journal of Biology 71: 679-686.

Mello, E.M.B.; Coelho, A.C.S. 1989. Moluscos encontrados no sambaqui de Camboinhas, Itaipu, Niterói, estado do Rio de Janeiro, Brasil. Memorias do Instituto Oswaldo Cruz 84: 477-480.

Narchi, W.; Assis, R.C.F. 1980. Anatomia funcional de Lucina pectinata (Gmelin, 1791) lucinidae bivalvia. Boletim de Zoologia 5: 79-110.

Netto, S.A. et al. 2018. Benthic estuarine assemblages from the southern Brazilian marine ecoregion: a benthic perspective. In: Lana, P.C.; Bernardino, A.F. (Eds.). Brazilian estuaries: a benthic perspective. Springer, New York, 177-212.

Odebrechet, C. et al. 2014. Surf zone diatoms: a review of the drivers, patterns and role in sandy beaches food chains. Estuarine, Coastal and Shelf Science 150: 24-45.

Pinotti, R.M. et al. 2014. A review on macrobenthic trophic relationships along subtropical sandy shores in southernmost Brazil. Biota Neotropica 14: e20140069. Disponível em <https://bit.ly/415YG81>. Acesso em: 21/11/2021. https://doi.org/10.1590/1676-6042014006914.

Oliveira, M.D.B.G.; Klokler, D.; Bianchini, G.F. 2014. Arqueologia estratégica: abordagens para o estudo da totalidade e construção de sítios monticulares. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas 8: 517-544.

Prado, L.F. et al. 2014. A mid-Holocene climate reconstruction for eastern South America. Climate of the Past 9: 2117-2144.

Prous, A. 1992. Arqueologia Brasileira. UnB, Brasília.

Rios, E.C. 1985. Seashells of Brazil. Fundação Universidade do Rio Grande, Rio Grande.

Rodrigues, A.M.L.; Borges-Azevedo, C.M.; HenrySilva, G.G. 2010. Aspectos da biologia e ecologia do molusco bivalve Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1791) (Bivalvia, Veneridae). Revista Brasileira de Biociências 8: 477-484.

Rohr, J.A. 1969. Os sítios arqueológicos do município sul-catarinense de Jaguaruna. Pesquisas – Antropologia 22: 1-49.

Scheel-Ybert, R.; Bianchini, G.F.; DeBlasis, P. 2009. Registro de mangue em um sambaqui de pequeno porte do litoral sul de Santa Catarina, Brasil, a cerca de 4900 anos cal BP, e considerações sobre o processo de ocupação do sítio Encantada-III. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 19: 104-118.

Scheel-Ybert, R. et al. 2006. Proposta de amostragem padronizada para macro-vestígios bioarqueológicos: antracologia, arqueobotânica, zooarqueologia. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 15-16: 149-164.

Schwengber, V.L. et al. 2014. Escavação do sambaqui Jaboticabeira V, município de Jaguaruna, sul do estado de Santa Catarina: dados e discussões. Tecnologia e Ambiente 19: 102-124.

Signorelli, J.H. et al. 2019. The genus Dallocardia (mollusca: bivalvia: cardiidae) in the southwestern atlantic ocean. Marine Biodiversity 49: 2754-2774.

Silva, D. et al. 2010. Caracterização físico-química e microestrutural de conchas de moluscos bivalves provenientes de cultivos da região litorânea da ilha de Santa Catarina. Química Nova 44: 1054-1058.

Soccol, G. 2015. Evolução costeira junto ao balneário Arroio Corrente, Jaguaruna/SC. Trabalho de conclusão de curso. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Souza, R.C.C.L; Lima, T.A.; Silva, E.P. 2010. Holocene molluscs from Rio de Janeiro state coast, Brazil. Check List 6: 401-408.

Souza, R.C.C.L.; Lima, T.A.; Silva, E.P. 2011. Conchas marinhas de sambaquis do Brasil. Technical Books, Rio de Janeiro.

Thomé, J.W. et al. 2010. As conchas das nossas praias. Redes, Porto Alegre.

Veitenheimer-Mendes, I.L.; Lopes-Pitoni, V.L. 1995. Moluscos aquáticos atuais de ecossistemas costeiros em Imbituba, Imaruí e Laguna, Santa Catarina, Brasil: parâmetro de caracterização para paleoambientes. Revista Brasileira de Zoologia 12: 429-444.

Villagran, X.S. 2010. Geoarqueologia de um sambaqui monumental: estratigrafias que falam. Annablume, São Paulo.

Villagran, X.S. 2014. O que sabemos dos grupos construtores de sambaquis?: breve revisão da arqueologia da costa sudeste do Brasil, dos primeiros sambaquis até a chegada da cerâmica Jê. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 24: 149-154.

Villagran, X.S.; Giannini, P.C.F. 2014. Shell mounds as environmental proxies on the southern coast of Brazil. The Holocene 4: 1009-1016.

Wagner, G. et al. 2011. Sambaquis (shell mounds) of the Brazilian coast. Quaternary International 249: 51-60.

Zugasti, F.I.G. 2009. Análisis tafonómico en arqueomalacología: el ejemplo de los concheros de la región cantábrica. Krei 10: 54-74.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Dados de financiamento

Como Citar

HEITZMANN-FONTENELLE, José; TOGNOLI, Anderson Rogério de Oliveira; DEMATHE, Alexandro. Observações prévias sobre a malacofauna em alguns pequenos sambaquis do litoral sul de Santa Catarina. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, Brasil, n. 37, p. 230–245, 2021. DOI: 10.11606/issn.2448-1750.revmae.2021.163758. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revmae/article/view/163758.. Acesso em: 17 jul. 2024.