O Teatro de Marcelo: historiografia e percepção do espaço teatral (séc. I a.C.)

Autores

  • Leticia Aga Pereira Passos Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2021.163784

Palavras-chave:

Teatro de Marcelo, Espaço teatral, Reconstituição tridimencional

Resumo

No período de transição entre República e Principado, juntamente com as artes, literatura e arquitetura, a imagem urbana de Roma foi usada pelo Imperador Augusto como uma ferramenta para legitimar o poder de seu novo governo e sua própria imagem. Como herdeiro de Júlio César, o Princeps objetivou modernizar a cidade construindo grandiosos monumentos públicos. Dentre as construções, situa-se a construção do Teatro de Marcelo, um dos maiores teatros do Império Romano. Utilizado pela primeira vez em 17 a.C. para os Jogos Seculares e dedicado formalmente ao sobrinho e herdeiro do Imperador, o teatro era capaz de receber mais de 15.000 pessoas. Apesar das mudanças lógicas inerentes à passagem do tempo e as restaurações realizadas, a estrutura monumental do teatro permanece até os dias atuais. Assim, aprofundando no estudo do espaço físico teatral, buscaremos expor sobre a construção do Teatro de Marcelo, indicando sua estrutura interna e suas inovações arquitetônicas. Por se tratar de um monumento que encontra um certo abandono na historiografia atual, objetivamos uma ampla discussão dos estudos atuais do Teatro de Marcelo, a qual nos fornece a complexidade de suas plantas baixas e suas descobertas arqueológicas. Por fim, iremos apresentar as duas reconstituições tridimensionais encontradas, debatendo sobre o espaço em 3D com as informações historiográficas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leticia Aga Pereira Passos, Universidade Estadual Paulista

Graduou-se em Licenciatura e Bacharelado em História na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), campus de Franca, em 2017. Mestra em História e Cultura Política pela mesma instituição, com recebimento de bolsa CAPES. Foi estagiária no Centro de Documentação de Apoio à Pesquisa Histórica da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais UNESP, por todo ano de 2015, com recebimento de Bolsa de Extensão Universitária (PROEX) - Setembro de 2015 a Dezembro de 2015. Fez estágio de pesquisa na Università degli Studi di Perugia (03 a 26/02/2020). Atua na área de História Antiga, com ênfase em Principado Romano, Teatro de Marcelo, Espaços e Sociabilidade.

Referências

Albuquerque, M. 2017. Tecnologias de construção romanas. Disponível em: <https://bit.ly/3jkSAE4>. Acesso em: 02/09/2019.

Athenaeus. 1854. The Deipnosophists. Translated by C. D. Young. Disponível em: <https://bit.ly/3qyZQA6>. Acesso em: 11/02/2020.

Augustus Caesar. 1967. Res Gestae Divi Augusti: The achievements of The Divine Augustus. Oxford University Press, Oxford. Disponível em: <https://bit.ly/3bzNraU>. Acesso em: 20/06/2020.

Berthold, M. 2001. A história mundial do teatro. Perspectiva, São Paulo,.

Brothers, A.J. 1989. Buildings for entertainment. In: Barton, I.M. (Ed.). Roman public buildings. University of Exeter, Exeter.

Buonfiglio, M. 2010. M. E. Blake e lo sviluppo dell’opus testaceum a Roma: il’ caso del Teatro di Marcello. Musila e Sectilla 7: 109-122.

Buonfiglio, M. 2015. L’utilizzo di laterizi nella costruzione augustea del Teatro di Marcello. In: Anais do Workshop Laterizio, Archeologia dell’architecttura, il laterizio nei cantiere imperiali Roma e il Mediterraneo, 2014, Roma.

Calza-Bini, A. 1953. Il teatro di Marcello: forma e strutture. Centro di Studi per la Storia dell’Architettura, Roma.

Checa, A.M. 2005. Sobre los orígenes helenísticos del modelo teatral romano: los primeros teatros em plano de Italia. Revue archéologique 47: 3-51.

Checa, A.M. 2007. La frons scaenae del Theatrum Marcelli según la forma Urbis Marmorea, primeros planteamientos de un problema abierto. Romula 6: 1-74.

Claridge, A. 2010. Roman an Oxford archeological guide. Oxford University Press, New York, 275-276.

Dio Cassius. 1924. Roman History. Harvard University Press, Cambridge, volume 7, books 56-60.

Fidenzoni, P. 1970. Il Teatro di Marcello. Liber, Roma.

Gonçalves, A.T. 2002. As festas imperiais na Roma antiga: os decennalia e os jogos seculares de Septímio Severo. Mneme 3: 16-34.

Grimal, P. 1978. Teatro antigo. Edições 70, Lisboa.

Grimal, P. 2009. As cidades romanas. Edições 70, Lisboa.

Gutiérrez, O.R. 2004. O teatro romano de Itálica: estudio arqueoarquitectónico. Servicio de Publicaciones de la Universidad Autónoma de Madrid, Madrid.

Hines, T.G. 2003. The ancient theatre archive: greekroman theatre glossary. Whitman College, Walla Walla. Disponível em: <https://bit.ly/3m2RM8G>. Acesso em: 24/09/2019.

Kubity. Theatre of Marcellus with tour. 2017. Disponível em: <https://bit.ly/3rMBwfa>. Acesso em: 10/07/2020.

Lugli G. 1957. La tecnica edilizia romana com particolare riguardo a Roma e Lazio. Roma, Bardi Edizioni.

Martins, M. 2008. Espaços, usos e sociabilidade na cidade antiga: contributos e limites da Arqueologia. In: Silva, G.V.; Silva, É.C.M.; Neto, B.M.L. (Orgs.). Usos do espaço no Mundo Antigo. GM., Vitória, 8-11.

Neto, B.M.L. 2018. A arena pública de Cartago como espaço de recuperação da honor de Apuleio de Madaura. In: Silva, G.V.; Silva, É.C.M.; Neto, B.M.L. (Orgs.). Usos do espaço no Mundo Antigo. GM., Vitória, 106-129.

Polybius. 2012. The Histories. Harvard University Press, Cambridge, volume 6, books 28-39, fragments.

Progetto Traiano. 2014. Teatro di Marcello. Disponível em: <https://bit.ly/3kl0rmn>. Acesso em: 02/07/2019.

Richardson, L. 1992. A new topographical dictionary. Johns Hopkins University Press, Baltimore; London, 384-385.

Rose, P. 2005. Spectators and spectator comfort in roman entertainment buildings: a study in functional design. Papers of the British School at Rome 73: 99-130.

Rossetto, P.C.; Buonfiglio, M. 2010. Teatro di Marcello: analise e riflessione sugli aspetti progettuali e costtrutive. In: Anais do 2. Arqueología de la Construcción, Los Procesos Constructivos em el Mundo Romano: Italia e Provincias Orientales, 2010, Siena.

Sánchez, J.G. 2008. Planos de arquitectos españoles publicado en Roma (s. XIX): el Teatro de Marcelo y el Santuario de Hércules Vencedor. Archivo Español de Arqueología 81: 177-200.

Sear, F.B. 2006. Roman theatres: an architectural study. Oxford University Press, Oxford.

Silva, G.V. 2015. Ordem e desordem na cidade antiga: o teatro entre a tradição clássica e cristã. In: Vieira, A.L.B.; Rosa, C.B. (Orgs.). Teatro grego e romano, história, cultura e sociedade. Editora Uema, São Luís, 251-280.

Stanford Digital Forma Urbis Romae Project. Disponível em: <https://stanford.io/2HqgUHk>. Acesso em: 31/01/2019.

Suetonius. 1914. The Lives of the Caesars: Julius. Augustus. Tiberius. Gaius. Caligula. Harvard University Press, Cambridge.

Taub, L. 1993. The historical fuction of the Forma Urbis Romae. Journal Imago Mundi 45: 9-19.

Valentini, R.; Zucchetti, G. 1940. Codice Topografico della città di Roma. Istituto Storico Italiano per il Medio Evo, Rome, volume 1.

Vitrúvio. 2007. Tratado de arquitetura. São Paulo, Martins.

Vitruvius. 1960. The ten books on architecture. New York, Dover Publications.

Wallace-Hadrill, A. 1988. The social structure of the roman house. Papers of the British School at Rome 56: 43-97. Disponível em: <https://bit.ly/2ITwNHh>. Acesso em: 22/07/2020.

Downloads

Publicado

2021-08-12

Como Citar

Passos, L. A. P. . (2021). O Teatro de Marcelo: historiografia e percepção do espaço teatral (séc. I a.C.). Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (36), 204-225. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2021.163784

Edição

Seção

Dossiê