O modelo de escola que temos prepara os jovens para viverem na sociedade atual?

  • Aglaé Cecília Toledo Porto Alves Secretaria de Estado da Educação de São Paulo
Palavras-chave: Cultura global, Hiper-realidade, Comunidades virtuais, Tecnologias digitais, Escola

Resumo

Sociedade pós-moderna, pós-industrial, sociedade líquida, pós-humano, hiperesfera, inteligência artificial, Web 3.0, indústria 4.0, sociedade do cansaço, ambientação em Marte. Em meio a esta convulsão social, urge refletir sobre o papel da instituição escola na atualidade. Será que ela cumpre sua função primeira, a saber, preparar os jovens para inserção no mundo do trabalho e desenvolver uma consciência social? Como auxiliar as futuras gerações a enfrentar os enormes desafios que se apresentarão em um modelo social que ainda não conhecemos, num mundo no qual a única certeza é a incerteza, onde tudo que era sólido se liquefez? Será suficiente a integração das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação - TDIC nos currículos para que a escola possa resolver os incomensuráveis problemas que enfrenta? Morin afirma que “os homens sempre elaboram falsas concepções de si próprios, do que fazem, do que devem fazer, do mundo onde vivem”. Desta maneira, caberia à escola desvendar a ilusão e ter a coragem de praticar a parresía dos gregos que significa ter a coragem de dizer a verdade sobre si mesmo. A escola deverá ter a coragem de enxergar a si mesma, percebendo suas fragilidades. O modelo árvore, sequencial, linear, imposto ao longo dos tempos já não contempla uma sociedade rizomática, na qual há a multiplicidade dos múltiplos. O mundo jamais será igual após o advento das TDIC. A inteligência artificial e a simbiótica relação entre homem e máquina mudarão radicalmente a maneira de o humano ser, estar e perceber o mundo. Não haverá como o homem competir com a máquina. Desta maneira, não caberá à escola formar tecnocratas para o mundo do trabalho, mas resgatar aquilo que o humano tem de melhor, que é sua subjetividade, sua capacidade de sentir, sua singularidade, sua unicidade em meio à multiplicidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aglaé Cecília Toledo Porto Alves, Secretaria de Estado da Educação de São Paulo

Doutora em Comunicação e Semiótica e Mestre em Educação pela PUCSP, Bióloga pela USP, participou de cursos nas Universidades de Sèvres, Salamanca e Londres. Coordenadora de Tutoria do MGME Gestores e professores de Ciências - FGV, professora do PEC e COGEAE/ PUCSP, autora e professora de curso na Belas Artes e Supervisora de Ensino da Diretoria Norte 2.

Referências

Baudrillard, J. 1991. Simulacros e simulação. Relógios d’Água, Lisboa.

Bauman, Z. 2008. Medo líquido. Jorge Zahar, Rio de Janeiro.

Benjamin, W. 1994. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. Brasiliense, São Paulo.

Bergson, H. 2006. Memória e vida. Martins Fontes, São Paulo.

Confúcio. 2007. Os analectos. L&PM, Porto Alegre.

Deleuze, G.; Guattari, F. 1995. Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia. Editora 34, Rio de Janeiro, v. 1, 2 e 3.

Foucault, M. 1999. As palavras e as coisas. 8. ed. Martins Fontes, São Paulo.

Guattari, F. 1990. As três ecologias. Papirus, Campinas.

Merleau-Ponty, M. 2002. A prosa do mundo. Cosac & Naify, São Paulo.

Merleau-Ponty, M. 2007. O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva.

Morin, E. 2000. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Unesco; Cortez.

Schopenhauer, A. 2003. Metafísica do belo. Editora da Unesp, São Paulo.

Publicado
2019-11-21
Como Citar
Alves, A. C. (2019). O modelo de escola que temos prepara os jovens para viverem na sociedade atual?. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (32), 41-48. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2019.164179