Os rituais nos balneários do noroeste da Península Ibérica

  • Silvana Trombetta Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia. Laboratório de Roma Provincial
Palavras-chave: Balneários, Rituais, Cultura castreja, Guerreiro, Arqueologia ibérica

Resumo

Os balneários existentes na região Cantábrica e no Entre-Douro-e-Minho têm sido objeto de pesquisas acadêmicas que visam detectar os usos destas construções monumentais bem como os rituais que abrigavam. As construções pétreas existentes na região Cantábrica são aparentemente mais antigas (século IV ou III a.C.), embora haja controvérsias sobre sua cronologia. Além disso, situavam-se junto à porta de entrada dos castros em contraposição às existentes na região do Entre-Douro-e-Minho, implantadas longe dos assentamentos e cujas construções em pedra teriam sido realizadas entre os séculos I a.C – I d.C. Não obstante as significativas diferenças, haveria em ambas banhos rituais interligados ao papel do guerreiro na sociedade galaica, nos quais o calor, a água, a terra e o ar seriam elementos atuantes no processo de regeneração do combatente após a batalha ou no processo de iniciação do guerreiro em sua função bélica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana Trombetta, Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia. Laboratório de Roma Provincial

Mestre e doutora em Arqueologia pelo MAE/USP. Pesquisadora Associada do Laboratório de Arqueologia Romana Provincial, LARP-MAE/USP

Referências

Estrabão. 1903. The Geography of Strabo. Hamilton, H.C., Falconer, M.A. (Ed.) George Bell & Sons, Londres. Disponível em: http://www.perseus.tufts.edu/hopper/text?doc= Perseus:text:1999.01.0239 . Acesso em 10 jun.2018 .

Silio Itálico – Punica. Walter Coventry Summers, John Percival Postgate (Ed.) Disponível em: http://www.perseus.tufts.edu/hopper/text?doc =Perseus%3Atext%3A2008.01.0674%3Abook% 3D3 . Acesso em 10 jun.2018.

Almagro, G.; Sanchís, J. R. A. 1993. Saunas y baños iniciáticos en el mundo céltico. Cuadernos de arqueología de la Universidad de Navarra, ISSN 1133-1542, N° 1: 177-254. Disponível em: https://dadun.unav.edu/bitstream/10171/ 14389/1/Almagro-Gorbea-%C3%81lvarez Sanch%C3 % ADs.pdf . Acesso em: 17 jun 2018 .

Parcero, C.; Cobas, I. 2004. Iron Age Archaeology in the northwest Iberian Peninsula. e-Keltoi: Journal of Interdisciplinary Celtic Studies (6): 1-72. Disponível em: https://www4.uwm.edu/celtic/ekeltoi/volu-mes/vol6/6_1/parcero-cobas_6_1.pdfl. 6 . Acesso em 18 jun 2018 .

Quintela, M. V. G. 2016. Sobre las saunas de la Edad del Hierro en la Península ibérica: novedades, tipologías e interpretaciones. Complutum, Vol. 27 (1):109-130. Disponível em: http://revistas.ucm.es/index. php/CMPL/article/view/53219/0 . Acesso em 11 jun 2018 .

Silva, A. C. F. 2007. A cultura castreja no noroeste de Portugal. Câmara Municipal de Paços de Ferreira, Paços de Ferreira.

Silva, A. C. F. 2004. Los pueblos lusitanos-galaicos. In: Almagro-Gorbea et alii (Eds.) Celtas y Vettones. Institución Gran Duque de Ávila. Real Academia de La Historia, Ávila: 334-349. Disponível em: https://archive.org/details/CELTArqCELTASYVETONESALMAGROEtAliiLivro . Acesso em 10 jun 2018 .

Silva, A. C. F. 1995. A evolução do habitat castrejo e o processo de proto-urbanização no noroeste de Portugal durante o I Milênio a.C. Revista da Faculdade de Letras. História. N.12: 505-546. Disponível em: http://ler.letras.up.pt/uploads/ ficheiros/2036.pdf . Acesso em: 17 de jun 2018 .

Sopeña, G. 2005. Celtiberian ideologies and religion. e-Keltoi – The Celts in the Iberian Peninsula, Vol.6: 347-410. Disponível em: http://www4.uwm.edu/celtic/ekeltoi/volumes/vol6/6_7/sopena_6_7.html . Acesso em: 26 de jun de 2018 .

Villa-Valdés, A. 2000. Saunas Castreñas en Astúrias. In: Ochoa, C. F.; Garcia Entero, V. (Eds.) Termas romanas en el Occidente del lmperio, II Coloquio Internacional. Gijón: 97-114. Disponível em: http://www.castrosdeasturias.es/descargas/691-villa- valdes-2000.-saunas-castreas.-congreso-gijon.pdf . Acesso em: 15 jun 2018 .

Villa-Valdés, A. 2012. Santuários “urbanos” en la protohistoria cantábrica: algunas consideraciones sobre El significado y función de las saunas castreñas. Boletin del Real Instituto de Estudios Asturianos n.177. Oviedo: 9-46. Disponível em: http://www.castrosdeasturias.es/ descargas/830- villa-valdes-a.-2012.-santuarios-protohistoricos.pdf . Acesso em 16 jun 2018.

Publicado
2019-11-21
Como Citar
Trombetta, S. (2019). Os rituais nos balneários do noroeste da Península Ibérica. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (32), 96-107. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2019.164239