Uma visita aos índios do rio Trombetas

Autores

  • Gottfried Polykrates Museum für Völkerkunde Hamburg
  • Marcelo Victor Universität Leipzig

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2021.182627

Palavras-chave:

Índios, Trombetas, Katxuyana, Kahyana, Festas

Resumo

Sendo um dos produtos de um mapeamento etnográfico feito ao longo do rio Trombetas e afluentes, nesse texto de 1957, Polykrates trata de alguns aspectos da vida e cultura do povo Katxuyana, à época identificado como Kashuiéna, e autodenominado Uarikiana. Além de abordar o modo de vida e cultura material do povo visitado, Polykrates descreve a festa Kurínguri, a qual pode presenciar  durante a sua visita a uma de suas aldeias no rio Cachorro. Neste relato de viagem também são mencionados os seguintes povos como então habitantes do rio Trombetas e vizinhanças: Kahiána (ou Kahianá), Tunajéna, Pianacotó.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Gottfried Polykrates, Museum für Völkerkunde Hamburg

    Nascido na Grécia, em 1927, foi alpinista e instrutor no exército grego de técnicas de guerra realizadas em períodos de inverno. Após a Guerra Civil na Grécia, chegou à Dinamarca, onde viveu de 1952 a 1969. Nesse período, realizou várias viagens como etnógrafo amador, e em cinco delas visitou indígenas na floresta amazônica. Paralelamente às viagens para a América do Sul, também realizou outras expedições de caráter “semicientífico” enquanto vivia na Dinamarca. Essas expedições o levaram a países como Camarões, Líbia, Etiópia, Ruanda, Burundi, Zanzibar, Tanzânia e Bahrein. Polykrates terminou sua carreira como viajante em 1971, alguns anos depois de ter se mudado para a Áustria com sua família.

  • Marcelo Victor, Universität Leipzig

    Possui graduação em Letras pela Universidade de São Paulo (2010), mestrado em Letras (Língua e Literatura Alemã) pela Universidade de São Paulo (2014) e doutorado em Estudos da Tradução pela Universidade de São Paulo (2019). Atuou como professor substituto da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

Coudreau, O. 1900. Voyage au Trombetas. A. Lahure, Paris.

Frikel, G. P. 1953. Kamáni. Costumes e preceitos dos índios Kachúyana a respeito do curare. Revista do Museu Paulista 7: 257-274.

Frikel, G. P. 1955. Tradições histórico-lendárias dos Kashuyana e Kahuyana. Revista do Museu Paulista 9: 203-233.

Frikel, G. P. 1957. Zur linguistisch-ethnologischen Gliederung der Indianerstämmevon Nord-Pará (Brasilien) und den anliegenden Gebieten. Anthropos 52: 509 563.

Gillin, J.1948.Tribes of the Guianas and the left Amazon tributaries. In: The Tropical forest tribes.Smithsonian Institution, Washington, Part 5, 799 860.

Hilbert, P.P. 1955. A cerâmica arqueológica da região de Oriximiná. Instituto de Antropologia e Etnologia do Pará, Belém.

Kruse, A.1955.Purá, das höchste Wesen der Arikéna. Anthropos 50: 404-416.

Speiser, F.1926. Im Düster des brasilianischen Urwalds. Strecker und Schröder Verlag, Stuttgart.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

POLYKRATES, Gottfried. Uma visita aos índios do rio Trombetas. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, Brasil, n. 37, p. 47–56, 2021. DOI: 10.11606/issn.2448-1750.revmae.2021.182627. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revmae/article/view/182627.. Acesso em: 17 jul. 2024.