Fotogrametria na arte rupestre do sítio Templo dos Pilares, Alcinópolis-Mato Grosso do Sul

Autores

  • Thaiane Coral Fernandes Lima Universidade Federal da Grande Dourados
  • Beatriz dos Santos Landa Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2021.188129

Palavras-chave:

Arte rupestre, Arqueologia, Fotogrametria, Templo dos Pilares, Alcinópolis-MS

Resumo

A Arte Rupestre permanece em perigo de desaparecimento, seja por parte de situações de impactos promovidos pelo meio ambiente que está inserida, como as alterações de temperaturas no interior dos abrigos e cavernas que provocam fraturas nas rochas, ou por fatores de interferência humana como no estado de MS devido a prática inapropriada da caça, acarretando degradação ambiental e destruição de bens de natureza arqueológica. Em razão do risco, precauções devem ser tomadas para que conhecimento possa ser produzido in situ e amostras analisadas em laboratório. Os avanços tecnológicos podem contribuir para a obtenção de parte considerável destes dados, através da combinação de softwares que gerem o processamento de imagens em 3D, que podem ser usadas das mais diversas maneiras. Este trabalho é o resultado de quationamentos levantados ao longo de pesquisa de mestrado realizada no sítio Templo dos Pilares, localizado no município de Alcinópolis-MS, cujo objetivo foi produzir e analisar dados de arte rupestre por meio de softwares computacionais através do método de fotogrametria. O procedimento possibilitou o processamento e a praticidade no manejo dos dados obtidos do sítio, e das análises produzidas no local, provando-se um método que contribui para a precisão das imagens em 3D, com vistas à conservação, preservação e valorização do patrimônio arqueológico do sítio.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Thaiane Coral Fernandes Lima, Universidade Federal da Grande Dourados

    Graduada em História Licenciatura/Bacharelado pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia, área de concentração em Antropologia Sociocultural. 

  • Beatriz dos Santos Landa, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

    Pós-doutora. Professora da Universidade Estadual de
    Mato Grosso do Sul (UEMS)

Referências

Abrahan, J.F. 2017. Grande casa Guarani: design e cultura. Trabalho de conclusão de curso. Universidade Católica Dom Bosco,: Campo Grande, 2017.

Aguiar, R.L.S. 2002. Manual de arqueologia rupestre: uma introdução ao estudo da arte rupestre na ilha de Santa Catarina e ilhas adjacentes. Florianópolis: Ioesc, Florianópolis.

Aguiar, R.L.S..2012a. “Alcinópolis:. na capital da arte rupestre de Mato Grosso do Sul grafismos são testemunhos da vida na pré-história’. , Revista Geo, v. 39:, p. 110, 2012.

Aguiar, R.L.S. 2012b.Arte rupestre: conceitos introdutórios. (2012). [s. d.], [s. l.].Disponível em: www.scribd.com/rodrigo_simas_aguiar.

Aguiar, R.L.S. 2014. Arte rupestre em Mato Grosso do Sul. Dourados, MS: Ed. UFGD, Dourados.

Aguiar, R.L.S. 2016.Templo dos Pilares – Alcinópolis. Dourados, MS: Ed. Laboratório de Arqueologia UFGD,Dourados 2016.

Aguiar, R.L.S. 2017. Petroglyphs of footprints in the Brazilian state of Mato Grosso do Sul: genesis and stylistic diffusion. Acta Archaeologica (Papirform), v. 88:, p. 205-216, 2017. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1600-0390.2017.12185.x. Acessado em: agosto 2018.

Aguiar, R.L.S.; Lima, K.M. 2012a. A arte rupestre em cavernas da região noroeste de Mato Grosso do Sul: discussões preliminares. Espeleo-Tema (São Paulo), v. 23:, p. 117-125.

Aguiar, R.L.S.; Lima, K.M. 2012b. Quantos estilos pode haver em um mesmo complexo rupestre? Considerações acerca das pinturas rupestres do distrito de Taboco, município de Corguinho (MS). Clio. Série Arqueológica (UFPE), v. 27:,1-14p.

Aguiar, R.L.S.; Lima, K.M.; Freitas, L.G. 2012. Continuidades e transformações nas manifestações rupestres da tradição planalto em Mato Grosso do Sul, Brasil. O caso das pinturas rupestres do município de Rio Negro. Revista Diálogos, v. 16, p. 997-1026.

Aguiar, R.L.S.; Oliveira, J. E. de. 2010. O uso da reprodução digital no registro e catalogação de figuras de arte rupestre em situações de impacto e alto risco. Diálogos (Maringá), v. 14:, p. 329-344.

Kashimoto, E.M.; Martins, G.R. 2009. Arqueologia e paleoambientedo Rio Paraná em Mato Grosso do Sul. Campo Grande, MS: Editora Life, Campo Grande.

Lima, K.M. 2014. A arte rupestre no município de Alcinópolis – MS. Dissertação de (mestrado.em Antropologia) – Universidade Federal da Grande Dourados-UFGD, Dourados.

Martins, G.R.; Kashimoto, E.M. 2012.12.000 anos: arqueologia do povoamento humano no nordeste de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: FIC-FCMS/Life,Campo Grande.Ed.

Pessis, A.M.et al. 2014. Modelos tridimensionais na análise de pinturas rupestres. In: Pessis, A.M.; Martin, G.; Guidon, N. (Orgs.). Os biomas e as sociedades humanas na pré-história da região do Parque Nacional Serra da Capivara, Brasil: volume II B. São Paulo, ed. A&A Comunicação, 2014, São Paulo, volume II B,p. 663-694.

Schimitz, P.I. 1999. Caçadores-coletores do Brasil Central. In: Tenório, M.C. (Org.). Pré-história da Terra Brasilis. Org: Maria Cristina Tenório. Rio de Janeiro: Ed UFRJ, Rio de Janeiro, p 75-88.

Schimitz, P. 2005. Palestra de abertura da Reunião da Sociedade de Arqueologia Brasileira. Campo Grande.

Souza, J.C. de.; Aguiar, R.L.S. 2017. A escavação no sítio arqueológico Templo dos Pilares e sua relação com a ocupação humana e a produção de arte rupestre em Mato Grosso do Sul. Clio Arqueológica, V32:N2,p.118-138.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

LIMA, Thaiane Coral Fernandes; LANDA, Beatriz dos Santos. Fotogrametria na arte rupestre do sítio Templo dos Pilares, Alcinópolis-Mato Grosso do Sul. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, Brasil, n. 37, p. 149–163, 2021. DOI: 10.11606/issn.2448-1750.revmae.2021.188129. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revmae/article/view/188129.. Acesso em: 17 jul. 2024.