A música no programa de poder de Nero: a evidência das moedas

Autores

  • Fábio Vergara Cerqueira Universidade Federal de Pelotas
  • Caroline Melo Armesto Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2023.211395

Palavras-chave:

Música, Nero, Poder, Moedas, Apolo citaredo

Resumo

O presente estudo tem como objetivo analisar a relação entre a música e o poder imperial de Nero, explorando, em particular, a representação do imperador como Apolo citaredo nas moedas cunhadas durante sua turnê pela Grécia entre 66 a 67 d.C. Por meio da iconografia dessas moedas, busca-se compreender as intenções políticas e culturais subjacentes à imagem de Nero como Apolo citaredo. A análise proposta neste estudo sugere que o filelenismo neroniano deve ser entendido como um projeto político e cultural que envolve a experiência estética, e não como uma simples manifestação da afeição pessoal de Nero pela cultura grega.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Fábio Vergara Cerqueira, Universidade Federal de Pelotas

    Professor Titular do Departamento de História da Universidade Federal de Pelotas. Bolsista Produtividade CNPq PQ1d em Arqueologia e Membro do COSAE/CNPQ - Comitê de Assessoramento em Antropologia, Arqueologia, Ciência Política, Direito, Relações Internacionais e Sociologia. Pesquisador Visitante na Universidade de Heidelberg - Instituto de Arqueologia Clássica. Pesquisador da Fundação Humboldt/Alemanha - modalidade Pesquisador Experiente - Arqueologia Clássica (desde 2014). Chercheur résident / pesquisador residente na École française de Rome. Graduou-se no curso de Licenciatura em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1989) e concluiu doutorado em Antropologia Social, com concentração em Arqueologia Clássica, pela Universidade de São Paulo (2001). Coordenador do Programa de Pós-Graduação em História da UFPel (2015-2017). Leciona nos cursos de História Licenciatura e Bacharelado, Antropologia/Arqueologia Bacharelado. Entre 2006 e 2009, professor do Mestrado em Ciências Sociais. Desde 2007, professor permanente dos Cursos de Doutorado e Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural/UFPel, e, desde 2009, dos Cursos de Mestrado e Doutorado em História/UFPel. Nesta universidade, foi diretor do Instituto de Ciências Humanas por dois mandatos (2002-2010), coordenador do Programa de Pós-graduação em História - Mestrado e Doutorado (2015-2017, 2020-2021), coordenador do Curso de História (2000-2002), idealizador e coordenador do Laboratório de Antropologia e Arqueologia - LEPAARQ (2001-2012), do Museu Etnográfico da Colônia Maciel (desde 2006), do Museu da Colônia Francesa (desde 2015), do Laboratório de Estudos da Cerâmica Antiga LECA (desde 2011) e do Circuito de Museus Étnicos (desde 2008). Foi Presidente (2001-2003) e Vice-Presidente (2004-2005) da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos, tendo sido Presidente do V Congresso da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos (SBEC), realizado em 2003. Foi coordenador nacional do GT de História Antiga da Associação Nacional de História (ANPUH) entre 2007 e 2008. Editor adjunto das revistas Cadernos do Lepaarq (UFPel) e Interfaces Brasil - Canadá. Entre outros, Integrou ou integra os conselhos editoriais dos seguintes periódicos: TELESTES. An International Journal of Archaeomusicology and Archaeology of Sound (Roma); Dimensões. Revista de História (UFES); Metis (UCS); Cadernos do LEPAARQ. Textos de Antropologia, Arqueologia e Patrimônio (UFPEL); Justiça & História (Tribunal de Justiça do RS); Memória em Rede (UFPel); Patrimônio e Memória (UNESP); Plêthos (UFF); Romanitas (UFES) e Classica. Revista da SBEC. 

  • Caroline Melo Armesto, Universidade Federal de Pelotas

    Bacharela em História pela Universidade Federal de Pelotas (2022). Atualmente, é graduanda em Licenciatura em História pela mesma instituição. É pesquisadora integrante do Laboratório de Estudos sobre a Cerâmica Antiga (LECA-UFPel) e bolsista do projeto de extensão Jornada de História Antiga. Possui interesse em História Antiga, Arqueologia Clássica, Literatura Latina e Numismática.

Referências

Suetônio. 2003. Os doze césares. Tradução de Gilson César Cardoso de Sousa. Germape, São Paulo.

Tácito. 1952. Anais. Tradução de José Liberato Freire de Carvalho. W.M. Jackson Inc. Editores, São Paulo.

Quintiliano. 2010. Educação oratória (Livro X). In: Rezende, A.M. Rompendo o silêncio: a construção do discurso de Quintiliano. Tradução de Antônio Martinez de Rezende. Crisálida, Belo Horizonte.

Referências bibliográficas

Armesto, C.M. 2022. As representações do imperador Nero como Apolo citaredo na iconografia numismática entre os anos de 62 e 68 d.C. Monografia de conclusão de curso. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas.

Bélis, A. 1989. Néron musicien. Comptes Rendus des Séances de l’Académie des Inscriptions et Belles-Lettres 133: 747-768.

Bergmann, M. 2013. Portraits of an Emperor-Nero, the Sun, and Roman Otium. In: Buckley, E.; Dinter, M. (Ed.). A Companion to the Neronian Age. Wiley-Blackwell, Malden, 332-362.

Carlan, C. 2006. Numismática romana: teoria e método: a arte a serviço do Estado. Anais do II Encontro de História da Arte, 2006.

Champlin, E. 2003. Nero. Harvard University Press, Cambridge.

Coelho, A.L.S. 2021. As Metamorfoses de Nero: um estudo da construção da tradição literária sobre o último Júlio-Cláudio e o seu Principado (I-III d.C.). Tese de doutorado. Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana.

Ercoles, M. 2014. Dressing the citharode: a chapter in Greek musical and cultic imagery. In: Harlow, M.; Nosch, M.L. (Ed.). Greek and Roman textiles and dress: an interdisciplinary anthology. Oxbow Books, Oxford, 95-110.

Fantham, E. 2013. The performing prince. In: Buckley, E.; Dinter, M. (Ed.). A Companion to the Neronian Age. Wiley Blackwell, Malden, 15-28.

Glare, P.G.W. (Ed.). 1968. Oxford latin dictionary. Oxford University Press, Oxford.

Griffin, M.T. 2001. Nero: the end of a dynasty. Routledge, London.

Lang, P.H. 1997. Music in Western civilization. Norton, New York.

Lissarrague, F. 1987. Un flot d’images: une esthétique du banquet grec. Adam Brio, Paris.

Mattingly, H. 1923. Coins of the Roman Empire in the British Museum. Longmans & Co, London.

Mratschek, S. 2013. Nero the imperial misfit: philhellenism in a rich man’s world. In: Buckley, E.; Dinter, M. (Ed.). A Companion to the Neronian Age. Wiley-Blackwell, Malden, 45-62.

Paquette, D. 1984. L’instrument de musique dans la céramique de la Grèce antique. Diffusion de Boccard, Paris.

Pesavento, S.J. 2013. História & história cultural. Autêntica, Belo Horizonte.

Power, T.C. 2010. The culture of Kitharôidia. Cambridge University Press, Cambridge.

Rizakis, A. 1984. Munera gladiatoria à Patras. Bulletin de Correspondance Hellénique 108: 533-542.

Sarti, S. 2003. La cithara greca nei documenti archeologici. Revue Belge de Philologie et d’Histoire, 81: 47-68.

Vendries, C. 1999. Instruments à cordes et musiciens dans l’Empire romain. L’Harmattan, Paris.

Vergara Cerqueira, F. 2007. A imagem pública do músico e da música na Antiguidade clássica: desprezo ou admiração?História, 26: 63-81.

Vergara Cerqueira, F.; Vizentin, M. 2008. Imagens do poder em Sêneca: estudos sobre o De Clementia. Phoînix, 14: 389-394.

Vergara Cerqueira, F. 2019. Música e poder imperial: Nero, Adriano e Juliano. Phoînix, 25: 141-166.

Vergara Cerqueira, F. 2020. A música no período imperial: a iconografia de Aquiles mousikos. In: Brandão, J.L.; Oliveira, F. (Orgs.). História de Roma Antiga: vol. II: império e romanidade hispânica. Imprensa da Universidade de Coimbra, Coimbra, 407-432.

Vergara Cerqueira, F. 2021. O debate sobre a educação musical na Política de Aristóteles. In: Coronel Ramos, M.A. (Org.).

Overarching Greek trends in European Philosophy. John Benjamin’s Publishing Company, Amsterdam, 73-88.

Vizentin, M. 2005. Imagens do poder em Sêneca: estudos sobre o De Clementia. Ateliê Editorial, São Paulo.

Wegner, M. 1963. Musikgeschichte in Bildern. Band II: Musik des Altertums. Lieferung 4: Griechenland. Leipzig: DVFM –Deutscher Verlag für Musik.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Edição

Seção

Estudos iconográficos (Antiguidades mediterrânicas e pré-colombianas)

Como Citar

CERQUEIRA, Fábio Vergara; ARMESTO, Caroline Melo. A música no programa de poder de Nero: a evidência das moedas. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, Brasil, n. 41, p. 122–131, 2023. DOI: 10.11606/issn.2448-1750.revmae.2023.211395. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revmae/article/view/211395.. Acesso em: 21 jul. 2024.