Os epigramas IG3 503 e 504: uma reavaliação

  • Robert de Brose Universidade Federal do Ceará. Departamento de Letras Estrangeiras do Centro de Humanidades
Palavras-chave: Epigrafia, Epigrama, Filologia Clássica, Simônides, Maratona

Resumo

O objetivo do presente artigo é reunir e reavaliar a produção intelectual sobre os epigramas IG3 503/504, atribuídos a Simônides de Ceos, integrando os resultados obtidos pela Arqueologia, principalmente através da Epigrafia, àqueles da Filologia Clássica e da História. Um dos objetivos principais deste artigo é demonstrar que a hipótese de que as inscrições tenham sido feitas por artesões distintos é insustentável e, a partir daí, avaliar como isso causa impacto em nossa idéia da natureza e função dos epigramas. Reforçar-se-á o caráter comemorativo, não-fúnebre, dos mesmos e demonstrar-se-á que eles não poderiam ter sido inscritos em um monumento a ser colocado no Cerâmico de Atenas. Por outro lado, aventar-se-á a possibilidade de as inscrições terem feito parte de um monumento de guerra ou oferenda votiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robert de Brose, Universidade Federal do Ceará. Departamento de Letras Estrangeiras do Centro de Humanidades
Doutorando em Língua e Literatura Clássicas da Universidade de São Paulo-USP. Departamento de Letras Estrangeiras do Centro de Humanidades da Universidade Federal do Ceará-UFC
Publicado
2008-12-09
Como Citar
Brose, R. (2008). Os epigramas IG3 503 e 504: uma reavaliação. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (18), 239-257. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2008.89838
Seção
Artigos