Dentes intencionalmente modificados e etnicidade em cemitérios do Brasil Colônia e Império

  • Andersen Liryo Universidade Federal do Rio de Janeiro. Museu Nacional. Departamento de Antropologia
  • Sheila Mendonça de Souza Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Escola Nacional de Saúde Pública. Departamento de Endemias Samuel Pessoa
  • Della Collins Cook Universidade de Indiana. Departamento de Antropologia
Palavras-chave: Modificação dentária intencional, Escravidão, Arqueologia histórica, Bioarqueologia, Brasil, África

Resumo

A modificação intencional dos dentes foi muito difundida na África, vindo com escravos para a América. No Brasil foram encontradas em alguns sítios arqueológicos, sendo aqui estudadas em dois cemitérios históricos do Brasil: Pretos Novos, no Rio de Janeiro (único cemitério de um mercado de escravos na América), e cemitérios da antiga Sé de Salvador. Entre 570 dentes (30 indivíduos) dos Pretos Novos foram encontrados 13 dentes modificados. Entre 3181 dentes da Sé (62 enterros primários do séc. XVIII, e número indeterminado de re-deposições de outros períodos) foram encontrados 122 dentes modificados. Sua análise resultou em 13 tipos de modificações, a maior parte nos incisivos centrais superiores, e 10 tipos de arcos dentários modificados, evidenciando-se a técnica de percussão e lascamento dos dentes na maior parte dos casos. O achado de diferentes estilos de modificações sugere diferentes origens geográficas para os escravos do Rio e Salvador, o que é consistente com os dados históricos. No adro da Sé, a proximidade de enterros com modificações dentárias semelhantes sugere laços étnicos ou sociais, talvez de parentesco, entre os mortos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2011-12-09
Como Citar
Liryo, A., Souza, S., & Cook, D. (2011). Dentes intencionalmente modificados e etnicidade em cemitérios do Brasil Colônia e Império. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (21), 315-334. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2011.89979
Seção
Artigos