[1]
R. de Brose, “Os epigramas IG3 503 e 504: uma reavaliação”, Rev. Mus. Arqueol. Etnol., nº 18, p. 239-257, dez. 2008.