Sítio Hatahara: estruturas funerárias, residenciais ou ambas?

Autores

  • Eduardo Kazuo Tamanaha Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia
  • Anne Rapp Py-Daniel Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2594-5939.revmaesupl.2009.113509

Palavras-chave:

Montículo - Sepultamento - Amazônia Central

Resumo

Nesse artigo apresentamos dois estudos sobre montículos e sepultamentos encontrados no Sítio Hatahara, Amazônia Central, no Estado do Amazonas, Brasil, sendo a problemática principal compreender a relação entre a formação dos montículos e os vários sepultamentos nele encontrados. A maior parte dos sepultamentos e montículos conhecidos na região de estudo pertencem à fase Paredão (entre os séculos VII a XII D.C). Com a análise das cerâmicas do montículo II percebeu-se que estas foram utilizadas como material de construção e que sua seleção se fez em função do tamanho e não da decoração (fato atestado no montículo I por Machado, 2005). A presença de sepultamentos diferentes da mesma fase, antes e após a construção do montículo I, indica ocupações longas com rituais variados (Rapp Py-Daniel 2007). Cruzando dados provenientes das análises cerâmicas e dos sepultamentos com as datações, percebemos o quanto a variedade pode ser importante dentro de uma única fase arqueológica

Biografia do Autor

Eduardo Kazuo Tamanaha, Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia

Aluno de Iniciação Científica do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo. Bolsista FAPESP

Anne Rapp Py-Daniel, Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia

Mestranda do Programa de Pós-graduação do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo

Downloads

Publicado

2009-09-10

Como Citar

Tamanaha, E. K., & Rapp Py-Daniel, A. (2009). Sítio Hatahara: estruturas funerárias, residenciais ou ambas?. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia. Suplemento, (supl.8), 63-73. https://doi.org/10.11606/issn.2594-5939.revmaesupl.2009.113509

Edição

Seção

Comunicações