Liberalização interrompida

Autores

  • Adilson de Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de Economia.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i104p51-62

Palavras-chave:

sistema elétrico, liberalização econômica, mercado atacadista de energia, risco de racionamento.

Resumo

O regime monopolista operado com tarifas pelo custo do serviço permitiu ao sistema elétrico mover-se em um círculo virtuoso de expansão com tarifas cadentes durante décadas. Esse círculo rompeu-se no último quartil do século passado, quando mudanças no contexto econômico criaram fortes pressões sobre os custos setoriais. Deslanchada no governo FHC, a liberalização do mercado elétrico foi interrompida no governo Lula criando dois paradoxos: 1) custos técnicos baixos, porém tarifas elevadas; 2) margem de reserva elevada, contudo o risco de racionamento de energia é permanente. Esses problemas têm sua origem nas inconsistências do mercado de energia. Dar continuidade ao processo de liberalização do mercado elétrico é condição sine qua non para que o risco recorrente de racionamento seja removido e o sistema elétrico volte a operar em um círculo virtuoso de expansão.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Adilson de Oliveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de Economia.

    professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

ARMAND, M.; TARASCON, J. M. “Building Better Batteries”, in Nature, 451, February, 2008, pp. 652-7.

BEESLEY, M. E.; Littlechild, S. C. “The Regulation of Privatized Monopolies in the United Kingdom”, in Rand Journal of Economics, vol. 20, number 3, 1989.

CHRISTENSEN, L. R.; GREENE, W. H. “Economies of Scale in U.S. Electric Power Generation”, in Journal of Political Economy, Chicago University Press, 1976.

D’ARAUJO, R. P. Setor Elétrico Brasileiro: uma Aventura Mercantil. Rio de Janeiro, Confea-Crea, 2009.

DAVID, P. A.; WRIGHT, G. “General Purpose Technologies and Surges in Productivity: Historical Reflections on the Future of the ICT Revolution”, in Discussion Papers in Economic and Social History, University of Oxford, 1999.

DE OLIVEIRA, A. Electricity System Performance: Options and Opportunities for Developing Countries. Luxemburgo, Coped/CEC, 1992.

DIXIT, A.; PINDYCK, R. Investiment under Uncertainty. Princeton, Princeton University Press, 1994.

. “The Political Economy of the Brazilian Power Industry”, in D. Victor; T. Heller. Economy of the Power Sector Reform. Cambridge University Press, 2007.

HART, O. Firms, Contracts, and Financial Structure. New York, Oxford University Press, 1995.

HUNT, S.; SHUTTLEWORTH, G. Competition and Choice in Electricity. West Sussex, Wiley, 1996.

KAHN, A. The Economics of Regulation: Principles and Institutions. Cambridge, MIT Press, 1988.

LEITE, A. Dias. A Energia do Brasil. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1997.

MEDEIROS, R. O Capital Privado na Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro. Tese de mestrado. Rio de Janeiro, Coppe/UFRJ, 1993.

STOFT, S. Power Sytem Economics. New York, The Institute of Electrical and Electronics Engineers/Wiley and Sons, 2002.

SURREY, J. The British Electricity Experiment. London, Earthcan Publication, 1996.

Downloads

Publicado

2015-03-05

Edição

Seção

Dossiê Energia Elétrica

Como Citar

OLIVEIRA, Adilson de. Liberalização interrompida. Revista USP, São Paulo, Brasil, n. 104, p. 51–62, 2015. DOI: 10.11606/issn.2316-9036.v0i104p51-62. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/106753.. Acesso em: 15 jul. 2024.