Saúde nas grandes metrópoles e populações socialmente vulneráveis

Autores

  • Rita Barradas Barata CA de Saúde Coletiva e Nutrição do CNPq. Conselho Superior da Capes. Associação Internacional de Epidemiologia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i107p27-42

Palavras-chave:

saúde urbana, grupos socialmente vulneráveis, migrantes estrangeiros, pessoas em situação de rua

Resumo

O artigo discute a complexidade das metrópoles do ponto de vista dos processos sociais e urbanos, enfatizando a constituição de diversos grupos socialmente vulneráveis e o impacto dessas condições sobre o estado de saúde, exposição à violência, experiência de discriminação e alguns comportamentos de risco para a saúde. O estudo empírico focalizou a zona central da cidade (centro histórico e centro expandido) e três grupos particularmente vulneráveis vivendo nessa zona: pobres urbanos residindo em setores censitários de média a muito alta vulnerabilidade social, migrantes bolivianos e pessoas em situação de rua. 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Rita Barradas Barata, CA de Saúde Coletiva e Nutrição do CNPq. Conselho Superior da Capes. Associação Internacional de Epidemiologia

    é coordenadora do CA de Saúde Coletiva e Nutrição do CNPq, membro do Conselho Superior da Capes e conselheira da América Latina e Caribe na Associação Internacional de Epidemiologia

Referências

BARATA, R. B. et al. “Grupo do Projeto de Vulnerabilidade Social no Centro de São Paulo. Desigualdade Social em Saúde na População em Situação de Rua na Cidade de São Paulo”, in Saúde & Sociedade, 24(Supl1), 2015, pp. 219-32.

BARATA, R. B.; RIBEIRO, M. C. S. A.; CASSANTI, A. C. “Grupo do Projeto Vulnerabilidade Social no Centro de São Paulo. Social Vulnerability and Health Status: a Household Survey in the Central Area of a Brazilian Metropolis”, in Cadernos de Saúde Pública, 27(Sup2), 2011, pp. S164-S175.

BOUSQUAT, A.; NASCIMENTO, V. B. “A Metrópole Paulista e a Saúde”, in São Paulo em Perspectiva, 15(1), 2001, pp. 112-20.

CARVALHO, I. M. M.; PASTERNAK, S.; BÓGUS, L. M. “Transformações Metropolitanas: São Paulo e Salvador”, in Caderno CRH, 23(59), 2010, pp. 301-21.

FUNDAÇÃO SEADE. Índice Paulista de Vulnerabilidade Social, 2010. Disponível em: http://www.indices-ilp.al.sp.gov.br.

. Informações dos Municípios Paulistas. Perfil Municipal. Disponível em: http://www.imp.seade.gov.br. Acesso em: novembro de 2015.

GROSTEIN, M. “Metrópole e Expansão Urbana: a Persistência de Processos Insustentáveis”, in São Paulo em Perspectiva, 15(1), 2001, pp. 13-9.

IGLECIAS, W. “Impactos da Mundialização sobre uma Metrópole Periférica”, in Revista Brasileira de Ciências Sociais, 17(50), 2002, pp. 47-180.

LAWRENCE, R. J. “Urban Health Challenges in Europe”, in Journal of Urban Health, 90 (Suppl1), 2012, pp. S23-S36.

MARQUES, E.; REQUENA, C. “O Centro Voltou a Crescer?”, in Novos Estudos, 95, 2013, pp. 17-36.

MARTINEZ, V. et al. “Equity in Health: Tuberculosis in the Bolivian Immigrant Community of São Paulo, Brazil”, in Tropical Medicine and International Health, 17(11), 2012, pp. 1.417-24.

MERCADO, S. et al. “Urban Poverty: an Urgent Public Health Issue”, in Journal of Urban Health, 84(1), 2007, pp. i7-i15.

PREFEITURA do Município de São Paulo, Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social e Núcleo de Pesquisas em Ciências Sociais da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Censo da População em Situação de Rua na Municipalidade de São Paulo, 2011.

VILLAÇA, F. “São Paulo: Segregação Urbana e Desigualdade”, in Estudos Avançados, 25(71), 2011, pp. 37-58.

WHO – World Health Organization. Comission on Social Determinants of Health (CSDH). A Conceptual Framework for Action on the Social Determinants of Health. Geneva, 2007.

WHO. Centre for Health Development. Megacities and Urban Health. Geneva, 2009.

Downloads

Publicado

2015-12-17

Edição

Seção

Dossiê "Saúde Urbana"

Como Citar

BARATA, Rita Barradas. Saúde nas grandes metrópoles e populações socialmente vulneráveis. Revista USP, São Paulo, Brasil, n. 107, p. 27–42, 2015. DOI: 10.11606/issn.2316-9036.v0i107p27-42. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/115111.. Acesso em: 17 abr. 2024.