Mudanças climáticas e saúde urbana

Autores

  • Eunice A. B. Galati Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
  • Tamara N. de L. Camara Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
  • Delsio Natal Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
  • Francisco Chiaravalloti-Neto Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i107p79-90

Palavras-chave:

Aedes aegypti, aquecimento global, Culex quinquefasciatus, dengue, leishmaniose visceral, Lutzomyia longipalpis

Resumo

As mudanças climáticas podem ter impactos significativos na população humana, sobre tudo das área s urbanas. Seus efeitos podem levar à exposição a condições extremas, como desastres naturais – furacões, secas e inundações –, ao aumento na propagação de doenças disseminadas por vetores, incluindo mosquitos provocadores de incômodos. Apresentam-se aspectos de como o aquecimento global pode impactar a população de dípteros transmissores de agentes de algumas doenças, tais como a leishmaniose visceral, a filariose e as arboviroses – dengue, chikungunya e zika –, com impactos na saúde pública e exigindo maiores esforços na vigilância e controle. 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Eunice A. B. Galati, Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública

    professora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública e do Mestrado Profissional em Entomologia em Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública da USP. 

  • Tamara N. de L. Camara, Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública

    professora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública e do Mestrado Profissional em Entomologia em Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública da USP. 

  • Delsio Natal, Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública

    professor do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública e do Mestrado Profissional em Entomologia em Saúde Pública da  Faculdade de Saúde Pública da USP. 

  • Francisco Chiaravalloti-Neto, Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública

    professor do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública e do Mestrado Profissional em Entomologia em Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública da USP. 

Referências

ALVAR, J. et al. “Leishmaniasis Worldwide and Global Estimates of Its Incidence”, in PLoS ONE, 7(5), 2012, p. e35671.

ARAUJO, R. V. et al. “São Paulo Urban Heat Islands Have a Higher Incidence of Dengue than Other Urban Areas”, in The Brazilian Journal of Infectious Diseases, 19(2), 2015, pp. 146-55.

BARCELLOS, C. et al. “Mudanças Climáticas e Ambientais e as Doenças Infecciosas: Cenários e Incertezas para o Brasil”, in Epidemiologia e Serviços de Saúde, 18, 2009, pp. 285-304.

BARCLAY, E. “Is Climate Change Affecting Dengue in the Americas?”, in The Lancet, 371, 2008, pp. 973-4.

BHATT, S. et al. “The Global Distribution and Burden of Dengue”, in Nature, 496(7.446), 2013, pp. 504-7.

CASANOVA, C. et al. “Distribution of Lutzomyia longipalpis Chemotype Populations in São Paulo State, Brazil”, in PLoS Neglected Tropical Diseases, 9(3), 2015, p. e0003620.

CHIARAVALLOTI-NETO, F. “Descrição da Colonização de Aedes aegypti na Região de São José do Rio Preto, São Paulo”, in Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 30, 1997, pp. 279-85.

CUNHA, D. G. et al. “Contiguous Urban Rivers Should Not Be Necessarily Submitted to the Same Management Plan: the Case of Tietê and Pinheiros Rivers (São Paulo, Brazil)”, in Anais da Academia Brasileira de Ciências, 83(4), 2011, pp. 1.465-80.

CVE – Centro de Vigilância Epidemiológica Professor Alexandre Vranjac. Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. Distribuição dos Casos de Dengue Autóctones segundo o Município Provável de Infecção e Casos Importados de Outros Estados segundo o Município de Residência no Estado de São Paulo. Disponível em http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/zoo/. Acessado em: 22/11/2015.

FONTES, G. et al. “Lymphatic filariasis in Brazil: Epidemiological Situation and Outlook for

Elimination”, in Parasities & Vectors, 26(5), 2012, p. 272.

HARBACH, R. E. “Culex pipiens: Species Versus Species Complex Taxonomic History and Perspective”, in Journal of the American Mosquito Control Association, 28(4 Suppl), 2012, pp. 10-23.

HARRIGAN, R. J. et al. “A Continental Risk Assessment of West Nile Virus Under Climate Change”, in Global Change Biology, 20(8), 2014, pp. 2.417-25.

LOUISE, C.; VIDAL, P. O.; SUESDEK, L. “Microevolution of Aedes aegypti”, in PLoS ONE, 10(9), 2015, p. e0137851.

MEASON, B.; PATERSON, R. “Chikungunya, Climate Change, and Human Rights”, in Health and Human Rights, 16, 2014, pp. 105-12.

MORAIS, S. A.; MARRELLI, M. T.; NATAL, D. “Aspectos da Distribuição de Culex (Culex) quinquefasciatus Say (Diptera: Culicidae) na Região do Rio Pinheiros, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, Brasil”, in Revista Brasileira de Entomologia, 50(3), 2006, pp. 413-18.

NASCIMENTO, C. B. A Baixa Transmissão de Dengue na Região Metropolitana de São Paulo no Contexto das Demais Regiões do Estado: Razões e Perspectiva. Tese de doutorado. São Paulo, Faculdade de Saúde Pública da USP, 2001.

PAHO – Pan American Health Organization. Regional Office of the World Health Organization – WHO. “Leishmaniases: ‘Epidemiological Report of the Americas’”, in Report Leishmaniases n. 32.015.

ROSSATI, A. et al. “Vector Transmitted Diseases and Climate Changes in Europe”, in Le Infezione in Medicina, 22(3), 2014, pp. 179-92.

RUEDA, L. M. et al. “Temperature-dependent Development and Survival Rates of Culex quinquefasciatus and Aedes aegypti (Diptera: Culicidae)”, in Journal of Medical Entomology, 27, 1990, pp. 892-8.

SES – Secretaria de Estado da Saúde. Superintendência de Controle de Endemias. Programa de Controle de Aedes aegypti no Estado de São Paulo. Secretaria de Estado da Saúde. São Paulo, 1985.

TEIXEIRA, J. C.; GUILHERMINO, R. L. “Análise da Associação entre Saneamento e Saúde nos Estados Brasileiros, Empregando Dados Secundários do Banco de dados Indicadores e Dados Básicos para a Saúde – IDB 2003”, in Revista de Engenharia Sanitária e Ambiental, 11(3), 2006, pp. 277-82.

WHO – World Health Organization. “Control of the Leishmaniasis: Report of a Meeting of the WHO Expert Committee on the Control of Leishmaniases”, in WHO Technical Report Series, 949. Geneva, March, 2010, pp. 22-6.

Downloads

Publicado

2015-12-17

Edição

Seção

Dossiê "Saúde Urbana"

Como Citar

GALATI, Eunice A. B.; CAMARA, Tamara N. de L.; NATAL, Delsio; CHIARAVALLOTI-NETO, Francisco. Mudanças climáticas e saúde urbana. Revista USP, São Paulo, Brasil, n. 107, p. 79–90, 2015. DOI: 10.11606/issn.2316-9036.v0i107p79-90. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/115116.. Acesso em: 17 abr. 2024.