A democracia no México

Autores

  • Rubén Aguilar Valenzuela Universidad Iberoamericana

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i109p87-94

Palavras-chave:

transição, alternância, corrupção, desigualdade, bem-estar

Resumo

Ao término da fase armada da Revolução Mexicana (1910-1920), o grupo vencedor elabora um sistema político que permite dirimir o poder pela via institucional, que se caracteriza pelo presidencialismo, o partido de Estado e o corporativismo. Em 1977 inicia-se o processo da transição democrática, que termina em 2000, com triunfo do candidato opositor, Vicente Fox. Põe-se fim a 80 anos de um regime autoritário, mas nunca ditatorial. Hoje é uma realidade a intensa competitividade eleitoral. Agora a democracia mexicana se enfrenta com um conjunto de desafios maiores que é indispensável vencer, em curto tempo, para consolidar e aperfeiçoar o sistema. Três dos mais importantes são: acabar com a corrupção, reduzir os níveis de desigualdade social e ampliar os espaços de participação dos cidadãos

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rubén Aguilar Valenzuela, Universidad Iberoamericana

é professor de Ciência Política e Comunicação Governamental da Universidad Iberoamericana (México)

Downloads

Publicado

2016-11-22

Como Citar

Valenzuela, R. A. (2016). A democracia no México. Revista USP, (109), 87-94. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i109p87-94

Edição

Seção

Dossiê democracia na América Latina