Antibrasilianismo: doença infantil da historiografia brasileira

Autores

  • José Carlos Sebe Bom Meihy

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i112p129-142

Palavras-chave:

brasilianismo, antibrasilianismo, historiografia, relações Brasil-Estados Unidos

Resumo

O presente artigo aborda a produção dos intelectuais norte-americanos que pesquisam o Brasil em diversos campos do conhecimento. De modo geral, os chamados brasilianistas têm sido vistos como “intrusos”, e sobre eles pesa uma rejeição que compromete a análise desse conjunto de pesquisadores segundo os fundamentos da cultura universitária norte-americana. O desconhecimento do contexto daquela produção tem provocado visões que refletem um nacionalismo acadêmico que merece críticas a partir do uso insistente de determinadas práticas conhecidas como “antibrasilianismos”. Pensando em termos historiográficos, essa perspectiva pode ser assumida como uma doença infantil que toma conta da percepção de alguns autores brasileiros que se dizem especialistas no assunto

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Carlos Sebe Bom Meihy

é professor aposentado do Departamento de História da FFLCH-USP

Downloads

Publicado

2017-04-07

Como Citar

Meihy, J. C. S. B. (2017). Antibrasilianismo: doença infantil da historiografia brasileira. Revista USP, (112), 129-142. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i112p129-142

Edição

Seção

Dossiê americanistas